Notícias

ANS diz que só mudará aumento em plano de saúde por decisão da Justiça

Depois que o Supremo Tribunal Federal (STF) suspendeu a regra que fixa um limite de 40% para exames e consultas em planos de coparticipação e franquia, a Agência Nacional de Saúde Complementar (ANS) falou que vai manter a nova norma.

O diretor de Desenvolvimento Setorial da ANS, Rodrigo Aguiar, falou que o papel da agência é equilibrar os interesses do mercado e dos usuários dos planos e que “não é um órgão de defesa do consumidor”.

Ele afirmou que quer manter o teto de 40% e que só vai mudar o aumento no planos de saúde se houver decisão da Justiça nesse sentido.

A decisão do STF que revogou o teto, atendeu a um pedido do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB). A norma entraria em vigor no fim de dezembro.

Postado em 19 de Julho, às 11:39 por Cristóvão Guimarães 0 comentários

Vacina contra gripe atinge 90% do grupo prioritário

O Ministério da Saúde conseguiu atingir a meta de vacinar 90% do público-alvo da campanha de vacinação contra a gripe.

De acordo com o último boletim, divulgado pela pasta nesta terça-feira (17/07), 90,19% da população prioritária está imunizada contra a doença, o que representa 51,4 milhões de pessoas.

As regiões Centro-Oeste (99,45%) e Nordeste (94,71%), ainda são as únicas que ultrapassaram a meta.

Norte e Sudeste apresentaram a menor cobertura vacinal contra gripe (86,61%) e (86,9), respectivamente.

Na Região Sul, a cobertura, até o momento, é 88,6%. 

Leia o conteúdo na íntegra em saude.gov.br

Postado em 19 de Julho, às 10:37 por Cristóvão Guimarães 0 comentários

Ministério alerta para vacinação contra sarampo e pólio

O Ministério da Saúde fez um alerta, por meio de vídeo, sobre a importância da vacinação de crianças contra o sarampo e a poliomielite.

Na gravação, a apresentadora Xuxa Meneghel, escolhida como madrinha da campanha encabeçada pelo governo federal, lembra que pais, mães e responsáveis devem levar seus filhos aos postos de vacinação para receber ambas as duas doses.

“Esse papo de ‘não precisa vacinar não’ é mentira. Quem está falando isso é mentiroso. Tem que vacinar, sim. Se você ama o seu baixinho, se você ama a sua baixinha, vamos vacinar”, reforçou a apresentadora.

O vídeo oficial da campanha, agendada para o período de 6 a 31 de agosto, será divulgado pela pasta nas próximas semanas. Devem receber as doses crianças menores de 5 anos.

O sarampo é uma doença infecciosa aguda, de natureza viral, grave, transmitida pela fala, tosse e espirro, e extremamente contagiosa, mas que pode ser prevenida pela vacina.

Pode ser contraída por pessoas de qualquer idade. As complicações infecciosas contribuem para a gravidade do quadro, particularmente em crianças desnutridas e menores de 1 ano.

Em algumas partes do mundo, a doença é uma das principais causas de morbimortalidade entre crianças menores de 5 anos de idade. 

Em 2016, o Brasil recebeu da Organização Pan-Americana da Saúde (Opas) o certificado de eliminação da circulação do vírus.

Atualmente, entretanto, o país enfrenta surtos de sarampo em Roraima e no Amazonas, além de casos já identificados em São Paulo, no Rio Grande do Sul, em Rondônia e no Rio de Janeiro.

Causada por um vírus que vive no intestino, o poliovírus, a poliomielite geralmente atinge crianças com menos de 4 anos de idade, mas também pode contaminar adultos.

A maior parte das infecções apresenta poucos sintomas, e há semelhanças com infecções respiratórias – como febre e dor de garganta – e gastrointestinais – como náusea, vômito e prisão de ventre.

Cerca de 1% dos infectados pelo vírus desenvolve a forma paralítica da doença, que pode causar sequelas permanentes, insuficiência respiratória e, em alguns casos, levar à morte.

Postado em 16 de Julho, às 11:28 por Cristóvão Guimarães 0 comentários

Venezuelana é internada com meningite em hospital de Roraima

Uma mulher venezuelana de 32 anos foi internada no Hospital Geral de Roraima, em Boa Vista, com diagnóstico de meningite bacteriana.

De acordo com a Secretaria de Saúde do estado, a paciente, da cidade de Santa Helena de Uairén, procurou a unidade de saúde no último sábado (7).

“O caso é isolado e não há risco de contágio da doença.

A paciente está internada na UTI [unidade de terapia intensiva], respira com ajuda de aparelhos e está sendo medicada com antibióticos. O estado de saúde dela é considerado grave”, informou a pasta, por meio de comunicado.

A doença, segundo a secretaria, foi desenvolvida a partir de uma infecção no ouvido que acabou afetando o sistema nervoso, causando a meningite. Em entrevista coletiva, o médico infectologista Mauro Asato, coordenador da UTI do hospital, destacou que não se trata de meningite meningocócica e, portanto, não há risco de transmissão.

Casos suspeitos

De acordo com o Núcleo de Controle da Coqueluche, Meningite e Difteria de Roraima, até junho, foram notificados oito casos suspeitos de meningite no estado.

Destes, três foram confirmados, quatro foram descartados e um ainda está sob investigação.

Em 2017, foram notificados 36 casos suspeitos de meningite no estado.

Destes, 23 foram confirmados – dois em venezuelanos.

Já em 2016, foram notificados 51 casos suspeitos de meningite.

Destes, 14 foram confirmados, sendo três em venezuelanos.

Postado em 16 de Julho, às 11:26 por Cristóvão Guimarães 0 comentários

Número de mortes por febre amarela no estado do Rio sobe para 85

Um idoso de 71 anos morreu vítima de febre amarela no estado do Rio de Janeiro. Com a confirmação do óbito, subiu para 85 o total de mortes provocadas pela doença no estado. Embora o caso tenha sido registrado pela Secretaria de Estado de Saúde (SES) em Petrópolis, na região serrana, a prefeitura da cidade informou que a vítima é moradora do município do Rio.

O homem relatou durante atendimento em uma unidade de saúde da capital fluminense que esteve em Petrópolis apenas por um dia, em 2 de junho, no distrito de Pedro do Rio. De acordo com a prefeitura de Petrópolis, o idoso não tomou a vacina contra a febre amarela porque tinha câncer.

Por causa do registro, a Secretaria de Saúde de Petrópolis fez, a partir da segunda quinzena de junho, um levantamento com os moradores da região de Pedro do Rio. De acordo com o órgão, não há casos registrados no distrito nem em outros bairros da cidade. No município, já foram aplicadas 264.497 vacinas contra a febre amarela. A imunização continua disponível em 15 postos com rotina de vacinação.

Balanço anual 
Segundo a Vigilância em Saúde da SES, neste ano, foram registrados 264 casos de febre amarela silvestre em humanos no estado do Rio. Angra dos Reis, na Costa Verde, foi o município que teve o maior número de mortes. Dos 57 casos registrados, houve 15 óbitos causados pela doença. Teresópolis, com oito mortes, e Valença, com seis, são os outros dois municípios com mais mortes.

Sarampo
A Secretaria de Estado de Saúde analisa o possível local de infecção pelo vírus causador do sarampo de duas estudantes de direito da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Segundo o Ministério da Saúde, até o momento, o Rio de Janeiro informou ao órgão, oficialmente, a existência de 18 suspeitas da doença e dois registros confirmados.

Os casos das jovens estavam entre os quatro em análise, que já tinham sido anunciados pela SES. As secretarias de Saúde do estado e do município não informaram se os outros dois registros já foram descartados, disseram apenas que só serão divulgados se forem confirmadas as contaminações.

Nos casos das duas alunas da UFRJ, as amostras foram analisadas pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), no laboratório de referência do Ministério da Saúde. Desde a primeira suspeita da circulação de sarampo no estado, a SES e a Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro trabalham em parceria.

A confirmação do diagnóstico de sarampo nas duas estudantes levou a secretaria municipal a fazer, no início do mês, uma vacinação de bloqueio no campus da Faculdade Nacional de Direito para evitar a contaminação em outras pessoas que frequentam a unidade de ensino.

Vacinas
No estado do Rio, a proteção contra o sarampo se dá por meio das vacinas tríplice viral e tetra viral, disponíveis conforme calendário de vacinação do Ministério da Saúde. O esquema vacinal da pasta para crianças é de uma dose aos 12 meses (tríplice viral) e outra aos 15 meses (tetra viral). Para adolescentes e adultos até 29 anos, são recomendadas duas doses, podendo ser da tríplice ou tetra viral. Dos 30 aos 49 anos, a indicação é de dose única (tríplice ou tetra viral). O ministério recomenda ainda que quem já tomou duas doses ao longo da vida não deve mais receber a vacina.

O sarampo, que já foi uma das principais causas de mortalidade infantil no país e pode deixar sequelas neurológicas, é transmitido por vírus, provoca manchas vermelhas no corpo, febre alta, tosse, coriza, conjuntivite e
pontos brancos na mucosa bucal.

O Ministério da Saúde programou uma campanha de vacinação nacional contra o sarampo e a poliomielite para o período entre 6 e 31 de agosto. 

Postado em 13 de Julho, às 11:13 por Cristóvão Guimarães 0 comentários

Campinas vacina funcionários de Viracopos contra o sarampo

A Secretaria Municipal de Saúde de Campinas inicia amanhã (12) a vacinação de funcionários do Aeroporto Internacional de Viracopos contra o sarampo. Na semana que vem, a pasta deve imunizar funcionários da rodoviária da cidade contra a doença.

A campanha oficial de vacinação contra o sarampo, aberta à população, será mantida na data estipulada pelo Ministério da Saúde, de 6 a 31 de agosto.

A Prefeitura de Campinas informou, entretanto, que todos os 64 postos de saúde do município já contam com doses da vacina tríplice viral, que protege contra o sarampo, a caxumba e a rubéola. A orientação é que qualquer adulto ou criança que não esteja com o calendário de vacinação em dia procure uma das unidades para ser imunizado. A cobertura vacinal para o sarampo na cidade é de 77,7% e a meta é chegar a 95%.

O Calendário Nacional de Vacinação prevê a primeira dose da vacina tríplice viral aos 12 meses e a segunda, da vacina tetra viral (também protege contra a catapora), aos 15 meses. Pessoas com idade entre 15 meses e 29 anos não vacinadas devem tomar duas doses da tríplice viral, com intervalo de um mês entre elas. Já adultos de 30 a 58 anos não vacinados devem tomar uma dose única da tríplice viral.

A doença

O sarampo é uma doença infecciosa aguda, de natureza viral, grave, transmissível e extremamente contagiosa. Complicações infecciosas contribuem para a gravidade do quadro, particularmente em crianças desnutridas e menores de um 1 ano de idade.

Os sintomas incluem febre alta acima de 38,5°C; erupções na pele; tosse; coriza; conjuntivite; e manchas brancas que aparecem na mucosa bucal, conhecidas como sinais de Koplik e que antecedem de um a dois dias antes do aparecimento da erupção cutânea.

A transmissão do sarampo acontece de quatro a seis dias antes e até quatro dias após o aparecimento do exantema (erupção cutânea).

Postado em 11 de Julho, às 14:53 por Cristóvão Guimarães 0 comentários

Movimento Brasil Sem Parasitose passará por cinco estados

A partir do dia 17 de julho, se inicia a terceira jornada do Movimento Brasil Sem Parasitose, que este ano passará por cinco estados brasileiros – São Paulo, Minas Gerais, Bahia, Pernambuco e Rio de Janeiro.

A ação, realizada pela Federação Brasileira de Gastroenterologia (FBG) com apoio da FQM Farma, tem como objetivo atender, informar e orientar a população sobre tratamentos e cuidados para reduzir a ocorrência das doenças parasitológicas e suas consequências.

Os médicos gastroenterologistas e pediatras realizarão os atendimentos e orientações em um caminhão de 52 m², adaptado com três consultórios com capacidade total para cerca de 200 atendimentos por dia, os quais serão realizados por meio de entrega de senhas.

Na primeira etapa, o paciente responderá um questionário sobre os padrões de saneamento básico, higiene pessoal e familiar, hábitos de vida e o histórico clínico.

Em seguidapassará por uma triagem realizada por enfermeiros e, depois do atendimento com os médicos, será direcionado para uma sala temática educativa, onde receberá orientações práticas sobre hábitos de higiene pessoal e doméstica, dadas por uma equipe de agentes de saúde.

"As parasitoses são doenças simples e fáceis de serem tratadas, mas são pouco valorizadas, mesmo com grande incidência na população de um modo geral.

É um problema de saúde pública e um dos mais graves que temos no mundo.

Essa ação serve para valorizar e lembrar o médico da importância delas e aplicar um tratamento maciço”, explica o presidente da FBG, Dr. Flávio Quilici.

Os principais temas abordados serão a importância de hábitos de higiene pessoal e doméstico para evitar a transmissão de parasitas e a importância do tratamento antiparasitário realizado por médicos.

O Movimento também apresentará à população quais são as patologias tratadas pelo médico gastroenterologista e que acometem o sistema digestório (boca, estômago, esôfago e intestinos), tais como refluxo esofágico, gastrite, úlceras, prisão de ventre, diarreias, infecções intestinais, entre outras.

Em sua terceira edição, o MBSP deste ano comecará na cidade de Guarulhos, nos dias 17 e 19 de julho, finalizando em agosto no Rio de Janeiro. A ação terá duração de 17 dias.

Problema mundial

De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), as parasitoses são as doenças mais comuns do mundo. No Brasil, elas afetam em torno de 36% da população, no caso das crianças, esse número sobe para 55%.

O Movimento permite à população brasileira adquirir conhecimento sobre essas doenças, tornando-a agente na resolução dos problemas de saúde comunitária a partir de simples mudanças de hábitos de higiene pessoal e da comunidade.

Além de desmistificar que as parasitoses são doenças exclusivas de pessoas que vivem em áreas críticas de saneamento básico.

No ano passado, 100 profissionais da sáude, entre eles, médicos, nutricionistas, assistentes sociais e enfermeiros participaram do projeto e atenderam cerca de 15 mil pacientes nas 14 cidades percorridas.

As principais queixas relatadas pelos pacientes foram:
• 48% dores abdominais e cólicas; 
• 43% azia;
• 38% barriga constantemente inchada; 
• 31% diarreia, entre outros sintomas.
 
Cuidados, sintomas e tratamento das parasitoses intestinais

Embora mais prevalentes em regiões carentes de saneamento básico, as parasitoses atingem todas as camadas socioeconômicas da população, nas diversas faixas etárias.

Pessoas com hábitos adequados de higiene pessoal e domiciliar, fora de regiões mais expostas, também podem se infectar, seja na rua, em casa, no trabalho, etc.

Os sintomas mais frequentes das parasitoses intestinais são: dores abdominais, diarreia, gases, falta de apetite, perda de peso, náuseas e vômitos, tosse, febre, falta de ar, anemia, coceira no ânus, vontade de comer coisas diferentes como terra, areia e tijolo.

Os riscos à saúde provocados se estendem além dos intestinos, dependendo do tipo de cada parasita, e pode causar anemia, desnutrição, doenças pulmonares, hepáticas, ginecológicas, neurológicas, pancreáticas, etc.

O tratamento é feito por medicamentos específicos, além de orientação para a prevenção e mudança de hábitos oferecidos pelo médico especialista.

A prevenção, o tratamento e o controle de verminoses podem ser feitos a partir da adoção de medidas simples no cotidiano familiar e domiciliar, como o hábito de lavar as mãos frequentemente, higienizar adequadamente os alimentos antes do consumo e evitar andar descalço, principalmente em regiões com esgoto e lixo a céu aberto.

Cronograma

Neste ano, a Unidade Móvel passará por seis estados brasileiros entre os meses de julho e agosto. Para mais informações acesse o site www.brasilsemparasitose.com.br.
Guarulhos/SP – 17 a 19/07
Belo Horizonte/MG – 24 a 26/07
Recife/PE – 01 a 03/08
Salvador/BA – 07 a 09/08
Rio de Janeiro/RJ – 16/08 e 21 a 24/08
 
Sobre o Movimento Brasil Sem Parasitose

Alinhado às diretrizes da OMS de controle de parasitoses intestinais, o Movimento Brasil sem Parasitose é um projeto social e educacional realizado pela Federação Brasileira de Gastroenterologia (FBG) com apoio da FQM Farma .

 A ação leva orientação à população através do site e redes sociais, além de realizar atendimento gratuito à população na Unidade Móvel de Saúde.

A equipe de atendimento é formada por cerca de 20 profissionais da saúde, entre médicos gastroenterologistas, enfermeiros e agentes de saúde que auxiliam no trabalho de orientação e prevenção das parasitoses.
 
Sobre a FQM Farma

A FQM Farma é uma indústria farmacêutica especializada em medicamentos vendidos sob prescrição médica. Sua linha de produtos está presente em farmácias de todos os Estados do Brasil.

A fábrica está localizada no Rio de Janeiro e possui a certificação de boas práticas, emitida pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária).

A sua missão é promover a saúde e o bem-estar, colocando à disposição da classe médica e profissionais de saúde, soluções terapêuticas modernas que contribuam para a melhoria da qualidade de vida.

Postado em 11 de Julho, às 14:26 por Cristóvão Guimarães 0 comentários

Rio de Janeiro confirma dois casos de sarampo

Dois pacientes do Rio de Janeiro tiveram diagnóstico de sarampo confirmados pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), laboratório de referência do Ministério da Saúde.

A informação foi divulgada hoje (9) pela Secretaria Estadual de Saúde.

Os dois casos confirmados são alunos da Faculdade de Direito da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) , onde, até o final da semana passada, havia 13 casos suspeitos de sarampo. Esses estudantes participaram de um encontro com jovens de vários estados brasileiros na cidade de Petrópolis, na região serrana fluminense.

De acordo com a Secretaria Estadual de Saúde, as autoridades sanitárias da cidade do Rio ralizaram uma vacinação de bloqueio no dia 3 de julho, na Faculdade de Direito, localizada no centro da capital fluminense.

A Secretaria de Saúde ressaltou que a proteção contra o sarampo faz parte das vacinas Tríplice Viral e Tetra Viral, disponíveis conforme calendário de vacinação do Ministério da Saúde para crianças entre 12 e 15 meses.

A cobertura vacinal contra a doença para crianças de 1 ano no estado é 95% . Devem ser vacinadas as crianças de até um ano e adultos de até 49 anos que não tenham sido imunizados.

Aqueles que tomaram as duas doses da vacina não precisam tomar nova dose.

Postado em 10 de Julho, às 11:01 por Cristóvão Guimarães 0 comentários

MPF cobra medidas para garantir vacinação em mais de 300 municípios

Prefeitos de 312 municípios brasileiros foram oficiados pelo Ministério Público Federal (MPF) para que adotem as medidas necessárias a fim de garantir a adequada vacinação de crianças. 

Dados do Ministério da Saúde apontam que a cobertura vacinal para a poliomielite nessas cidades está abaixo dos 50%, quando a recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS) é que o índice se mantenha em 95%.

No ofício, a procuradora federal dos Direitos do Cidadão, Deborah Duprat, solicita que seja ampliado o horário de funcionamento das salas de vacina, a fim de assegurar a pais e responsáveis a possibilidade de atendimento fora do horário comercial. 

O MPF também pede que seja rigorosamente observado o Calendário Nacional de Vacinação, ainda que se tenha que aplicar mais de uma dose por vez – exceto se houver recomendação médica em contrário.

As 312 prefeituras terão de assegurar a implantação do Sistema de Informação do Programa Nacional de Imunização e o treinamento adequado de servidores responsáveis pela utilização do sistema, para que as informações de cobertura vacinal cheguem regularmente ao ministério.

Devem ser adotadas ainda medidas para que profissionais da atenção básica – inclusive agentes comunitários de saúde – façam busca ativa de crianças de sua área de abrangência que não estejam com a caderneta de vacinação em dia. 

As escolas também deverão ser chamadas a contribuir com o cumprimento do calendário, sendo orientadas a verificar, no momento da matrícula, a caderneta de vacinação do aluno e a informar à família e às autoridades sanitárias casos de ausência de doses obrigatórias.

Postado em 10 de Julho, às 10:57 por Cristóvão Guimarães 0 comentários

Saiba quais doenças voltaram a ameaçar o Brasil

Os primeiros sinais de queda nas coberturas vacinais em todo o país começaram a aparecer ainda em 2016. De lá para cá, doenças já erradicadas voltaram a ser motivo de preocupação entre autoridades sanitárias e profissionais de saúde.

Amazonas, Roraima, Rio Grande do Sul, Rondônia e Rio de Janeiro são alguns dos estados que já confirmaram casos de sarampo este ano.

Em 2016, o Brasil recebeu da Organização Pan-Americana de Saúde (Opas) o certificado de eliminação da circulação do vírus.

Dados do Ministério da Saúde mostram que a aplicação de todas as vacinas do calendário adulto está abaixo da meta no Brasil – incluindo a dose que protege contra o sarampo.

Entre as crianças, a situação não é muito diferente – em 2017, apenas a BCG, que protege contra a tuberculose e é aplicada ainda na maternidade, atingia a meta de 90% de imunização.

Em 312 municípios, menos de 50% das crianças foram vacinadas contra a poliomielite.

Apesar de erradicada no país desde 1990, a doença ainda é endêmica em três países – Nigéria, Afeganistão e Paquistão.

O grupo de doenças pode voltar a circular no Brasil caso a cobertura vacinal, sobretudo entre crianças, não aumente. O alerta é da Sociedade Brasileira de Imunizações (Sbim), que defende uma taxa de imunização de 95% do público-alvo.

O próprio Ministério da Saúde, por meio de comunicado, destacou que as baixas coberturas vacinais identificadas em todo o país acendem o que chamou de "luz vermelha".

Confira as principais doenças que ensaiam um retorno ao Brasil caso as taxas de vacinação não sejam ampliadas.

Sarampo

O sarampo é uma doença infecciosa aguda, de natureza viral, grave, transmissível e extremamente contagiosa. Complicações infecciosas contribuem para a gravidade do quadro, particularmente em crianças desnutridas e menores de um 1 ano de idade.

Os sintomas incluem febre alta acima de 38,5°C; erupções na pele; tosse; coriza; conjuntivite; e manchas brancas que aparecem na mucosa bucal, conhecidas como sinais de Koplik e que antecedem de um a dois dias antes do aparecimento da erupção cutânea.

A transmissão do sarampo acontece de quatro a seis dias antes e até quatro dias após o aparecimento do exantema (erupção cutânea).

O período de maior transmissibilidade ocorre dois dias antes e dois dias após o início da erupção cutânea.

Poliomielite

Causada por um vírus que vive no intestino, o poliovírus, a poliomielite geralmente atinge crianças com menos de 4 anos de idade, mas também pode contaminar adultos.

A maior parte das infecções apresenta poucos sintomas e há semelhanças com as infecções respiratórias como febre e dor de garganta, além das gastrointestinais, náusea, vômito e prisão de ventre.

Cerca de 1% dos infectados pelo vírus pode desenvolver a forma paralítica da doença, que pode causar sequelas permanentes, insuficiência respiratória e, em alguns casos, levar à morte.

Rubéola

A rubéola é uma doença aguda, de alta contagiosidade, transmitida pelo vírus do gênero Rubivirus. A doença também é conhecida como sarampo alemão.

No campo das doenças infectocontagiosas, a importância epidemiológica da rubéola está associada à síndrome da rubéola congênita, que atinge o feto ou o recém-nascido cujas mães se infectaram durante a gestação.

A infecção na gravidez acarreta inúmeras complicações para a mãe, como aborto e natimorto (feto expulso morto) e para os recém-nascidos, como surdez, malformações cardíacas e lesões oculares.

Os sintomas da rubéola incluem febre baixa e inchaço dos nódulos linfáticos, acompanhados de exantema. A transmissão acontece de pessoa para pessoa, por meio das secreções expelidas pelo doente ao tossir, respirar, falar ou respirar.

Difteria

Doença transmissível aguda causada por bacilo que frequentemente se aloja nas amígdalas, na faringe, na laringe, no nariz e, ocasionalmente, em outras mucosas e na pele.

A presença de placas branco-acinzentadas, aderentes, que se instalam nas amígdalas e invadem estruturas vizinhas é a manifestação clínica típica da difteria.

A transmissão acontece ao falar, tossir, espirrar ou por lesões na pele. Portanto, pelo contato direto com a pessoa doente. O período de incubação da difteria é, em geral, de um a seis dias, podendo ser mais longo. 

Já o período de transmissibilidade dura, em média, até duas semanas após o início dos sintomas.

Postado em 10 de Julho, às 10:53 por Cristóvão Guimarães 0 comentários

Saúde lança plano para eliminar hepatite C

Um plano pactuado entre o Ministério da Saúde, estados e municípios, pretende eliminar a hepatite C no Brasil até 2030. A ideia é simplificar o diagnóstico, ampliar a testagem e fortalecer o atendimento às hepatites virais.

Atualmente, a hepatite C tem o maior número de notificações dentre todas as hepatites. Em 2017, a taxa de incidência foi de 11,9 casos por cada 100 mil habitantes.

São mais de um milhão de pessoas que tiveram contato com o vírus do tipo C, o que representa 0,71% da população brasileira.

Lançado nesta quarta-feira (04), o plano irá definir as populações prioritárias para tratamento, além de avaliar a incorporação de novas tecnologias.

Postado em 06 de Julho, às 10:04 por Cristóvão Guimarães 0 comentários

Especialista explica como driblar as armadilhas do inverno sem colocar a dieta em risco

Sempre quando cai um pouco mais a temperatura, nosso organismo tende a buscar alimentos mais calóricos e gordurosos e, se não tomarmos cuidado, corremos o risco de exagerar e ganhar alguns quilinhos extras.

“No inverno não há muita transpiração, e a “necessidade” de hidratação é menor em relação ao calor, por isso reduzimos o consumo de água, sucos, frutas e saladas, comidas mais leves, e preferimos alimentos mais quentes, calóricos e com digestão mais lenta, que proporcionam sensação de saciedade por mais tempo”, explica Thomas Araújo, nutricionista da Rede Alpha Fitness.

Segundo o especialista, há outro fator importante, destacado pelos estudos, que mostra que o aumento do apetite nos dias mais frios tem a ver com a relação  emocional que as pessoas apresentam com a comida: a busca pelo conforto que a comida quente traz.

As sopas ou os caldos podem ser grandes aliados e substituírem a salada do jantar, tornando-se uma ótima alternativa para nutrir e aquecer o corpo, desde que os ingredientes sejam usados com inteligência.

“Uma sopa balanceada deve ter uma porção de proteína de boa qualidade e baixo teor de gordura, como peito de frango ou patinho moído, e legumes pouco calóricos, como abobrinha, berinjela, alho-poró, aipo, couve-flor, brócolis e abóbora”, indica o nutricionista.

A sopa também vai bem no almoço como entrada, pois promove saciedade e deixa a pessoa mais contente com uma menor porção do prato principal.

Alerta para os carboidratos, que podem ser grandes vilões também no inverno; afinal, quem resiste a uma massa no jantar ou a um pão quentinho no café da manhã no inverno?

“Isso não quer dizer que é proibido comer uma massa, mas sim que a pessoa deve ter uma maior atenção.

Escolher opções mais leves e saudáveis e, claro, não exagerar.

Uma massa com molho vermelho e um filé grelhado é uma ótima opção, por exemplo.

Se a massa for integral e você consumir uma salada de entrada, melhor ainda!”, explica.

 Com dedicação, disciplina e força de vontade, dá para seguir uma dieta adequada ao seu consumo de calorias. Deve-se atentar também a não entrar numa rotina sedentária!

Postado em 05 de Julho, às 15:31 por Cristóvão Guimarães 0 comentários

Como eliminar pulgas e carrapatos de casa?

Quem tem cachorro ou gato em casa com certeza já ouviu falar sobre a importância de manter os pets livres de pulgas e carrapatos. Mesmo aqueles que moram em locais de pouca incidência desses parasitas, como apartamentos, devem tomar alguns cuidados, já que o animal pode adquiri-los em um simples passeio na rua. Além de causar reação alérgica nos peludos, pulgas e carrapatos trazem danos à saúde do animal e da família.
 
O controle dos parasitas costuma ser difícil devido ao seu ciclo de vida. A pulga, por exemplo, tem quatro estágios de desenvolvimento - ovo, larva, pupa e adulta -, sendo que apenas no último deles ela se instala no animal, o que costuma representar 5% dos parasitas. Nos outros estágios - que correspondem a 95% dos parasitas do ambiente -, as pulgas permanecem no local ao redor do pet, como casinha, tapetes e móveis da casa, tornando muitas vezes ineficazes tratamentos tópicos de curta duração.
 
Segundo Daniela Bacarin, médica veterinária e gerente de produtos da unidade Pet da MSD Saúde Animal, é importante que o controle dos parasitas seja feito de forma efetiva para que proteja o pet e o ambiente, já que as pulgas adultas, por exemplo, conseguem botar cerca de 20 a 50 ovos por dia no local. “Por mais limpa que seja a casa ou o espaço em que o cachorro ou gato esteja acostumado a ficar, há grandes chances de haver ovos e larvas de pulgas e carrapatos, mesmo que eles tenham sido exterminados do animal. Isso faz com que em poucos dias o pet volte a sofrer com o problema”, afirma a especialista.
 
Por isso, o tratamento preventivo contínuo é a melhor alternativa. Quando o animal está protegido contra os parasitas – seja por medicamentos de longa duração ou coleiras -, as chances de trazê-los no corpo para dentro de casa ou pegá-los novamente é quase nula. “Para que seu animal se mantenha protegido, o ideal é incluir nos cuidados com a saúde do pet produtos de longa duração – alguns chegam a ter eficácia de 12 semanas -, que evitem que as pulgas e carrapatos se desenvolvam no ambiente. Quando não conseguem se alimentar do animal, elas acabam morrendo com o tempo”, ressalta Daniela.
 
Prejuízos à saúde
 
Além da intensa coceira causada pela presença desses parasitas, pulgas e carrapatos também podem trazer danos à saúde do seu pet. Quando em grande quantidade, eles extraem muito sangue do animal, o que pode resultar em anemia. Além disso, os carrapatos podem transmitir uma série de doenças, como a Babesiose, Erliquiose, Febre Maculosa e Doença de Lyme, que também podem afetar humanos.
 
“Muitas pessoas imaginam que esses vetores são inofensivos, que só causam coceira e nada mais. Mas a verdade é que, devido ao seu longo ciclo de vida, podem permanecer no ambiente e causar prejuízos ao animal com o tempo”, reforça Daniela, que complementa “administrar medicamentos no pet somente quando ele é afetado por esses parasitas coloca em risco à saúde do animal e da família. Fique atento à administração periódica de produtos que sejam preventivos”, finaliza.
 
Algumas medidas podem ajudar a identificar e eliminar pulgas e carrapatos do seu pet. Confira:
 
·         Fique atento caso o pet comece a se coçar com frequência. Orelhas, pescoço, patas e topo da cabeça são os locais preferidos para o alojamento de parasitas;
·         Ao identificar pulgas ou carrapatos, use produtos específicos para eliminação dos ovos e larvas no ambiente. Atenção aos locais onde o pet fica mais presente e ambientes com superfícies quentes, como tapetes e estofados;
·         Se for retirar manualmente algum carrapato do pet, use uma pinça e se certifique de o retirou por completo. Deixar pedaços do parasita no pet pode causar infecções na região;
·         Não esqueça de levar o pet ao veterinário após identificar os parasitas. Somente o especialista poderá indicar os exames adequados para avaliar se houve danos à saúde do animal e indicar o melhor tratamento;
·         Caso ainda não faça a administração de nenhum produto preventivo contra pulgas e carrapatos, opte por algum de longa duração, que dificulta a proliferação de novos ciclos de pulgas e carrapatos.
 
Sobre a MSD Saúde Animal
Com foco em desenvolvimento de medicamentos e serviços inovadores para veterinários, produtores e proprietários de animais de estimação, a MSD Saúde Animal é uma companhia global com mais de um século de história, presente em mais de 50 países e com produtos disponíveis em 150 mercados. Conhecida nos Estados Unidos e Canadá como Merck Animal Health, a empresa biofarmacêutica é uma das líderes de mercado no fornecimento de produtos voltados a saúde animal. Seu propósito é melhorar a vida das pessoas por meio do compromisso com a ciência, trazendo ao mercado produtos que entregam mais saúde e desempenho aos animais. Para mais informações, visite www.msd-saude-animal.com.br.
 

Postado em 29 de Junho, às 09:34 por Cristóvão Guimarães 0 comentários

HRSAJ abre processo seletivo para áreas de enfermagem e nutrição

O Hospital Regional de Santo Antônio de Jesus (HRSAJ) segue desta quarta (27) até a próxima quarta-feira (4) com processo seletivo aberto para formação de cadastro de reserva nas áreas de enfermagem e nutrição.

Para participar, os candidatos devem enviar currículo para o endereço eletrô[email protected]

O processo seletivo contará com etapas de avaliação de conhecimentos e habilidades específicas aos cargos de caráter eliminatório e classificatório.

Postado em 28 de Junho, às 09:20 por Cristóvão Guimarães 0 comentários

Asmáticos devem ficar atentos e longe da fumaça dos fogos juninos

O início do inverno no Brasil coincide com o Dia Nacional do Controle da Asma, 21 de junho. Neste dia, muitos profissionais e organizações de saúde, a exemplo do Planserv, buscam alertar a população sobre a asma, uma das doenças que mais levam pessoas aos serviços de urgência. Na Bahia, neste período, a inalação de fumaça proveniente da queima de fogos de artifício, comuns nos festejos juninos e em dia de jogos do Brasil da Copa do Mundo, pioram a situação.

As crises asmáticas podem ser desencadeadas quando a pessoa se expõe a substâncias transportadas pelo ar, tais como fumaça, sobretudo provocada por cigarro e fogos; ácaros; poeira; pelos de animais; poluentes ambientais; mofo; substâncias químicas (tintas, desinfetantes e produtos de limpeza) e infecções virais (gripe), além de certos medicamentos. Fatores emocionais e atividade física intensa também podem provocar irritação das vias aéreas.

A doença - A asma é uma doença inflamatória crônica dos brônquios, que são as vias por onde entra e sai o ar que respiramos. No asmático, a passagem do ar é dificultada porque os brônquios sofrem estreitamento, causado pela contração dos músculos ao seu redor e pelo aumento da produção de catarro. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), 300 milhões de pessoas no mundo convivem com a asma. No Brasil, a doença atinge cerca de 20 milhões de pessoas e é responsável por cerca de três mil mortes por ano, sendo a quarta causa de internação hospitalar, afetando indivíduos de todas as idades.

Sintomas - No inverno, os casos de internação por doenças respiratórias aumentam de 35 a 50%. Nessa estação, as crises de asma tendem a aumentar porque o frio deixa as vias aéreas mais sensíveis e as infecções virais, como a gripe, são mais frequentes. Os sintomas mais comuns da asma são: tosse (seca ou com catarro), falta de ar, chiado e sensação de aperto ou opressão no peito. Para confirmar o diagnóstico, é importante realizar a espirometria, exame que mede a quantidade de ar que o paciente consegue expirar. Os resultados permitem verificar se existe obstrução à passagem do ar nas vias aéreas, principal característica da asma.

Tratamento - Apesar de não existir cura para a asma, a doença pode ser bem controlada com a vasta gama de medicamentos disponíveis. Seu uso deve ser sempre orientado por um médico, após uma avaliação criteriosa. As medicações para asma são divididas em dois grupos: as que servem para tirar o paciente da crise aguda e aquelas que controlam a inflamação a fim de evitar as crises.

A via preferencial para utilização dos medicamentos é a inalatória, porque permite que a medicação seja administrada diretamente no pulmão. Desta forma, a ação é mais rápida e a dosagem, menor, o que acarreta menos efeitos colaterais. A lista completa de prestadores credenciados ao Planserv que podem atender aos beneficiários do plano está disponível no sitewww.planserv.ba.gov.br e no aplicativo do plano, que pode ser baixado na loja virtual Google Play, para telefones com sistema Android, e App Store, para quem utiliza iPhones.

Postado em 18 de Junho, às 14:31 por Cristóvão Guimarães 0 comentários

Segundo estudo, o Brasil terá 640 mil casos de câncer até 2025 e 5% deles serão provocados pela obesidade

Entretanto, há uma grande preocupação por parte dos estudiosos, quanto ao crescimento da industrialização e o alto consumo de alimentos processados. 

Um estudo publicado recentemente no periódico científico Cancer Epidemmiology, mostra que a industrialização de sistemas alimentares afetou profundamente as culturas alimentares tradicionais, e assim, prejudicou diretamente a saúde das pessoas, já que elas geralmente se alimentavam mais de alimentos frescos, anteriormente.

O estudo aponta para os índices crescentes da obesidade no mundo.

No Brasil, com base nas informações do Ministério da Saúde, entre 2006 e 2016, o índice de pessoas acima do peso passou de 11,8% para 18,9%, um crescimento de 60% em dez anos.

Para os especialistas, os resultados são alarmantes, já que o problema contribui também com o aumento de outras doenças já conhecidas, como a diabetes e a hipertenção.

Em outros dados, a pesquisa também associa a doença a 13 tipos de câncer, entre eles estão o de fígado, mama e próstata. Em projeções feitas para 2025, o Brasil contará com cerca de 640.000 casos de câncer, e quase 30.000 deles vão estar associados à obesidade.

O estudo também constatou que, além da ingestão de alimentos ultraprocessados, a falta de atividade física contribui ainda mais para esses índices.

“Manter-se ativo contribui para a prevenção de muitos problemas e, além de ser uma atividade que funciona para o corpo e a saúde, mantém a mente ocupada e equilibra as pessoas”, explica Igor Castro, Coordenador Geral da Rede Alpha Fitness de academias.

Os autores do estudo consideram que a relação entre o câncer e a obesidade está nos estímulos à maior proliferação celular provocada pelo peso elevado. “Já estão comprovados os malefícios da má alimentação e do sedentarismo.

Para evitar problemas futuros, o melhor sempre é a prevenção. Por isso, recomenda-se manter uma dieta saudável e rica em nutrientes, acompanhada por um profissional de nutrição e também, a prática regular de atividades físicas. Esses sempre serão os melhores reagentes para a qualidade de vida”, completa Igor.
--

Postado em 18 de Junho, às 09:58 por Cristóvão Guimarães 0 comentários

Tuberculose - catadores e população de rua

A Fundação José Silveira (FJS) , o Ministério Público do Estado e a Central das Cooperativas de Trabalho de Reciclagem da Bahia firmaram hoje (11) convênio de cooperação técnica com o para diagnosticar e reforçar o tratamento dos casos de tuberculose e doenças respiratórias.

O atendimento será feito pela Unidade Móvel da FJS, em parceria com o Rotary Club da Bahia, que dispõe de sala de Raio X e estrutura de coleta de material para a realização do teste rápido.

O presidente da FJS, Dr.

Geraldo Leite, destacou a importância da iniciativa, pois estudos recentes revelaram que a incidência de tuberculose nos catadores de material reciclável e moradores em situação de rua é até setenta vezes maior do que a média nacional.

Conforme assinalou a superintendente da FJS, Leila Brito, a unidade é a primeira no estado voltada ao atendimento desse público em condição mais vulnerável.

Durante o evento, a promotora de Justiça Márcia Teixeira, coordenadora do Centro de Direitos Humanos do MPBA, disse que “o Ministério Público é parceiro há muitos anos da Fundação José Silveira, que realiza um trabalho de referência no combate à doença, experiência que permitiu concretizar esse antigo sonho”.

A presidente da Central das Cooperativas, Michele Almeida agradeceu a iniciativa, que beneficiará milhares de famílias.

Postado em 14 de Junho, às 16:48 por Cristóvão Guimarães 0 comentários

Comidas do São João especialista dá dicas de como aproveitar as delícias sem perder a forma

A decoração, os fogos e, em especial, as comidas! Então, logo surge a dúvida: como controlar o peso e manter a saúde em dia, diante de tantas delícias? Os especialistas alertam que não precisa se desesperar.

A depender das escolhas, as opções poderão ser saborosas e saudáveis, sem comprometer o peso. Claro que tudo depende também de moderação e boas escolhas.

O milho é fonte de energia, fibras e é o mais tradicional alimento da maioria dos pratos juninos, seguido pela mandioca. “É preciso ter cuidado com o seu consumo em excesso, em especial quando associado com gordura, a exemplo da manteiga, utilizada no milho cozido ou na pipoca”, explica o nutricionista Gabriel Pacheco, da Rede Alpha Fitness.

O amendoim é outro ingrediente típico, rico em potássio, magnésio, zinco, proteína e gordura monoinsaturada (benéfica ao organismo). “Algumas iguarias feitas com o amendoim podem conter grande quantidade de açúcar, como o pé de moleque (490 Kcal em 100g) e a paçoca (150 Kcal em 30g).

Sendo assim, deve ser consumido com moderação”, acrescenta.

A tapioca é outro exemplo de “queridinho” do período junino e pode ser ingerida doce ou salgada. Por ser produzida a partir da mandioca, é rica em carboidratos e alto teor energético.

Dessa forma, cuidado com a quantidade a ser consumida. “O melhor é sempre optar por recheios com proteínas ou gorduras boas, como queijos brancos e/ou coco seco ralado”, alerta.

Nas festas juninas, além das comidas, os licores também são muito populares e podem ser tornar grandes vilões.

Além do teor alcoólico, são adicionadas as calorias do açúcar, que pode deixar a bebida com quase 150 Kcal em uma dose de apenas 50 ml. Para o especialista, a moderação é mesmo a melhor saída.

 “Dá pra curtir as festas dançando muito forró, gastando a energia e saboreando bem as iguarias juninas.

A melhor recomendação é não esquecer os hábitos de uma vida saudável como a hidratação, mastigar bem os alimentos e optar sempre por alimentos mais naturais.

Se alimentar antes de sair de casa para que a tentação de comer compulsivamente diminua é uma outra boa pedida”, aconselha Gabriel.

Postado em 13 de Junho, às 11:05 por Cristóvão Guimarães 0 comentários

Junho Lilás chama a atenção para a importância do Teste do Pezinho

A Apae Salvador, instituição credenciada pelo Ministério da Saúde como o único Serviço de Referência em Triagem Neonatal na Bahia, lança campanha do Junho Lilás para chamar atenção sobre a importância do teste do pezinho.

Com o slogan “Eu ainda não posso falar, mas meu corpo já diz muito”, a campanha da Apae alerta para a relevância do exame, que permite a detecção de sete doenças pelo SUS (Fenilcetonúria, Hipotireoidismo Congênito, Doenças Falciformes e outras Hemoglobinopatias, Fibrose Cística, Hiperplasia Adrenal Congênita, Deficiência de Biotinidase e Aminoacidopatias) com apenas algumas gotinhas de sangue.

Com uma cobertura, em 2017, de mais de 88% dos bebês nascidos vivos no estado, a Apae tem a meta de atingir 90% em 2018.

 “A marca de 88,11% de recém-nascidos triados na Bahia representa uma das maiores coberturas desde a implantação do Programa de Triagem Neonatal em 2001.

Mas sempre trabalhamos para alcançar uma cobertura maior, pois ainda existem crianças que não realizam a triagem neonatal e, todos os anos, temos que garantir que os novos recém-nascidos tenham este beneficio garantido”, destaca a médica geneticista Helena Pimentel, gerente do serviço de Triagem Neonatal da Apae Salvador.

Por que e onde fazer?

A maioria das doenças investigadas pelo teste do pezinho são assintomáticas no período neonatal (0 a 28 dias de vida) e podem levar a deficiência mental ou afetar gravemente a saúde da criança. Tratadas a tempo, a chance de que a doença não leve a sequelas é muito grande, melhorando assim a qualidade de vida dos casos confirmados e tratados.

Vale lembrar que além de colher o sangue para fazer os exames, os pais devem pegar o laudo com os resultados.

“Muitas pessoas não se preocupam em pegar os resultados porque acham que, se alguma doença for diagnosticada, automaticamente a APAE entrará em contato.

Nós entramos em contato sim, mas não devemos pensar assim, pois, se por algum motivo a amostra de sangue não chegar a APAE Salvador, o teste do pezinho não será realizado.

Assim, é sempre necessário buscar o resultado e mostrá-lo ao médico pediatra ou à enfermeira do posto”, reforça Helena Pimentel. Em 2017, mais de 178 mil crianças foram triadas em todo o Estado da Bahia.

A APAE realiza o exame dos bebes e realiza a confirmação dos casos e o tratamento adequado quando existe alteração.

O momento certo!

Além do desafio de fazer com que todos os bebês façam o teste do pezinho, a campanha Junho Lilás alerta para a importância de esse exame ser feito no período ideal, ou seja, entre o 3º ao 5º dia após o nascimento. Apenas 47% dos bebês de 2017 fizeram o exame no período ideal.

“Antes do terceiro dia, não é possível detectar determinadas doenças, por isso não é recomendado fazer a coleta.

Também, quando demoramos muito para levar o bebê para fazer a coleta, que é o primeiro passo, a detecção da alteração pode demorar e, quando começarmos o tratamento já não será tão eficiente.

Precisamos lembrar que o exame de triagem neonatal é realizado para prevenção de agravos à saúde do bebê”, explica a médica.

A coleta do Teste do Pezinho pode ser realizada pelo SUS em um dos 4 mil postos de saúde distribuídos em todo o Estado da Bahia ou na APAE Salvador (Alameda Verona, 32 – Pituba).

Além das sete doenças cobertas pelo SUS, a APAE Salvador também realiza a triagem neonatal para demais doenças por convênio ou particular.

A parceria com os municípios

Para garantir a cobertura cada vez mais próxima dos 100% de recém-nascidos triados, e uma coleta no período ideal, a Apae Salvador conta com o envolvimento das gestões municipais e das equipes de saúde dos municípios.

“A boa cobertura alcançada é decorrente da adesão dos municípios, por estes reconhecerem a importância desse programa de saúde pública e que, antes de tudo, é um direito de todo recém-nascido e um dever dos pais e do Estado”, afirma Helena Pimentel.

Além disso, o tratamento e acompanhamento com equipe interdisciplinar depende do apoio dos municípios no deslocamento das famílias.
 
A Apae Salvador também promove capacitação permanente para as equipes dos municípios que trabalham com a triagem neonatal. Em 2017, houve capacitação em todas as nove macrorregiões do Estado, com a participação de 1.070 profissionais do SUS.

“As três esferas do governo (municipal, estadual e federal) precisam trabalhar de forma coesa para que o programa tenha êxito e alcance o seu propósito. Somos, com muito orgulho, o Serviço de Referência do Estado da Bahia e realizamos um dos melhores Programas de Triagem do Brasil”, conclui Pimentel.

Postado em 07 de Junho, às 11:27 por Cristóvão Guimarães 0 comentários

A incontinência urinária e a saúde do homem

A incontinência urinária é uma condição muito comum em grande parte dos homens e está diretamente relacionada a fatores como idade e ao câncer de próstata.

Os sintomas mais comuns apresentados são: a necessidade extrema de urinar e perda de urina constante.

O diagnóstico é realizado por meio de exames físicos e complementares, realizados em consultório médico.

Entre eles, estão o de urina, ultrassonografia, raio X da bexiga, exame urodinâmico – que tem como objetivo de mostrar se a bexiga consegue cumprir sua função de armazenar urina sob baixa pressão e proporcionar adequado esvaziamento -, diário miccional – onde é realizado um auto monitoramento dos dados miccionais durante 72 horas, registrando os horários, volume de urina, frequência das micções e episódios de perda de urina.
 
“O tratamento adequado só pode ser recomendado após entendimento do diagnóstico, pois existem diferentes tipos e níveis de incontinência urinária e o tratamento pode envolver terapia comportamental, reabilitação pélvica, estimulação elétrica e cirurgia - para casos que não respondem bem ao tratamento clínico.

A incontinência urinária tem cura e por isso é importante a busca pelo diagnóstico. Dessa maneira é possível tratar a condição apresentada, que não deve ser negligenciada, proporcionando melhoria na qualidade de vida.

Além disso existem diversos produtos para dar segurança ao paciente com essa condição”, conta o médico urologista Dr.

Paulo Rodrigues, urologista especialista no cuidado da incontinência urinária parceiro da Bigfral e da Campanha Xi...Escapou! do instituto Lado a Lado pela Vida.
 
De acordo com o médico, atualmente cerca de 25% dos homens apresentam esta condição.

Entretanto, existe a dificuldade social em relação à incontinência urinária, que muitas vezes é constrangedora.

Por este motivo, muitas pessoas escondem o problema, limitam atividades sociais, exercícios físicos e comprometem diretamente o próprio bem-estar físico, emocional, psicológico e social.

Postado em 06 de Junho, às 14:47 por Cristóvão Guimarães 0 comentários

Próximo








Enquetes


Categorias

Áudios Cidades Colunas Educação Entretenimento Esportes PodCast Polícia Política Publicidade Saúde Tempo

Rede Criativa

Mídia Notícias Rádio Hoje Brasil Repórter Hoje

Cidades

Amargosa Brejões Elísio Medrado Itatim Laje Milagres Piemonte do Paraguaçú Recôncavo Baiano Salvador e RMS Santo Antonio de Jesus São Miguel das Matas Ubaíra Vale do Jiquiriçá Varzedo
Anunciar | Você Repórter | Termos de Uso | Contato | Expediente
©Copyright - Criativa On Line - Rede Criativa de Comunicação
A Força da Comunicação na Internet! 21/07/2018 10:39