Notícias

Qual o meu papel de pai e como pai na escola?

  por Manoel Gusmão - 24/11/2018 21:02
Manoel Gusmão

Por: Manoel Gusmão da Silveira

 

Depois de vivenciar um forte e lindo momento em minha vida e participando da atividade escolar vejo que vivemos num tempo em que tudo passa muito depressa. Como a sociedade está cada vez mais organizada à volta do trabalho (e não em redor da família ou dos afetos em geral), acontece que, cada vez temos menos tempo para estarmos com os outros. Este problema é particularmente inquietante para a vida familiar.

Sabemos que para um bom desenvolvimento psicossocial dos filhos, a presença e o suporte afetivo dos pais é fundamental. Este apoio é especialmente importante ao longo do trajeto pessoal, desde a infância até à fase final da adolescência.

No entanto, sabemos que muitos pais lamentam chegar a casa cansados e indisponíveis, enquanto os filhos acham que não vale a pena falar com os mais velhos, pois eles nunca têm tempo.

Como conseguirão os pais manter os empregos, essenciais para a sobrevivência da família, sem descurar o acompanhamento dos seus filhos?

Ouve-se com muita frequência dizer que os pais participam cada vez menos na vida escolar dos seus filhos, remetendo exclusivamente para a escola a tarefa de os educar.

Sabemos que é na pré-primária que os pais contactam com mais frequência a escola, e que a sua participação diminui à medida que se avança na escolaridade.

Não devemos, no entanto, esquecer que a escola é, também, responsável por este alheamento dos pais em relação à instituição, já que nem sempre informa claramente, ao mesmo tempo que não mobiliza os pais da melhor forma.

Contudo, é cada vez maior a convicção que a educação dos jovens é tarefa a ser assumida pelos pais e professores. Para isso, é necessário que se construam relações frutuosas de cooperação para atingir um objetivo comum: o desenvolvimento integral das crianças e dos jovens.

É necessário que os pais assumam que a sua participação na vida da escola é um direito e um dever
Além de ser um dever cívico, a participação ativa dos pais em estruturas da escola (associação de pais, conselho pedagógico, conselho geral) é vista pelos filhos como uma demonstração de empenho e interesse, mesmo pelos alunos mais velhos.

As primeiras reuniões, que se realizam no início do ano letivo, com os diretores de turma ou, muitas vezes, com a direção, são muito importantes, já que os pais são informados não só de que modo podem ter conhecimento do processo educativo dos seus filhos, mas também de como se vai desenrolar o processo de representação dos pais nas estruturas escolares.

É fundamental que a escola e os pais caminhem de mãos dadas porque o “pai” só triunfará como figura parental se mostrar a sua imperfeição e, sem abdicar das suas convicções, estiver disposto a ouvir e a discutir experiências. Enquanto o professor só terá êxito se efetivamente ouvir os seus alunos e partilhar o saber.

Assim, só conseguiremos educar os nossos filhos como cidadãos interventivos e críticos, se dermos o exemplo.

Nesta semana convite da professora Tatiana do 2° ano do colégio Monte Tabor localizado no bairro Patagônia, tive esse momento e oportunidade única de vivenciar, partilhar e cooparticipar do meu papel de pai acopanhando e participando diretamente ao lado da professora, alunos e escola do papel socioeducativo.

Naquele momento uma emoção tomou conta de mim, lógico que fiz de tudo para não demonstrar aqueles alunos e principalmente a minha filha Ana Maria. A professora falou sobre o projeto da presença dos pais na escola, e se eu poderia comoarecer algum dia para contar uma historia para os alunos de sua turma onde a minha filha tem a honra de estudar com ela.

Ao chegar na sala tinha a certeza que era apenas pegar uma historinha que provavelmente ja teria na sala de aula ou na escola, más para minha surpresa, o pai ou a mãe estaria a vontade para fazer daquele momento do seu jeito, no momento não havia levado ou decorado nenhuma historinha, então respirei fundo, olhei para cada criança, especialmente para Ana Maria e vi em seus semblantes a atenção e olhinhos toda focada em que eu iria falar, comecei então a me entregar aquele momento mágico, me coloquei no lugar deles, relembrei meu tempo de criança e de escola, no momento em que falava, a atenção delas aumentava, elas começaram a interagir, a falar a perguntar, a sorrir, eu me soltava e me sentia um deles, o pai voltava a ser criança.

Compartilhei com eles o meu tempo de criança, de aluno e como filho, contava a eles sobre as nossas brincadeiras de criança de antigamente e de que forma são as brincadeiras de hoje, pedi a elas que continuassem sendo crianças, e que escutassem e obedecessem seus pais assim como fazem na escola. Eu falava e meus olhos enchiam-se de água, e percebir que de muitas crianças também, a emoção e alegria tomava conta da sala, não queria que o tempo acabasse nem passasse logo, mais ao mesmo tempo, precisava ir embora, voltar ao trabalho e deixar a professora Taty continuar a sua aula.

Naquele momento eu tinha a certeza de qual grande é o papel dos pais na escola e próximo a ela, de estar presente com os filhos também nas atividades escolares e não apenas em casa.

Sempre procurei ser um pai presente como por exemplo comparecer as reuniões de pais, atividades comemorativas ou atividades desenvolvidas e sugeridas pela escola, mais aquele momento de falar na sala de aula apenas você e elas foi mágico, foi único, foi emocionante, tinha a certeza que ser pai também é ser educador, naquele momento em sala de aula com aquelas crianças me sentir um professor, um super héroi e como disse a elas: - "A escola compartilhar conhecimentos mais nós pais temos o dever e obrigação de dar a educação dentro de casa e participar da vida de seus filhos na escola e em seus trabalhos e tarefas escolares". Já diz a música "Viver é melhor que sonhar", e quero viver o sonho de termos uma educação melhor valorizada e mais reconhecida por nossos governantes, pois os professores são nossos mestres e hérois, por meio deles nos tornamos, médicos, advogados, padres, pastores, secretários, futuros professores, etc.

Por meio deles e da educação, mudamos e transformamos o mundo. Por meio da responsabilidade de assumir o papel de pai na escola, criamos homens e mulheres para serem dignos de sabedoria, respeito e responsabilidade consigo mesmo e para com o próximo.
Obrigado tia Taty pelo convite, obrigado Colégio Monte Tabor por nos motivar e mostrar o nosso dever, obrigado crianças por me relembrar a ser e ter um coração e inocência de criança.

+ Colunas

Comentários









Enquetes


Categorias

Áudios Cidades Colunas Educação Entretenimento Esportes Mensagens PodCast Polícia Política Publicidade Saúde Tempo

Rede Criativa

Mídia Notícias Rádio Hoje Brasil Repórter Hoje

Cidades

Amargosa Baixo Sul Brejões Elísio Medrado Itatim Laje Milagres Piemonte do Paraguaçú Recôncavo Baiano Salvador e RMS Santo Antonio de Jesus São Miguel das Matas Ubaíra Vale do Jiquiriçá Varzedo Vitória da Conquista e Sudoeste
Anunciar | Você Repórter | Termos de Uso | Contato | Expediente
©Copyright - Criativa On Line - Rede Criativa de Comunicação
A Força da Comunicação na Internet! 22/03/2019 22:15