Notícias

O combate diário ao trabalho infantil

Em Caruaru (PE), o projeto Fazendo Direito: Uma Proposta de Enfrentamento ao Trabalho Infantil atua com 3.000 crianças e adolescentes entre 7 e 17 anos. No Ceará, o Juventude Viva atende 380 jovens entre 12 e 16 anos no município de Morrinhos e o Arte e Cultura em Harmonia, de Jijoca do Jericoacoara, outras 300 crianças e adolescentes entre 3 e 17 anos.

Em Espírito Santo do Pinhal, a cerca de 200 quilômetros da capital paulista, o Estação de Conhecimentos recebe 120 meninos e meninas de 6 a 16 anos.

Em comum, essas iniciativas têm como ação diária o combate ao trabalho infantil. No Brasil, 1,8 milhão de indivíduos entre 5 a 17 anos trabalham, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) a partir da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio (Pnad) Contínua, de 2016.

Desse total, 54,4%, ou 998 mil, enquadram-se em trabalho infantil: ocupação de qualquer natureza abaixo da idade mínima permitida, entre 5 e 13 anos, ou trabalho na idade permitida, mas sem carteira assinada, de 14 e 17 anos.

O relatório Medir o Progresso na Luta contra o Trabalho Infantil, da Organização Internacional do Trabalho (OIT), revela que há 168 milhões de crianças nessa faixa etária trabalhando no mundo, o que equivale a 11% da população nesse intervalo de idade.

Os projetos desenvolvidos nos quatro municípios brasileiros são exemplos de ações que procuram identificar espaços de incidência de trabalho infantil, prevenir e enfrentar tal prática, mas principalmente oferecer às crianças e suas famílias alternativas à essa realidade, em especial apoiando-as na permanência na escola, na melhoria do desempenho escolar e no desenvolvimento emocional, cognitivo e físico.

O trabalho infantil reproduz o ciclo de pobreza da família, na medida em que tira a criança da escola, prejudica sua aprendizagem e a torna vulnerável sob diversos aspectos, como saúde, exposição à violência, assédios, esforços físicos incompatíveis com a idade e acidentes.

“Os meninos e meninas submetidas à essa situação são privadas de uma infância plena, do direito de brincar, essenciais ao seu desenvolvimento físico, cognitivo, emocional e social.

Esses aspectos impactam diretamente na construção de uma vida saudável”, destaca a gerente de Fomento do Itaú Social, Camila Feldberg.

Apoio aos projetos – Diversas fundações e instituições de investimento social privado mantêm instrumentos de apoio financeiro a projetos que contribuam para a garantia dos direitos de crianças e adolescentes.

O Itaú Social lançou edital para destinação de recursos aos Fundos da Infância e Adolescência.

Os Conselhos Municipais dos Direitos da Criança e do Adolescente (CMDCAs) de todo o país, gestores dos Fundos, podem inscrever propostas até o dia 3 de agosto no site http://editalfia.prosas.com.br. O anúncio dos projetos selecionados está previsto para dezembro.

O Edital Fundos da Infância e da Adolescência é elaborado conforme as orientações do Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente (Conanda) e selecionará propostas voltadas ao atendimento e acolhimento direto; elaboração de diagnóstico, sistema de monitoramento e avaliação de políticas públicas; capacitação e formação profissional; campanhas educativas; e mobilização social e articulação para a defesa dos direitos.

“Os Conselhos devem selecionar e inscrever a proposta que considerem prioritária para atender às necessidades identificadas no município e garantir os direitos das crianças e adolescentes”, explica Camila.

Os valores disponibilizados para o edital são provenientes da destinação de 1% do imposto de renda devido das empresas do Conglomerado Itaú Unibanco Holding S.A.

Postado em 15 de Junho, às 16:40 por Cristóvão Guimarães 0 comentários

Mais educação para menos corrupção – Janguiê Diniz – Mestre e Doutor em Direitor

A corrupção é, de longe, uma das piores “doenças” que afetam a sociedade. Assim como um câncer, pode se espalhar por diversos setores de qualquer país. Por vezes, seus efeitos não são sentidos imediatamente, mas é certo que os custos chegam no longo prazo, com reflexos sobre o fornecimento e a qualidade de serviços públicos essenciais.

Dados do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crimes indicam que o dinheiro gasto anualmente com corrupção no mundo poderia alimentar oitenta vezes a população faminta. Propinas e roubos aumentam em 40% o custo de projetos para oferecer água potável e saneamento em todo o mundo – porque sim, até em áreas como essas, tão sensíveis, há quem consiga roubar.

É certo que a corrupção sempre existiu, afetando negativamente as políticas públicas e o crescimento econômico do país. O que varia são as consequências – para o corrupto e para a sociedade em que ele vive. Pesquisa divulgada em abril de 2018, intitulada “Retratos da Sociedade Brasileira - Educação Básica”, mostrou que a população vê uma relação direta entre a baixa qualidade do sistema educacional nacional com a corrupção. Segundo o estudo, 60% dos brasileiros apontam o baixo nível educacional como causa da corrupção. Essa visão é mais forte na faixa etária jovem, dos 16 aos 24 anos – nesse grupo, 70% dos entrevistados fez a correlação entre falta de educação e corrupção.

Já segundo análise de 2017 da ONG Transparência Internacional sobre o Índice de Percepção da Corrupção, que classifica os países com base em quão corrupto seu setor público é percebido, o Brasil ficou no 96º lugar dos 180 países avaliados, empatado com países como Colômbia e Zâmbia. A pontuação indica o nível de percepção da corrupção em uma escala de 0 a 100, em que quanto mais baixo o número, mais o país é percebido como corrupto. O Brasil recebeu nota 37 no ranking, que teve Nova Zelândia, Dinamarca e Finlândia como os menos corruptos.

Há uma clara relação entre desigualdade e corrupção. Nas sociedades mais desiguais, é possível notar um nível maior de corrupção; enquanto que as nações mais igualitárias sofrem menos com esse mal. A Finlândia, por exemplo, possui alguns dos melhores índices de qualidade de vida, educação pública, transparência política, segurança pública, expectativa de vida, bem-estar social, liberdade econômica, prosperidade, acesso à saúde pública, paz, democracia e liberdade de imprensa do mundo. As cidades do país também estão entre as mais habitáveis do mundo, figurando entre as mais limpas, seguras e organizadas.

Voltando à corrupção, agora focando no setor de educação, ela é capaz de limitar a acumulação de capital humano e, a longo prazo, afetar todo o desenvolvimento da sociedade. O único meio conhecidamente efetivo de vencer defeitos e falhas humanas é a educação. Educar com vistas ao respeito; para que nos encaremos com igualdade, fraternidade e solidariedade. E tem que ser um processo contínuo. O resultado só virá com décadas de trabalho e esforço coletivo em prol da mudança de nossa situação atual, que não é nada animadora.

Quando algo afeta a educação de uma nação, tudo pode ser posto em cheque. Só o conhecimento nos liberta a pensar e poder gerar um debate sadio para alcançar formas de avançar. 

É indispensável que haja investimentos sociais para mudar a realidade educacional atual do país. Para termos, de verdade, um País sério, a educação tem que ser prioridade, pois ela é a mola propulsora da cidadania. É um valor inestimável, que engrandece o homem, como ser empreendedor da economia, como ser beneficiário e benfeitor da sociedade.

É por todos esses fatores que não se pode dissociar a educação da corrupção. Uma é inversamente proporcional à outra. O Índice de Percepção de Corrupção Mundial é claro ao mostrar que os países com menores índices de educação e igualdade tendem a ter maiores taxas de corrupção. Além disso, tudo o que é construído culturalmente e não é da condição humana, como a corrupção, pode ser desconstruído. Essa é uma das missões mais importantes da educação.

Postado em 14 de Junho, às 08:46 por Cristóvão Guimarães 0 comentários

O agro não é pop

O slogan “Agro é tech, agro é pop, agro é tudo” sem dúvida é a marca da belíssima campanha de marketing “Agro: a Indústria-Riqueza do Brasil” promovida pela Rede Globo em rede nacional.

O objetivo da campanha é conectar o consumidor com o produtor rural e desmistificar alguns mitos em torno do agronegócio.

A afirmativa integral da mensagem, entretanto, é questionável.

O agronegócio realmente é “tech”, com tecnologia de ponta empregada em diversos elos da cadeia produtiva, desde o desenvolvimento de cultivares até a comercialização do produto final.

E a modernização é crescente.

O agronegócio também é “tudo”, indo muito além de “simplesmente” alimentos. Basta assistir aos episódios da campanha para constatar a modernização das cadeias produtivas e pluralidade de produtos e subprodutos provenientes da produção.

Agora, se tem uma coisa que o agronegócio não é, é “pop”. “Pop”, segundo o dicionário, vem de “popular”, trazendo uma conotação informal de “descolado”, “na moda” e muitos outros termos que remetem a algo legal. Uma expressão vinculada ao mundo dos famosos.

Definitivamente, o agro não é “pop”.

Longe disso, preconceito e desconfiança, esses sim são termos carregados pelo nosso setor – pelo menos em um primeiro momento – para grande parte da população.

E não me restrinjo apenas ao Brasil, me refiro ao mundo.

E não é para menos.

Informações sem fundamento, incompletas, norteadas por ideologismos, algumas, inclusive, cerceadas por interesses terceiros, são as que mais atingem a população e, evidentemente, geram dúvidas e indignação.

E as celebridades, já que estamos tratando do universo “pop”, têm boa responsabilidade nessa história, dado seu potencial de capilaridade e inspiração alheia.

Na era digital, atingir e influenciar milhões de seguidores é tarefa fácil para alguns.

Talvez o exemplo mais recente que temos concerne sobre o Projeto de Lei 6299/2002, apelidada carinhosamente de “Lei dos Agrotóxicos” ou “PL do Veneno”.

Um dos objetivos da proposta é agilizar o processo de registro – hoje leva entre 8 e 10 anos – de novos produtos, estes mais modernos e que irão substituir as formulações atuais.

Com isso vai junto o fato/indignação de que os agricultores brasileiros utilizam defensivos em desuso no exterior.

Nestes outros países, o registro é bem mais ágil – Estados Unidos e Austrália levam menos de 3 anos – por isso o descompasso da permissão quanto a utilização das formulações.]

Mas não é isso que prega o post “diga não à PL do veneno”, ilustrado com uma caveira preenchida por alimentos e compartilhado no Instagram por celebridades como: Gisele Bundchen (+14,6), Mateus Solano (+1,7), Paola Carosella (+1,4), Leticia Spiller (+2,3), Luana Piovani (+2,1) e muitos outros.

O número entre parênteses refere-se aos milhões de seguidores de cada famoso. Analisando os textos anexados às postagens, dentre tantos argumentos sem fundamento ou respaldo técnico/científico, uma mensagem é comum:

que a principal proposta da nova lei é liberar novos produtos e, consequentemente, aumentar o uso de agrotóxicos, resultando “em mais veneno na nossa comida”.

Pelo contrário, a liberação de novas formulações visa, sobretudo, reduzir a quantidade de defensivos utilizados, afinal os novos produtos são mais eficientes.

Em tempos de conectividade, alguns questionamentos ficam: qual informação viraliza e chega ao conhecimento dos consumidores? A dos famosos (com um conhecimento técnico profundo, diga-se de passagem) ou de indivíduos como eu (+5,3), Nicholas Vital (+1) e outros poucos do meio que se manifestam a respeito? O número entre parênteses refere-se aos nossos seguidores no Linkedin (não temos Instagram) e estão na casa do mil.

Aliás, você conhece algum famoso que se engaja e faz campanha pelos produtores rurais ou pelo agronegócio? Não me refiro a uma marca, ou produto específico, mas sim ao conceito da atividade.

Agora na Copa do Mundo de 2018, você conseguiria imaginar um jogador da seleção brasileira com a camisa de baixo do uniforme (a ser retirado ao final do jogo para não levar cartão amarelo) com uma mensagem como “#agro” ou “#somostodosprodutoresrurais” estampada?

Sem dúvidas, o agro não é “pop”. E nem precisamos ser.

Utilizando um gancho do Mauricio Nogueira em artigo do Valor Econômico (26/02/2018): “O agro não precisa ser “pop”, o agro precisa ser o que é, sem que tenha que destinar tempo e recursos para se defender de ataques construídos por grupos de interesse”.

Não precisamos de pessoas, jogador de futebol, famosos, celebridades, o que for, que joguem a favor.

O que precisamos é de indivíduos que não joguem contra sem estar munido de informações técnicas.

Precisamos de ciência, imparcialidade. Apenas ideologia e modismo não basta.

Nesse contexto, o que fica evidente é a necessidade de melhorar a comunicação do agronegócio.

Fazemos muito bem o que fazemos, mas nos comunicamos muito mal.

A belíssima campanha da indústria-riqueza do Brasil foi um marco para o marketing do setor.

Mas talvez a maior preocupação esteja na continuidade e capilaridade das ações.

Precisamos reforçar de forma ininterrupta a pujança e imagem de uma atividade que tanto contribui para o país, em diversos elos.

Como colocado pelo emblemático Nizan Guanaes em uma palestra que tive oportunidade de assistir: “Marketing é igual corrida.

Não adianta falar que vai correr e correr uma vez por ano. Chega até a ser perigoso. A atividade deve ser sistemática para que colham bons frutos”.
 

Postado em 07 de Junho, às 10:51 por Cristóvão Guimarães 0 comentários

Ética na vida – Janguiê Diniz – Mestre e Doutor em Direito

Você sabe o que é ética? E moral? Ética vem do grego ethos, que significa “conduta”, “modo de ser”. Já moral vem do latim moralis e quer dizer “costume”. Daí, entende-se que a ética tem viés mais individual, enquanto a moral é coletiva. De forma prática, quando se refere ao comportamento de alguns profissionais em suas funções, estamos falando de ética: a ética médica, ética empresarial, etc. Dois exemplos: “João teve uma atitude antiética ao furar a fila do banco”. “No Brasil, é imoral ter mais de uma esposa, enquanto em alguns países como a Nigéria é moralmente aceito”. Percebe a diferença?

Ao falar em ética, é comum pensar na ética profissional, política, mas, na verdade, a ética faz parte do cotidiano. É uma característica de toda ação humana. Nossa ética faz parte de quem somos. Tem mais a ver com o indivíduo do que com a sociedade. É fazer o certo, não para “aparecer” ou mostrar-se bom, mas agir de forma correta até quando ninguém está vendo. Quantas vezes não nos pegamos agindo de forma que, em outras situações, nós mesmos reprimiríamos? Por exemplo, furar uma fila, “colar” em uma prova, perceber um erro em uma conta de bar e não avisar ao garçom. São atitudes antiéticas, que vão contra os princípios morais da sociedade.

A ética não se resume apenas a comportamentos pessoais. No mundo dos negócios, os princípios éticos da empresa devem estar bem claros para os colaboradores, de forma que todos estejam focados em um mesmo objetivo. É preciso ressaltar que ética e transparência precisam andar juntas. Se determinada empresa não trabalha com ética, coerência e transparência, a probabilidade de o ambiente interno para os colaboradores ser ruim é muito alta. 

Vê-se, nesse tipo de empresa, uma alta rotatividade de colaboradores, pessoas estressadas e resultados falhos. Empresas que prezam pela ética e transparência são percebidas como positivas pela sociedade e tendem a se firmar no mercado. No caso inverso, as empresas perdem em competitividade e ficam suscetíveis a riscos de imagem e reputação.

A ética, como diz Adolfo Sanchez Vázquez, é a “teoria ou a ciência do comportamento moral dos homens em sociedade”. Fica a reflexão: se agir com consciência moral e ética é tão positivo, por que ainda há tantas pessoas que não seguem esses valores? Uma publicação do Instituto Superior de Administração e Economia da Fundação Getúlio Vargas coloca três pontos sobre o tema. Uma primeira causa pode ser a qualidade do aprendizado. 

 A segunda razão pode ser a imaturidade do raciocínio moral, que pode reduzir valores éticos a comportamentos visando apenas a obediência, para evitar punições. Um terceiro motivo seria o desconhecimento dos outros, determinado por baixo grau de empatia, e o desconhecimento de si, alimentado por autoimagem irreal e autoestima exageradamente alta ou baixa.

No Brasil, a corrupção é o principal exemplo da falta de ética e transparência. É a negação radical da ética, porque destrói as raízes das instituições criadas para garantir direitos. Neste caso, há inúmeras consequências para a construção da sociedade e a principal delas é a destruição da meritocracia. Para evitar tal efeito, além da justiça, é preciso exigir punição, dentro dos padrões previstos na constituição. 

 A educação tem um papel determinante neste contexto, visto que é de sua responsabilidade informar comportamentos éticos e morais para formar futuros cidadãos. Deixo para você um pensamento do psiquiatra e empresário Roberto Shinyashiki: “Seja ético: a vitória que vale a pena é a que aumenta sua dignidade e reafirma valores profundos”.

Postado em 04 de Junho, às 09:49 por Cristóvão Guimarães 0 comentários

São João não é só festa, é investimento, turismo e geração de emprego e renda

Segundo o Ministério do Turismo, somente no ano passado, o Turismo foi responsável por 8,5% do Produto Interno Bruto (PIB), com aporte de US$ 152,2 bilhões na economia brasileira. As viagens de brasileiros dentro do próprio país foram consideradas como uma "mola propulsora do turismo brasileiro", segundo o ministério. Esse volume representa 93,5% do PIB gerado pelo setor, enquanto as viagens internacionais contribuem com 6,5%.

O Relatório do Fórum Econômico Mundial, de 2017, mostra que dentre 136 países, o Brasil é considerado o número um no quesito diversidade de recursos naturais, além de se destacar como 8º classificado no item recursos culturais.

Importante desmistificar, neste sentido, o São João da Bahia e especificamente de Amargosa só como uma grande festa. Estima-se que o investimento direto anual da Prefeitura para realização do São João, gira entre R$ 1,5 a R$ 1,8 e que movimenta a economia do município por conta dos festejos juninos em mais de R$ 13,0 milhões. Para utilizarmos como parâmetro da força da festa na economia local, em 2017 , segundo dados da Secretaria da Fazenda do Estado da Bahia, entre os impostos ICMS, IPVA e Taxas estaduais, o Governo da Bahia arrecadou no município o montante de R$ 7,9 milhões.

Outro ponto que a ser destacado é a grande quantidade de casas alugadas no período dos festejos juninos, bem como os empregos temporários, que distribuem renda para uma parcela significativa da população. Lembramos que em 2017, o município de Amargosa com apenas 38.259 habitantes (dos IBGE 2017), se destacou ficando entre os 25 municípios baianos que mais geraram emprego, segundo o CAGED-MT.

Aprendemos em 2008 que para o enfretamento das crises econômicas é importante estimular o consumo e fazer investimentos com retorno garantido. Os festejos juninos já se consolidaram como um importante instrumento de melhoria da renda e, consequentemente, da qualidade de vida da população.

Não esquecendo que o São João é a maior festa popular do Bahia, já que acontece praticamente em todos os 417 municípios baianos, além do seu histórico de agregar as famílias, principalmente no interior do Estado.

VIVA SÃO JOÃO!!

Val de Rita

Postado em 30 de Maio, às 16:18 por Redação Criativa 0 comentários

Jejum intermitente funciona, mas estudo alerta para consequências

 
A idealização de um corpo perfeito tem impulsionado muitas pessoas a, cada vez mais, buscarem incessantemente estratégias de emagrecimento para manter o corpo em forma, seja da maneira mais simples, como a reeducação alimentar aliada à prática de exercícios físicos ou até mesmo as mais radicais, como a restrição alimentar por longos períodos, a exemplo do jejum intermitente.

De acordo com um estudo divulgado pela Associação Brasileira de Nutrição, realizado no Instituto de Química da Universidade de São Paulo (USP), e divulgado na revista Endocrinology, as dietas que alternam ciclos de jejum prolongado e de alimentação livre são capazes de prevenir o ganho excessivo de peso, mas também podem causar alterações metabólicas indesejáveis nos adeptos – como a desregulação dos mecanismos cerebrais de controle do apetite, resultando em hiperfagia (aumento anormal do apetite ou ingestão excessiva de alimentos).

“Essas dietas podem favorecer a perda de peso de forma muito eficiente, contudo existem algumas condições para serem obedecidas e tornar o processo bem sucedido, como o equilíbrio metabólico, a oferta adequada de alguns nutrientes-chave, a capacidade oxidativa (“queima”) do paciente otimizada através do exercício, e o perfil hormonal”, explica Gabriel Medrado, nutricionista da Rede Alpha Fitness.

O que torna o método de emagrecimento por dieta hipocalórica (diminuição na ingestão de calorias), exercício físico e reeducação alimentar, o mais recomendado entre os profissionais de nutrição, por ser o que tem mais dados comprovados cientificamente dos efeitos positivos.

“O número de pessoas que buscam estratégias de emagrecimento milagrosas só tem crescido, principalmente aquelas que apresentam resultados rápidos ao indivíduo, não dando a real importância aos riscos dessas práticas, tanto a curto quanto longo prazo. Portanto, é recomendado que a realização de qualquer estratégia nutricional deva ser orientada por um profissional”, explica o especialista.

Além de ser imprescindível a orientação de um profissional que leve em conta os hábitos e a rotina de cada indivíduo, é bom lembrar, também, que esse tipo de dieta só tem efeitos positivos se os alimentos consumidos durante as "janelas de alimentação" tiverem alta qualidade nutricional e forem calculadas para esse objetivo.

Postado em 28 de Maio, às 16:07 por Cristóvão Guimarães 0 comentários

A expressividade de um manifesto que ganhou o mundo

Mais de 500.000 caminhoneiros envolvidos, sem contabilizar os motoristas de veículos pequenos e demais integrantes da população.

Mobilização em mais de 270 rodovias federais e outras centenas de estaduais. A ação causou impactos nos setores de combustíveis, alimentação e diversos outros.

Até o momento são seis dias de mobilizações pacíficas e um suposto acordo do Governo Federal, fracassado.

Os manifestantes cobram a redução do alto valor cobrado no litro dos combustíveis, reajuste dos valores cobrados nos pedágios, diminuição da carga tributária, PIS/PASEP e Confins, a isenção da Cide, dentre outros.

Um movimento que ganhou o país, do Oiapoque ao Chuí e que não pode ser partidarizado. Não deve ser, sob nenhuma égide, ser considerado de esquerda ou de direita, nem muito menos dos que não se definem como tal. Nenhum grupo político pode sair no lucro, pois tal movimento é o resultado de anos de políticas equivocadas e de gestões que sempre estiveram à serviço de elite, em menor ou maior proporção.

O movimento é do povo e ganha também o mundo, sendo destaque nos principais sites de notícias internacionais.

Com críticas contra e a favor. Sem adentrar aos diversos interesses que sustentam a manutenção e o desejo do término do movimento, um fator determinante é a força do povo. O poder é do povo e deve ser exercido em favor do povo.

Ouça o áudio
Postado em 26 de Maio, às 09:06 por Magno Bastos 0 comentários

Candidatos a estágio ainda enfrentam dificuldades para conseguir se especializar

Universitário segue adiando investimento em educação devido a dificuldades econômicas.
Historicamente, um fenômeno costuma acompanhar tempos de crise: diante do desemprego, mais pessoas procuram por cursos e especializações.

Isso porque contar com um diferencial no currículo pode ser determinante para driblar a alta concorrência. No entanto, um público em especial tem enfrentado maior dificuldade na hora de investir na carreira: os jovens entre 18 e 24 anos – é o que revela um estudo feito entre indivíduos dessa faixa etária.

Segundo dados da Companhia de Estágios – consultoria e assessoria especializada em programas de estágio e trainee – 27% dos estudantes que ainda buscam uma oportunidade de trabalho adiaram, no último ano, planos de investir no currículo.

O mais preocupante é que esse público é, justamente, o mais afetado pelo corte de vagas do mercado – de acordo com números recentes do IBGE, a taxa de desemprego nessa faixa etária supera os 25%, mais que o dobro da média nacional. No entanto, nem mesmo os índices desfavoráveis parecem abalar o otimismo desses jovens, que seguem confiando numa melhora de panorama.

Currículo desatualizado

Em seu levantamento, a recrutadora ouviu 5410 estudantes de todas as regiões do país, a grande maioria universitários. Dessa parcela, 58% ainda estão fora do mercado de trabalho e buscam, especificamente, uma vaga de estágio.

Segundo a pesquisa, 27% desses jovens não conseguiram, em 2017, fazer qualquer tipo de investimento na carreira devido à crise.

E, pelo mesmo motivo, 43% adiaram os planos de fazer um curso de idiomas ou uma especialização. De acordo com o histórico da pesquisa, 30,5% dos entrevistados já apontavam a mesma dificuldade em 2016, ou seja, praticamente um terço dos candidatos a estágio está “estagnado”, sem conseguir investir na carreira, há pelo menos dois anos.

Para Tiago Mavichian, diretor da Companhia de Estágios, o fenômeno é um sinal de alerta, pois a concorrência também está alta no mercado de estágios “De acordo com a nossa pesquisa, os jovens estão priorizando a busca pelo estágio: identificamos que eles se candidataram mais para esse tipo de vaga do que para postos celetistas nos últimos dois anos.

Para se ter uma ideia, nesse mesmo período, o número de inscritos nos processos seletivos subiu 15% e, com esse aumento na oferta de candidatos, é natural que os recrutadores fiquem mais criteriosos na análise do currículo.

Por isso, é fundamental que o estudante busque alternativas para se manter competitivo”.

Impacto no orçamento familiar

O problema pode ser explicado por outro efeito colateral da crise: a queda na renda dos brasileiros. Segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad), divulgada em abril pelo IBGE, o rendimento proveniente exclusivamente do trabalho encolheu, em média, R$ 12/mês entre 2016 e 2017.

Para a parcela mais pobre da população, as perdas subtraíram até R$ 47 do ordenado mensal. Considerando que, de acordo com a pesquisa da Companhia de Estágios, 46% dos candidatos à estágio não participam do orçamento familiar e 28% têm os gastos com educação custeados por familiares, é possível compreender porque muitos não conseguiram investir em cursos extracurriculares nos últimos anos.

Otimismo e atitude

Para 60% desses jovens, a falta de oportunidades é o pior reflexo da crise, bem como a maior competitividade entre os candidatos a vagas de estágio (19%).

    Em vista disso, esses estudantes afirmam que adquirir experiência profissional e finalizar os estudos são suas maiores preocupações no momento. Agora, se a crise trouxe diversos desafios, ao menos não afetou o otimismo desse grupo: 91% deles se dizem esperançosos e acreditam numa melhora do mercado de trabalho.

Segundo Rafael Pinheiro, gerente de recursos humanos, por mais que a confiança seja importante para o jovem que concorre a uma vaga de estágio, é essencial que ele não se acomode em relação ao mercado de trabalho “Nos dois últimos anos, o otimismo do jovem aumentou, mas o número de estudantes que investiram em qualificação não.

Isso pode significar que, embora eles considerem a melhora do currículo como uma preocupação imediata, ainda estão aguardando uma “sinalização” do mercado, seja em relação à exigência dos recrutadores ou em relação ao momento mais oportuno para investir em qualificação.

A realidade é que os processos seletivos, especialmente para vagas de estágio, tendem a ficar cada vez mais disputados, e como a principal ferramenta do jovem é seu currículo, uma vez que muitos deles não tem experiencia profissional, é fundamental que ele se atualize e faça o possível para ampliar suas habilidades”.

Alternativas para incrementar o currículo

Se o ideal é não adiar, o que fazer para incrementar o currículo sem comprometer o orçamento? De acordo com Tiago Mavichian, apostar em qualificação não significa, necessariamente, uma despesa a mais “Existem muitas instituições renomadas que oferecem oficinas e cursos totalmente gratuitos, especialmente no período de férias, assim como universidades públicas.

A internet também é uma ótima ferramenta, o EAD (ensino a distância) tem crescido significativamente no Brasil e isso ajuda a derrubar o preço dos cursos.

  Outra saída interessante, porém, pouco explorada pelos jovens para valorizar o currículo é o trabalho voluntário: nosso levantamento apontou que apenas 9% dos estudantes participaram de ações do tipo no último ano.

No entanto, atualmente, cada vez mais empresas estão vendo essa experiência como um diferencial, isso porque muitas delas estão engajadas com causas sociais. Sendo assim, o trabalho voluntário pode contar muitos pontos na hora da seleção, além de, indiscutivelmente, ajudar no desenvolvimento das habilidades do participante” – finaliza.

Postado em 21 de Maio, às 10:25 por Cristóvão Guimarães 0 comentários

Só escuta música alta no carro? Cuidado com a audição!

A música é uma grande companheira dos motoristas no trânsito. Ajuda a relaxar e a passar o tempo nos congestionamentos. Mas o que deveria ser uma fuga do estresse diário também pode acarretar danos à saúde auditiva. O som que ouvimos no carro vira um problema quando exageramos no volume.

Isso ocorre porque em ambientes fechados, como nos carros, o som fica concentrado, não se propaga. E a partir de 85 decibéis de intensidade, esse som começa a causar danos cada vez mais graves às células ciliadas do ouvido e aos nervos internos da orelha. Quanto mais repetirmos esse hábito, pior.

“Dificuldades para ouvir e entender o que as pessoas falam, zumbido constante ou passageiro, e sensação de ouvido tampado são sinais que indicam que danos auditivos já afetaram aqueles que ouvem som muito alto no carro ou frequentam ambientes barulhentos com frequência.

Fique alerta! Se este for o seu caso, procure um otorrinolaringologista para checar como anda a sua audição”, aconselha a fonoaudióloga Isabela Papera, da Telex Soluções Auditivas.

O volume do som dentro de um carro pode facilmente chegar a 100 decibéis. Além da música alta, é preciso levar em conta os barulhos provenientes do trânsito e da rua e as conversas dentro do carro. Tudo isso somado é bastante prejudicial à saúde auditiva.

“Quanto mais alto o volume do som, maior é a pressão sonora em ambientes fechados. Mas quem gosta de música não precisa perder o hábito de ouvi-la ao volante. Basta manter o volume dentro do limite seguro. E para saber se a altura do som está dentro do indicado, o motorista precisa conseguir ouvir o que os outros passageiros falam, inclusive os do banco de trás, além de escutar bem os barulhos externos ao veículo”, orienta a fonoaudióloga, que é especialista em audiologia.

Pesquisas apontam que a exposição ao som alto, todos os dias, durante apenas uma hora, já pode causar perda auditiva de grau leve, em cinco anos. A perda auditiva é cumulativa. Pode não se manifestar logo, mas seus efeitos serão sentidos mais tarde.

“O som entra pelo conduto auditivo até chegar à cóclea, onde ficam as células ciliadas do ouvido, que são os receptores sensoriais do sistema auditivo.

Com a exposição intensa a altos volumes sonoros as células vão morrendo e, como não são regeneradas pelo organismo, a audição vai diminuindo de forma lenta, mas progressiva. É o que se denomina Perda Auditiva Induzida por Nível de Pressão Sonora Elevada (PAINPSE).

Ela é irreversível e pode se agravar no decorrer dos anos. A solução, em muitos casos, é o uso de aparelhos auditivos", explica Isabela.

Outro fator que agrava o hábito de ouvir música alta no carro é que a prática é considerada infração grave pelo Conselho Nacional de Trânsito (Contran).

Além de prejudicial aos ouvidos, o som em excesso atrapalha e incomoda os demais motoristas e pedestres; e ainda perturba o trabalho em escolas, hospitais e demais atividades urbanas.

Desde 2016 a multa pode ser aplicada quando o motorista é flagrado com o som do carro audível do lado externo do veículo, independentemente do volume ou frequência, perturbando o sossego público.

Os motoristas estão sujeitos à perda de cinco pontos na carteira e à multa de R$ 127,69.

Portanto, previna-se do barulho em excesso sempre que possível. Coloque o volume do som do carro dentro do recomendável.

Assim a sua audição – e o seu bolso – estarão preservados, bem como a boa convivência com os demais cidadãos nas ruas da cidade. 

Postado em 17 de Maio, às 14:32 por Cristóvão Guimarães 0 comentários

Carga tributária justa, serviços básicos de qualidade e fim da corrupção

Em ano de eleições, candidatos costumam propor melhorias em diferentes áreas. Este ano, o primeiro turno será dia 7 de outubro e a corrida já começou em todo o Brasil. Uma enquete realizada pelo Sindicato das Empresas de Contabilidade e de Assessoramento no Estado de São Paulo (Sescon/SP) revela quais as demandas mais urgentes e que merecem mais atenção dos candidatos.

Reforma tributária (10,8%), melhorias nos serviços básicos como saúde, educação e moradia (9,5%) e medidas contra a corrupção (9,3%) foram os temas mais citados entre os quase 600 empresários consultados no levantamento. A reforma da Previdência (8%), o combate à violência (7,9%) e geração de empregos (7,1%) também foram bastante mencionados.

Para Márcio Massao Shimomoto, presidente do Sescon-SP, o Brasil entrou num círculo vicioso que só será quebrado a partir de mudanças no sentido do progresso e do desenvolvimento.

 “As eleições deste ano são a grande oportunidade de iniciar esse processo: analisar as propostas de cada candidato, optando pelas que realmente se aproximem de nossas aspirações e não esquecer de cobrar o cumprimento das promessas de campanha.

O que não podemos é ficar omissos”.

Reforma tributária

Segundo Shimomoto, a reforma tributária é crucial para eliminar um dos entraves que só fazem crescer o Custo Brasil. Para ele, as leis brasileiras já sofreram remendos em excesso.

“Não podemos esperar mais para implantar programas que façam diminuir a burocracia, a carga de tributos e, ainda, racionalizar a tributação nacional. O crescimento do país depende disso.

O foco do governo na arrecadação deve dar espaço para um ambiente de estímulo aos negócios, com incentivos reais para quem gera emprego e renda”.

Serviços básicos

A arrecadação de tributos é vital para o desenvolvimento da sociedade. No Brasil, no entanto, os cidadãos precisam pagar duas vezes pelo mesmo serviço, pois boa parte da tributação não retorna à população, fazendo com que tenham de arcar com planos de saúde, escolas particulares, segurança particular, entre outros.

“Com a carga tributária beirando os 40% do PIB, parcela equivalente à de muitos países desenvolvidos, no Brasil há eficiência para arrecadar e ineficiência para investir. Enquanto isso, o PIB da economia informal se expande, desviando bilhões de reais dos cofres públicos e inserindo o país no ranking da desorganização produtiva”, afirma Shimomoto.

Postado em 16 de Maio, às 09:40 por Cristóvão Guimarães 0 comentários

Como o domínio da Inteligência Emocional interfere na criação dos filhos

No mundo contemporâneo o tempo está cada vez mais curto, os dias passam mais rápido e quase não sobra tempo para ficar com quem se ama. Neste contexto, é importante que os pais, mesmo que com a correria do dia a dia, lembrem-se da importância de dar atenção aos filhos e cuidar deles de perto para, dentre os diversos motivos, incentivar a inteligência emocional e seu domínio desde cedo.

De acordo com a máster em PNL (Programação Neuro Linguística) e criadora do método Phases, Thereza Ferreira, é importante valorizar o tempo. “Se não for possível o aumento desse período de convívio é importante estar completamente presente no tempo que com a criança estiver, deixando de lado qual tarefa e principalmente aparelhos eletrônicos. Importante também qualificar esse momento para construir laços de confiança”, ressalta Thereza.

Para estimular nas crianças o domínio da Inteligência Emocional desde cedo, Thereza explica que sempre é importante conversar com as crianças de forma clara e objetiva.  “É preciso ser verdadeiro na fala e tendo comportamento compatível ao que fala.

Segurança é fundamental no crescimento equilibrado. Porém, os pais precisam perceber seus próprios limites para não comprometer o ensinamento”, explica Thereza.

Postado em 11 de Maio, às 16:59 por Cristóvão Guimarães 0 comentários

A Lei Áurea acabou com a escravidão no Brasil?

Este ano o Brasil completa 130 anos da assinatura da Lei Áurea. A data aponta oficialmente o fim da escravidão, mas sua eficácia em relações às condições de vida da população negra não representou socialmente a tão sonhada liberdade.

O projeto abolicionista não foi seguido de um processo de inserção dos negros e negras na sociedade. Com olhar voltado para esses aspectos do contexto brasileiro pós 13 de maio de 1988, a Comissão Especial de Promoção da Igualdade da Assembleia Legislativa (ALBA), presidida pelo deputado estadual Bira Corôa Lula da Silva (PT), convida a todos para a audiência pública " A Lei Áurea acabou com a escravidão no Brasil?", que acontece na próxima terça-feira (15), na sala José Amando - ALBA -, a partir das 9h.
 
A mesa de discussão terá a presença do desembargador Lidivaldo Brito, que falará sobre a expansão do poder punitivo e o racismo institucional; da promotora Lívia Santana Vaz, acrescentando ao debate a perspectiva das  mulheres negras e das religiões de matrizes africanas.

Completa a lista de palestrantes o professor pesquisador (UNEB) Antônio Cosme, que fará uma análise histórica das relações entre o racismo e as leis abolicionistas, e a secretária estadual de Promoção da Igualdade, Fabya Reis, cuja fala discorrerá sobre as políticas de igualdades implementadas ao longo desses 130 anos pós abolição.  Atividade é aberta ao público.
 

 

Postado em 11 de Maio, às 16:55 por Cristóvão Guimarães 0 comentários

Brasileiro e suas brasilidades estão virando caso de emburrecimento

Recentemente uma música com a letra "QUE TIRO FOI ESSE", virou hit na net, e muitas pessoas em vários lugares se jogam ao chão ao som dessa música. Fato que é uma música sem poesia, sem romantismo, faz tanto sucesso, é de ficar pensando: Que tipo de gente deu tanto sucesso a uma música dessa?

Os brasileiros estão no retrocesso, literalmente emburrecendo, falta cultura, falta vontade de ler um livro, falta raciocínio intelectual, etc. QUE TIRO FOI ESSE acaba de assassinar a cultura.

Conhecimento é algo que até Deus quer, mas nós brasileiros parecemos até que ler um livro é algo castigante, algo que nos fará sofrer, o livro virou um monstro, até nas salas de aulas vemos a diminuição de levar o aluno a ter prazer pela leitura, facilitando a forma de serem aprovados de ano, série. O que fazer quando há interesses políticos que o povo sejam massa de manobra?

O povo aprende menos, e dia a dia fica mais pobre, não de dinheiro e sim de cultura. Muita música sem letra, sem romântismo e mais imoralidades. Onde está a cultura? Triste, o que estamos vendo no cenário nacional entre a população que perdeu o desejo pelo conhecimento.

Conhecer é como dar visão ao cego. John Locke em seus experimentos disse que a criança é uma tábula rasa a esperar para ser trabalhada, como um HD virgem, a esperar de informações. Voltemos a busca do conhecimento, da leitura, do saber, tomar decisões seguras é preciso também o conhecimento.

Meus sentimentos a morte da cultura ou resta-nos ressuscitar, voltando a busca do conhecimento.

Postado em 08 de Maio, às 09:26 por Ivanildo Bastos 0 comentários

Para mães empreendedoras

Empreender é um caminho muito solitário. É solitário para você se “auto motivar” diariamente, para a superação dessa jornada e principalmente para as decisões que terão de ser tomadas.

Eu acreditava, mas pensava que em algum momento poderia dar errado. Não deu, mas sempre acho que pode dar. Achei que poderia dar errado quando chegasse o primeiro filho.

Não deu. Empreendedores têm uma essência mais inquieta e esse ponto forte é, sem dúvida, um motor capaz de fazer a engrenagem funcionar – mesmo com um bebê no colo.

Vi meu projeto de TCC virar meu projeto de vida aos 22 anos de idade. E a maternidade acompanhou todo o processo sem precisar ser adiada. Essa história eu gosto de contar para você que, assim como eu, empreende solitária. Não tenha medo, pois é realmente possível unir as duas coisas.

Casei aos 25 anos e engravidei a primeira vez aos 27. Perdi dois bebês e descobri a trombofilia, que me trouxe uma outra jornada: engravidar e continuar mantendo o foco. Depois de 333 injeções dei à luz uma menina – que chegou para completar a família e, claro, ensinar ainda mais a colocar as prioridades no lugar.

Fiz home-office desde que cheguei em casa com ela. Embora tivesse me estruturado internamente, há assuntos que só o dono é capaz de responder pelo seu negócio.

E quem empreende sabe que se desconectar do negócio é difícil. Às vezes, aquele projeto que você tanto queria chega na hora mais conturbada da sua vida. E comigo não foi diferente.

Vi novos clientes e projetos irrecusáveis chegarem quando ela tinha 45 dias de vida e aquela pessoa que você apostou para te cobrir sair da empresa. Me vi ali, aceitando o crescimento da empresa no momento em que deveria estar assistindo Discovery Kids e acertando a pega da amamentação.

Tive vontade de jogar tudo para o alto, mas já tinha percorrido 8 anos de trabalho e isso me dava um orgulho imenso – sei que ela vai se orgulhar no futuro também. Nunca esqueço que montei um berço do lado da minha mesa, com trocador e mamadeiras, e fiz um processo seletivo amamentando.

Por escolha minha, tomei decisões com a realidade que tinha naquele momento. Mais uma vez, tinha a certeza que não daria certo. Deu e não só deu, como foram as melhores profissionais que poderiam estar do meu lado naquela fase. Por isso, cerque-se de bons profissionais para lhe auxiliar nessa etapa. Por mais que você se estruture, imprevistos sempre podem acontecer.

Depois de três meses em home-office com contatos diários por telefone e por vídeo com a equipe, voltei ao escritório alguns dias da semana e fui aumentando gradativamente minhas idas. Mudei a empresa de bairro para estar ao lado do meu maior suporte familiar: os avós.

Trabalhava, amamentava, voltava para trabalhar, e vez ou outra levava trabalho para casa quando o prazo apertava.
A rotina é puxada? Sim. Conciliar é difícil? Sim. Dá vontade de surtar? Sim. É perfeitamente compreensível que a tarefa de cuidar de um bebê e de uma empresa é desgastante mas, a decisão do que será melhor só você pode tomar. Eu escolhi dançar conforme a música.

Não perdi o prazo dos clientes e nem o prazo da amamentação, dos horários com o pediatra, dos remédios, trocas de fraldas, das brincadeiras, os primeiros passos.

Empreender ainda te dá a liberdade de, com o passar dos meses, estabelecer uma nova rotina de horários e de trabalho 

Aquele ser que parece tão frágil vai ser o que vai te fazer mais forte no final.

Aquele que lhe dará mais força para lutar diariamente pelo seu negócio. Nessa rotina de equilibrar pratos, consegui manter ela comigo até 1 ano e 3 meses, depois a escola entrou para deixar tudo mais regrado, e ela deixou saudades no escritório. 

Hoje, ao olhar para trás, me pergunto como consegui e vejo que, a jornada está ainda melhor. Aprendi que as horas extras são na minha casa, com minha filha.

Que o horário comercial é comercial mesmo. Que casos especiais são casos especiais - mesmo. Que é perfeitamente possível resolver as coisas das 9h as 18h e que tem o dia seguinte para continuar.

As prioridades me ajudaram a ser mais produtiva e não ter distrações, porque produtividade virou sinônimo de resultados e mais tempo com ela. Afinal, eu tenho um compromisso muito importante me esperando em casa: minha família.

Hoje ela está com quase 2 anos. Sua chegada me ajudou a reestruturar a empresa, a equipe, a marca, o nosso posicionamento e os nossos resultados.

Mudei de endereço novamente e escolhi outra cidade, que me permite ter qualidade de vida no trabalho e na vida pessoal. E quando, no auge das emoções, alguém te disser “Calma, essa fase vai passar”, acredite.

Ela passa.
Talita Scotto é jornalista e diretora da Agência Contatto, especializada em assessoria de imprensa e conteúdo, empreendedora desde os 22 anos e mãe da pequena Theodora.
 

Postado em 03 de Maio, às 11:14 por Cristóvão Guimarães 0 comentários

Adílson Bezerra, delegado de polícia civil de Amargosa

1.     A CHEGADA DO DELEGADO ADILSON FREITAS REMOVIDO DA CIDADE DE CASTRO ALVES PARA A CIDADE DE AMARGOSA, A BEM DO SERVIÇO PÚBLICO, PARA GERENCIAR A CRISE DA SEGURANÇA PÚBLICA EM AMARGOSA.

1.1.O DELEGADO QUE GERENCIOU O CAOS e O CLIMA DE TRISTEZA em AMARGOSA:

A decisão de escrever este ensaio nasceu do desejo de apresentar uma contribuição para aperfeiçoamento da qualidade da convivência entre nós, humanos.

A tentativa de relacionar com intensidade e gratidão (enquanto cidadã legitimada filha de Amargosa-BA) o que aqui vi e vivi.

Vale ressaltar, que toda manifestação cultural traz em seu bojo esse desiderato:informar, distrair, contar, rememorar um fato histórico que no correr da vida vai ficando esquecido e dizer daqueles que tiveram a coragem de não desistir de Amargosa em um de seus momentos mais dolorosos, senão o mais penoso ou de triste lembrança, repleto de incertezas.

Tudo começou em meados de agosto de 2014, quando a então delegada Dra. Glória foi transferida e substituída pelo delegado Adilson Bezerra de Freitas, após um dia de horror em que a cidade foi notícia no mundo inteiro pelo caos causado na segurança pública.

Para o recém-chegado Delegado de Polícia Civil Titular da Delegacia de Amargosa, o doutor Adilson Bezerra de Freitas, os primeiros dias de trabalho, logo após os fatos que colocaram a cidade em destaque nacional e internacional, não foram nada fáceis.

Antes de qualquer análise mais específica, julgamos importante esclarecer que a cena que ocupou as telas de jornais e televisão do mundo inteiro mostra a cidade de Amargosa-BA vivendo uma noite de caos depois que um disparo de arma de fogo que atingiu uma criança de 1 ano de idade gerou uma onda de protestos que culminou com um grupo invadindo a delegacia.

A Delegacia de Polícia foi depredada e teve fogo ateado, ficando totalmente destruída, e os 16 presos que estavam detidos fugiram no meio da confusão, segundo informações da Polícia Militar. A população revoltada queimou ônibus e carros pela cidade.(Fonte: Último Segundo - iG @ http://ultimosegundo.ig.com.br/brasil/ba/2014-07-17/delegacia-e-queimada-apos-morte-de-crianca-em-amargosa-na-bahia.html)

E foi dentro deste caos (A CIDADE EM CHAMAS, PRESOS SOLTOS, ARMAS ROUBADAS, TODOS OS PROCEDIMENTOS POLICIAIS DA DELEGACIA QUEIMADOS E A POPULAÇÃO EM DESESPERO) que os trabalhos do delegado Adilson começaram.

 Até então, impossível se ter exata noção da repercussão que os trabalhos relacionados a este fato histórico em Amargosa (a noite do caos) e a história local, bem como os aspectos peculiares de que cada fato iria causar.

Pois bem, o Delegado Adilson deu início ao seu mister, ele e sua equipe começaram a trabalhar literalmente às cinzas, pois sequer havia prédio da Delegacia, já que o incêndio queimou tudo.

Sugeriu-se ao Delegado que usasse provisoriamente a Delegacia de Elísio Medrado para os trabalhos. Entendendo que a humilhação seria demais para Amargosa, oDelegado Adilson recusou dita sugestão, por entender, ser um desrespeito a população humilde de Amargosa que precisasse dos serviços da Polícia Civil, embora fosse mais cômodo para os policiais. Disse o Delegado para quem fez a sugestão de a delegacia de polícia civil de Amargosa funcionar, de favor, em Elísio Medrado, que preferia atender debaixo de uma árvore, desde que fosse na cidade de Amargosa, conquanto a população não teria mais esse dissabor, o de se deslocar para uma cidade vizinha apenas para ter acesso ao serviço de segurança pública.

Nesta senda, em meio àquela agonia e vendo os crimes contra o patrimônio prosperarem pelo desassossego causado e a baixa na segurança pública, com a queima da delegacia, onobre e digno juiz Titular de Amargosa, o Dr. Alberto Fernando Sales de Jesus,autorizou o funcionamento provisório da Delegacia no salão do júri do Fórum de Amargosa.

Asilados no fórum, assim foram os primeiros diasde labuta do Dr. Adilson como Delegado em Amargosa, e sua equipe.

Sempre que o delegado tentava avançar, algo ocorria, porque a cidade ainda vivia em clima de tensão, manifestações, medo e revolta.

No salão do júri, onde a delegacia itinerante funcionou, havia apenas um computador, então se conseguiu a sala onde estava funcionando a Defensoria Pública para os serviços mais reservados.

E a história da reconstrução da segurança pública de Amargosa se confunde com a luta do delegado Adilson no enfretamento das dificuldades, porque a Delegacia precisava funcionar em um prédio próprio.

Conseguir uma casa para alugar e funcionar uma delegacia, naquela ocasião, após a queima da delegacia anterior e todo o caos instalado, beirava à ficção científica: ninguém queria alugar um imóvel para tal finalidade,por dinheiro nenhum.

O delegado Adilson penou em busca de um imóvel para funcionar como delegacia de polícia. Após muitos dias, em torno de 15 dias ou mais, depois de muito andar, enfrentamento de questões contratuais, ritmo intenso de trabalho, questões pessoais, sem nunca desistir, o delegado conseguiu um imóvel próximo ao maracanã, mas a proprietária o procurou poucos dias depois pedindo desculpas, alegando que não poderia assinar o contrato de locação, pois já estava circulando um abaixo-assinado e os vizinhos não aceitavam o funcionamento da Delegacia naquele local, falando até mesmo que estava recebendo ameaças.

Movido pela coragem e determinação e fé em Deus, que nunca lhe faltaram, o Dr. Adilson continuou procurando um vivente que pudesse alugar um imóvel, era como pedir esmola, foi então que, praticamente em uma tática de guerra,finalmente o delegado Adilson conseguiu alugar o prédio que ainda hoje funciona a Delegacia, situada em frente à praça do Bosque.

Incialmente houveram algumas tentativas de impedir que também funcionassem naquele local, mas o delegado Adilson conseguiu, a muito custo com argucia e empatia, contornar.

2-A NOVA DELEGACIA DE POLICIA CIVIL DE AMARGOSA INAUGURADA PELO DELEGADO ADILSON.

Finalmenteterminada a odisseia da busca pelo espaço próprio, agora funcionando em prédio próprio, acidade de Amargosa, distante 235 km da Capital Salvador, recebeu nova sede da Delegacia de Polícia Civil. A nova sede da Delegacia de Polícia fica localizada na Praça do Bosque. O evento de reinauguração contou com a presença de autoridades locais.

A expectativa do Delegado Adilson Bezerra, sempre foi a de reduzir os índices de criminalidade no Município. Sabedor das dificuldades e desafios que iria encontrar ao assumir o comando daquela unidade.

Praticamente ressurgindo das cinzas, e com a certeza que faria um grande trabalho, a história do primeiro sonho que pelo Delegado Adilson foi realizado, a inauguração de uma nova delegacia de polícia civil na cidade de Amargosa, se confunde com a história de nossa amizade e pelo respeito que a ele e toda a equipe, eu dedico essas simples palavras que expressam minha admiração pelo trabalho executado pela Policia Civil neste município.

3. SOB NOVA DIREÇÃO: O BRILHANTISMO DOS TRABALHOS DO DELEGADO ADILSON E SUA EQUIPE GANHOU DESTAQUE.

Para descrever a realidade dramática em que se encontrava o gestor AdilsonFreitas é necessário entender que era somente ele e mais seis policiais civis, mas como havia três no plantão, ele só podia contar com quatro para os trabalhos diários.

Uma evidência emblemática é que vale recordar que os desafios pareciam intransponíveis, ocorria em média dez roubos registrados por dia, fora aqueles que não eram registrados. O delegado Adilson tinha que tomar uma decisão, ou se acomodava e iam receber o mesmo salário, sem nenhum risco pessoal, caso cometessem algum erro, o que é possível devido à natureza do trabalho, mesmo tentando acertar; ou aceitaria correr os riscos, num momento de ebulição que estava atravessando a cidade, ainda com passeatas e em clima tenso.

O Delegado Adilson motivou a equipe e decidiu pelo segundo, em retirar a população de Amargosa do flagelo do medo e da insegurança depois da crise que se abateu junto à polícia. Naquele momento, tinha o delegado convicção que era uma Missão e que se Deus permitiu que estivessem aqui, era por que sabia que conseguiriam fazer a coisa certa.

O ritmo foi intenso durante pelo menos doze meses, onde faziam diligências que se iniciavam nas primeiras horas da madrugadaduas a três vezes por semana, as quais planejavam nos dias anteriores, para cumprimento de mandados de busca e apreensão e de prisão. A cada operação de sucesso, a grata satisfação do dever cumprido e de estar fazendo a coisa certa. Sabiam que não podiam cometer nenhum erro, pois poderia ser fatal naquele cenário. Recusou a proposta de superiorespara grandes operações policiais nesta cidade, pois os riscos de confrontos poderiam ser maiores e tinham que ter todo o controle da diligência, de modo a impedir qualquer reação dos alvos.

A equipe do Delegado Adilson orava antes de sair para cada diligência, rogando proteção. Conseguiram evitar os confrontos e mudar aquela realidade caótica, sem a necessidade de derramamento de sangue. Os meses foram se passando e os resultados daqueles esforços começaram a aparecer. As estatísticas foram paulatinamente baixando, mesmo num cenário crescente de violência em nível mundial.

A Polícia lida com as consequências e não com as causas, mas se criou a ideia popular que qualquer ato de violência é causado pela inoperância da polícia, daí advém uma enxurrada de críticas, que acabam por desestimular os profissionais de polícia, marginalizando a atividade.

Mas, as coisas não foram tão simples. Uma série de trabalhos feitos pelo Delegado Adilson demonstra ser possível medir os danos e as tragédias causadas pela violência.

As revelações aqui compiladas, malgrado serem elas assustadoras, resumem em apertada síntese o bom trabalho do Delegado Adilson e equipe em desvendar crimes que chocaram a boa e digna Cidade de Amargosa, senão vejamos:

Notícias

“Polícia Civil desvenda mistério desaparecimento de jovem em Amargosa”

18/07/2017 16:34 Postado por Redação Criativa 
Fonte: Polícia Civil/ Foto: Internauta via Whatsapp

O desaparecimento ocorreu no dia 18 de junho há trinta dias atrás em Amargosa.

Após exatos trinta dias do desaparecimento do adolescente José Ferreira Santos Neto, de 15 anos de idade, a Polícia Civil de Amargosa desvenda o mistério que cercava o seu sumiço.O desaparecimento ocorreu no dia 18 de junho e, tão logo tomou conhecimento, a Polícia Civil iniciou as investigações. O desaparecimento não aparentava ter sido espontâneo, já que o menor possuía boa relação familiar e com perfeita saúde física e mental.

Os policiais então passaram a investigar a hipótese de homicídio, iniciando um jogo emaranhando de informações soltas.Pouco a pouco, a equipe do SI da Delegacia de Amargosa foi montando o “quebra-cabeças”, até chegar a possível autoria do crime. Faltava colher as provas juridicamente válidas e, o principalmente, localizar o corpo.

Com a prisão de Jackson dos Santos de Assis e Nilton Chagas da Silva, por tráfico de drogas, ocorrida no último dia 14 de julho, realizada pela PM de Amargosa, as investigações se intensificaram. Para fechar o quadro investigativo, o celular apreendido com Nilton possuía o mesmo número do IMEI da caixa do aparelho da vítima.

Foram usadas as metodologias das diversas técnicas de investigação policial. A equipe policial civil não descansou até conseguir as provas do crime até que, finalmente, o crime foi elucidado e os autores levaram os policiais civis até o local onde tinhamenterrado o adolescente, no topo de uma serra, dentro de um matagal, num local de difícil acesso. Além da Polícia Civil, a operação para o resgate do corpo contou com a participação da Polícia Militar, GCM e Polícia Técnica, que fez a perícia do local de crime, remoção do corpo e reconstituição.

... O Delegado de Polícia Adilson Freitas, que comandou as investigações, falou a nossa reportagem que: “´Tratava-se de crime complexo e iniciamos as investigações sem sequer termos a certeza da existência do delito, pois não tinha corpo. Foi um trabalho exaustivo, mas tínhamos nos comprometido com a mãe da vítima que iríamos localizar o seu filho e envidaríamos os esforços necessários para isto. É mais um crime elucidado, com os autores presos, demonstrando o trabalho sério da Polícia Civil de Amargosa, não permitindo que a impunidade prevaleça”. Enfim, foi uma vitória do bem sobre o mal.Os acusados foram encaminhados para o Presídio Regional de Feira de Santana e responderão pelos crimes de homicídio triplamente qualificado e ocultação de cadáver.

Amargosa: Polícia Civil prende acusados de homicídio na localidade do Córrego

Por Redação / 30 de novembro de 2017/ Fonte: Polícia Civil

O crime ocorreu há uma semana, no dia 22/11/2017, por volta das 17h, quando o corpo de Carlos Adriano de Jesus Santos, 18 anos, conhecido por “Custa Caro” foi encontrado num matagal, entre bananeiras, na localidade do Córrego, zona rural de Amargosa, com vários golpes de instrumento perfurocortante (facão), com cortes nas costas, mãos, pescoço e cabeça. O crime ganhou repercussão e chocou os moradores da localidade.

Primeira fase da investigação:

O crime era complexo e de imediato os investigadores perceberam que teria sido praticado por vários autores. Iniciava um intrincado “quebra cabeças”, a ser desvendado pela equipe da Polícia Civil de Amargosa. Para o Delegado Adilson Freitas, “mesmo diante da complexidade da investigação e suas variantes, a rapidez na completa elucidação do crime era indispensável para evitar novas mortes, com uma possível vingança de integrantes da ‘Quadrilha do Canto’, exigindo esforço continuo dos integrantes da Polícia Civil de Amargosa, com utilização das diversas técnicas investigativas”.

Polícia Civil de Amargosa prende suspeitos de assassinar jovem

por Redação Criativa - 19/09/2016 14:39
Foto e Informações: Polícia Civil de Amargosa

Na tarde deste domingo (18), a Polícia Civil de Amargosa prendeu Edmilson de Jesus Santos, 22 anos, e apreendeu E.J.S., 17 anos, suspeitos de terem assassinado o menor de 14 anos de idade Ivonildo Dias da Silva, o qual estava desaparecido desde a última quarta-feira (14).

De acordo com a Polícia Civil, foi iniciada as investigações após ter sido comunicada pela família da vítima, na última quinta-feira, do desaparecimento do menor, o qual teria ido na noite do dia anterior caçar gia com seus primos, ora suspeitos. Imediatamente ouvidos em termos de declarações, ambos apresentaram versões contraditórias.

As investigações deram prosseguimento, até que no domingo o corpo do menor Ivonildo foi encontrado por populares, com ferimentos provocados por pauladas na cabeça e já em estado de decomposição, numa ribanceira de mata fechada, na Localidade de Ribeirão do Cupido, zona rural de Amargosa.

A comunidade local ficou revoltada e saíram a procura dos suspeitos para lincharem. Ao encontrá-los, deu início ao linchamento, principalmente do maior Edmilson de Jesus Santos, 22 anos, que segundo relatos é integrante de uma conhecida quadrilha de criminosos em São Miguel das Matas.

A Polícia Civil agiu rapidamente e conseguiu evitar o linchamento, tendo o policial arriscado a própria vida para salvar a dos suspeitos. O policial ficou levemente ferido, mas conseguiu cumprir a sua Missão Institucional, evitando o linchamento e efetuando a prisão do maior de idade e apreensão do menor.

Ainda de acordo com a Polícia, Edmilson de Jesus Santos foi encaminhado para o Hospital, onde recebeu voz de prisão em flagrante. O Delegado Adilson Bezerra de Freitas já representou pela internação provisória do menor, encaminhando o mesmo ao Ministério Público. A Polícia investiga agora a motivação do crime, que foi premeditado pelos acusados.

Aferições como estas publicadas no site local: http://www.criativaonline.com.br/index/busca/?q=adilson+bezerra+de+freitas, dão conta da vasta atividade do delegado em busca de desvendar crimes:

Notícias - 31/01/2017

Polícia Civil de Amargosa apreende drogas e arma de fogo

Notícias - 10/01/2017

Polícia Civil de Amargosa faz balanço das ações e apresenta resultados

Notícias - 26/09/2016

Polícia Civil prende amargosense acusado de tentativa de homicídio

Notícias - 19/09/2016

Polícia Civil de Amargosa prende suspeitos de assassinar jovem

Notícias - 13/09/2016

Polícia Civil de Amargosa prende suspeito e recupera mercadorias

Notícias - 08/09/2016

Mulher é presa pela Polícia com armas e droga em Amargosa

Notícias - 08/09/2016

Homem é preso acusado de agredir e ameaçar sua ex-mulher em Amargosa

Notícias - 20/08/2016

Polícia Civil de Amargosa emite nota sobre ação criminosa na Catiara

Notícias - 09/08/2016

Polícia Civil de Amargosa cumpre mandato de prisão preventiva

Notícias - 03/08/2016

Polícia Civil de Amargosa e Cipe Central prendem suspeito

Notícias - 02/08/2016

PC e Cipe Central prendem acusado de tráfico de drogas em Amargosa

Notícias - 25/06/2016

Polícia prende acusado de tráfico e apreende drogas em Amargosa

Notícias - 07/04/2016

Idoso é preso em São Felipe com pássaros e moto roubada

Notícias - 01/04/2016

Polícia de Amargosa prende acusado de homicídio no Serrote em Elísio

Notícias - 30/03/2016

Polícia de Amargosa troca tiros com assassino de PM e recupera arma

Notícias - 08/03/2016

Polícia Civil e Militar de Amargosa e CIPE/LN, fazem grande operação

Notícias - 26/02/2016

Policia Civil e CIPE/LN recaptura foragido no município de Amargosa

Notícias - 22/02/2016

Polícia de Amargosa prende o líder do tráfico de drogas da Minguara

4- DO TÍTULO DE CIDADÃO DADO AO DELEGADO ADILSON PELA ATUANTE VEREADORA ZANE ANDRADE.

Com base nas publicações que noticiavam o mirífico trabalho do Delegado Adilson, culminando com a redução da criminalidade, o que era sentido pela população local, que aumentava a sensação de segurança, o Delegado Adilson teve o merecido agradecimento pela iniciativa especialda digna e atuante Vereadora Zane Andrade, que propôs o nome do Delegado Adilson para receber o título de Cidadão Amargosense.

Em solenidade concorrida, a também brilhante vereadora Zane Andrade legitimou o pernambucano Adilson Bezerra de Freitas como filho de Amargosa.

Naquela oportunidade assistiram a esta importantíssima homenagem o Excelentíssimo Senhor Vereador Marcos Paulo Andrade, Presidente daquela solenidade; Excelentíssimo Senhor Prefeito do Município de Amargosa Júlio Pinheiro; Excelentíssimos Senhores Deputados Joseilro Ramos e Marcel Morais, dentre outros.

5 – DA IMPORTÂNCIA DO TÍTULO DE CIDADÃO

A concessão do título de cidadania é um ato solene concedido em reconhecimento aos benefícios realizados pelo indicado em prol da cidade e de seus habitantes.Senão vejamos, a perfeita definição do significado do título de cidadão concedido pela câmara de Vereadores, em publicação do festejado site “AmargosaUrgente”, em artigo de Sandro Moura:

“A concessão do título honorário de “Cidadão” de um Município pela Câmara de Vereadores, deve ser bem analisada, estudada e explicada com detalhes, não só aos pares (Vereadores), mas à sociedade local como um todo. Quando a Câmara Municipal outorga um título de cidadania honorária, ela está equiparando o homenageado a uma pessoa nascida no Município, e distinguindo-a com especial destaque no cenário sócio-cultural-administrativo e até religioso da comunidade.

O Título de Cidadão equipara a pessoa homenageada a uma adoção oficial. A pessoa agraciada passa a ser um irmão, um conterrâneo, uma pessoa da terra natal. ... A concessão de cidadania, mesmo honorária é uma homenagem séria e de grande responsabilidade. O Poder Legislativo Municipal deve ter consciência plena dessa concessão.” Fonte: onthaumaturgo.blogspot.com.br

​Com uma linguagem muito simples, objetiva, mas profunda, o agora Amargosense Adilson ganhou a confiança da população, que passou a acreditar na Polícia, inclusive a colaborar, dando informações que levavam a elucidação de crimes. Enfim, começou a surgir uma simbiose entre a Polícia Civil e a sociedade Amargosense, deixando aquela (a Polícia Civil) de ser vista como um mal necessário, passando esta (a sociedade) a ser uma parceira na luta contra o crime.

Conseguiram no primeiro ano reduzir o número de homicídios em incríveis 71%. Em 2015, tivemos durante todo o ano 5 homicídios. No segundo ano, focaram na redução dos crimes contra o patrimônio, como furto e roubo, e conseguiram reduzir em 67%, conforme as estatísticas registradas da própria SSP/BA. No ano passado foram destaques no site do governo do Estado pelo significativo aumento de procedimentos policiais encaminhados à Justiça e aumento em 48% no número de prisões em flagrante. Enfim, mesmo num cenário de redução da economia, inclusive com fechamento de fábricas em Amargosa, com aumento do desemprego, a violência reduziu, ou seja, aquilo que parecia impossível outrora, estava acontecendo.

Polícia Civil de Amargosa prende autor de Homicídio em Mundo Novo
Por Redação Criativa - 27/04/2018 17:45 - Fonte: Polícia Civil

O preso será recambiando para a Unidade Policial de Mundo Novo

A Polícia Civil de Amargosa prendeu na manhã desta sexta-feira  (27) um homem de 48 anos, acusado de ter assassinado a adolescente de 17 anos de idade de nome Maria Telma da Silva Alves.

O corpo da adolescente foi encontrado no dia 07 de agosto de 2016, numa represa, no distrito de Barra do Mundo Novo. A menor teria ido lavar roupas no local, quando foi morta e jogada na represa, após uma discussão com o então namorado de 48 anos, que não aceitava o fim do relacionamento.

O crime ganhou grande repercussão na época, sendo notícia em vários meios de comunicação estadual. O acusado foi finalmente preso em cumprimento a mandado de prisão preventiva expedido pela Juíza de Mundo Novo, em 05/10/2017.

O preso será recambiando para a Unidade Policial de Mundo Novo, onde ficará a disposição da Justiça Criminal.

6- DA MOÇÃO DE APLAUSOS RECEBIDA PELO DELEGADO ADILSON

Delegado de Amargosa recebe moção de aplausos na Câmara

21/07/2017 00:02 Postado por Redação Criativa 
Da redação Criativa On Line

“A Câmara Municipal de Amargosa aprovou e concedeu moção de aplausos número 005/2017 ao delegado Adilson Bezerra pela contribuição na segurança pública local, principalmente nos festejos juninos. A Sessão ordinária aconteceu na noite desta quinta-feira (20).Através da rede social, Dr. Adilson Bezerra fez um comentário sobre a moção: "Fico lisonjeado pelo reconhecimento, fruto do trabalho de uma equipe coesa que se dedica ao que faz. É gratificante quando nosso trabalho é reconhecido por aqueles a quem servimos, a população, através de seus representantes, o que denota que estamos no caminho certo."Os vereadores José Vaz, Miguel Silva, Paulo Leite, Marcos Paulo, Diego Silveira, Ronaldo Cabral (Xuxa) e Zane Andrade, apresentam Moção Aplausos a toda equipe organizadora do São João de Amargosa e todas as forças de segurança incluindo, polícia militar, polícia civil, 99ª CIPM, guarda municipal e corpo de bombeiros civis pela excelência nos trabalhos realizados durante o evento.”

Percebe-se então, que tanto a moção, como o título de cidadão, são títulos reconhecendo os bons trabalhos prestados pelo delegado à população de Amargosa.

E o que é mais importante, conseguiu o delegado amargosense Adilson Bezerra de Freitas alcançar este resultado trabalhando na mais absoluta legalidade.

A Polícia não existe para tirar vidas, e sim para salvar vidas.

É interessante observar que, para entendermos completamente as duas honrarias conferidas ao delegado amargosense Adilson Freitas, o quão gratificante é,quando nosso trabalho é reconhecido por aqueles a quem servimos, a população, através de seus representantes, o que denota que estamos no caminho certo.

Pelo exposto, louvo a nobre e digna Câmara Municipal de Vereadores de Amargosa, aos órgãos que compõe a comunidade como a ACIAPA, ao gestor municipal e outras autoridades e representantes da nossa bela Amargosa, pela aliança entre a inteligência e a determinação.

O resultado não poderia ser melhor, a digna Câmara de Vereadores de Amargosa foi muito feliz porconceder o título de Cidadão Amargosense ao Delegado Adilson Freitas, por ser tal ato a convicção de um reconhecimento pelos bons serviços prestados pelo Delegado Adilson Freitas, e pela equipe da Polícia Civil de Amargosa, a qual orgulhosamente sou admiradora.

Considero aquele momento da concessão do título de cidadão amargosense feito pela excelentíssima Vereadora Zane Andrade em favor do pernambucano Delegado Adilson Freitas, com a aprovação unânime da digna Câmara de Vereadores de Amargosa , o gestor municipal e a aprovação da comunidade, um dos mais importantes eventos  para a trajetória da Polícia Civil da Bahia nesta cidade, uma prova concreta que podemos fazer Polícia integrada aos anseios sociais e com resultados efetivos.

E nesse vai e vem, a amizade do delegado amargosense e sua comunidade se fortaleceu.

 

Maria da Conceição Santana Barreto

Cidadã Ubatense/Amargosense

Postado em 30 de Abril, às 16:33 por Ivanildo Bastos 1 comentários

Mitos e verdades da alimentação durante o frio

Estimuladas pelo sol e o calor, as pessoas costumam intensificar a preocupação com a alimentação durante o verão. Porém, mesmo que seja algo óbvio, é importante lembrar que as refeições refletem diretamente na saúde durante todo o ano.
 
Então, que tal aproveitar a chegada do outono e do inverno para ter atenção com a alimentação nos períodos mais frios do ano? Abaixo, selecionei alguns mitos e algumas verdades que as pessoas propagam nessa época. Confira:
 
Com a chegada do frio, é necessária uma maior ingestão de alimentos.
Verdade. Principalmente, no inverno, o nosso corpo gasta mais energia para manter a temperatura estável. Para compensar essa perda energética, precisamos consumir mais calorias.
 
Nesta época, podemos reduzir o consumo de líquidos.
Mito. A hidratação do corpo também é muito importante nos períodos mais frios. Manter o organismo hidratado é essencial para que ele tenha um bom funcionamento, principalmente no inverno, quando a pele sofre agressões do vento e do tempo gelado. A quantidade de água recomendada por dia é de dois litros.
 
As mudanças dos hábitos alimentares podem elevar o colesterol “ruim”.
Verdade. Esse aumento pode estar relacionado ao consumo de alimentos gordurosos e à diminuição da prática de atividade física, já que no frio as pessoas tendem a se exercitar menos. Além disso, a redução da exposição ao sol diminui os níveis de Vitamina D, podendo afetar indiretamente os níveis de colesterol.
 
Frutas, verduras e salada não fazem falta no frio.
Mito. Com certeza, o estímulo para a ingestão desses alimentos diminui. Porém, as vitaminas, fibras e os sais minerais que eles proporcionam são importantes durante todas as estações. 
 
Chás e sopas podem auxiliar na substituição de alimentos muito calóricos
Verdade. Consumir chás de frutas ou chás claros e alimentos quentes, como as sopas, é uma ótima alternativa. O calor desses líquidos e pratos ajuda a manter a temperatura do corpo. Dessa forma, é possível evitar, muitas vezes, o consumo de calorias extras para nos aquecermos.

Postado em 30 de Abril, às 16:11 por Cristóvão Guimarães 0 comentários

No casamento é preciso perder para ganhar, dizem especialistas

Essa afirmação pode parecer estranha, mas segundo Marina Simas de Lima e Denise Miranda de Figueiredo, ambas psicólogas, terapeutas de casal e família e fundadoras do Instituto do Casal, quando se trata de amor, ceder em favor do outro, tolerar ou ainda superar as diferenças são ingredientes fundamentais para construir relações mais duradouras e com qualidade.

“O sucesso de um relacionamento amoroso está ligado à disposição que cada parceiro tem em perder alguma coisa para ganhar outra. No momento em que você vai morar junto com alguém, abrir mão de certos valores da família de origem para construir novos, dentro da nova família que será constituída, será essencial para experimentar a nova fase e viver essa relação integralmente. 

“Em um casamento, você precisa abrir mão de muitas coisas, você precisa praticar constantemente o altruísmo e a generosidade. Mas, isso pode ser particularmente mais difícil para quem viveu uma vida de solteiro por muitos anos, com muita liberdade, mais voltada para o individualismo”, diz Marina.

“Na vida a dois, o trabalho a ser feito é para construir uma unidade, mas levando em consideração que são duas pessoas com diferentes valores, crenças e educação. Daí o exercício diário será “perder” essas diferenças para construir uma nova identidade que corresponda a essa relação. Portanto, aqui se aplica o conceito de perder para ganhar também”, explica Denise.

Cada escolha é uma renúncia
Muitas vezes não paramos para pensar que a vida é um eterno jogo de perde-ganha ou vice-versa. “Mesmo sem perceber, estamos o tempo todo fazendo escolhas e, automaticamente, quando escolhemos algo abrimos mão de outra coisa, reflete Marina.

“No casamento você pode escolher trair ou ser fiel, pedir desculpas ou manter seu orgulho, fazer programas que você não gosta para agradar o (a) parceiro (a) ou se recusar a fazê-los. São renúncias e escolhas que fazem parte da rotina da vida. Os casais que conseguem compreender que a perda de hoje pode ser o prêmio de amanhã, acabam sendo mais felizes e satisfeitos com a vida conjugal do que aqueles que são menos flexíveis nas negociações”, afirmam as terapeutas.

Treine
Marina e Denise comentam que esses comportamentos podem ser treinados e há pontos específicos que podem ser trabalhados. “Um dos pontos que o casal pode trabalhar é a comunicação, assim como a negociação de conflitos ou até mesmo a negociação dos combinados, estabelecendo um equilíbrio na relação. Ou seja, alternando as renúncias para que um não sinta que está renunciando mais que o outro”.

“Quando falamos em comunicação parece fácil. No entanto, se comunicar não é somente falar, na verdade requer escutar, acolher e compreender, estando aberto às novas possibilidades. Maturidade e flexibilidade são elementos essenciais para estabelecer um bom diálogo. Sendo estes instrumentos poderosos para o alcance de relações mais equilibradas e duradouras”, finalizam Marina e Denise. 

Postado em 30 de Abril, às 15:52 por Cristóvão Guimarães 0 comentários

Como a relação conjugal influencia na criação do filho?

Como a minha relação conjugal influência na criação do meu filho? Essa é uma pergunta muito pertinente para todo pai e mãe responderem nos dias atuais. Quando a criança nasce ela observa o comportamento dos seus genitores e os imita.

A verdade é que os filhos são testemunhas morais do dia a dia dos pais, são com eles que dão os primeiros passos na aprendizagem de como lidar com um sistema de regras que encontrarão durante toda a vida.

 E é ao observar o ambiente dentro de casa, ainda na infância, que irão estruturar seu comportamento dentro da sociedade.

É muito antes de ir para a escola que os filhos são confrontados com regras e questões morais. O certo ou errado para a criança dependerá de como ela ver que funcionam as regras em casa.

E quando ela é enviada para o ambiente escolar já terá em sua bagagem esse conjunto de regras do seu primeiro convívio social. Nesse novo lugar ele influenciará seus amigos, e também será influenciado por eles, essa troca de informações formará o homem do amanhã. Como já disse Freud: “a criança é o pai do homem”. 

Então como os pais podem fazer para ter sucesso na criação dos filhos? 

O primeiro ponto a se destacar é a comunicação entre os cônjuges.

No tom de voz, em como o marido fala com a esposa e vice e versa.

Um princípio judaico diz que a vida e a morte estão na mão da fala, que seria o diálogo em um relacionamento, que reflete em todas as outras relações possíveis na vida do indivíduo: familiares, sociais, escolares, comerciais, conjugais, entre amigos, entre outras. 

A fala é a principal característica do ser humano, é a comunicação mais sofisticada que o caracteriza em função de poder de forma complexa, estruturada e aprofundada, expressar pensamentos e sentimentos, descobertas e frustrações, e os pais devem utilizar bem essa ferramenta.

O diálogo em casa vai demonstrar como a criança deve ser relacionar com o outro, e ela aprenderá isso ao observar como será abordada pelo pai e pela mãe. 

A importância de utilizar o diálogo: quantidade x qualidade 
Uma pesquisa realizada em 2005 mostra que o tempo gasto pelo homem para conversar com sua esposa é de uma hora e meia.

Parece ser muito pouco, visto que temos 24 horas no dia, mas o que realmente importa é saber se essa fala é qualitativa ou rotineira, simplesmente burocrática e, até mesmo, sem nenhuma importância educacional, ética ou moral. 

O problema é que se observou um diálogo superficial. Falas como: “não esquece disso”, “pague aquilo”, “temos isso para fazer”, “não esquece aquilo outro”, no geral são sempre falas sobre rotina da agenda.

Essas conversas são necessárias e importantes, mas é preciso uma que alimente a relação conjugal também. Isso com o tempo vai desgastar o casal. Destaco que é uma arte ser marido e pai, como é uma arte ser mãe e esposa.

Estamos vivendo uma crise no relacionamento entre marido e mulher, onde falas de carinho e profundidade não encontram espaço. O que acaba por refletir nos próprios filhos.

O grande problema dos conflitos familiares está na possibilidade de se ter uma pessoa que é um super-pai e um marido ausente, ou o contrário, um super-marido, mas um pai ausente, o mesmo vale para a mãe.

Mas quando se trata do pai o quadro é mais agravante. Além do maior índice de abandono, muitas vezes a relação pai e filho se resume a perguntas como: “tomou banho?”, “fez a lição?”, “vai dormir!”.

Isso não marcará a vida de nenhuma criança, não traçará a personalidade de ninguém. 

A fala começa a perder a emoção e conteúdo, então começamos com uma relação conjugal medíocre e vamos parar em uma relação com os filhos quase inexistente, apenas de comandos.

É preciso então resgatar as frases de efeito que ouvimos dos nossos avós e dos nossos pais, que ilustram respeito, que contem sabedoria, que vai deixar registrado a marca no filho que será o homem de amanhã.

E não frases burocráticas, ordens, mando e desmando, isso é um desgaste, embora necessário. Não pode ocupar o tempo disponível tanto na relação conjugal, como na relação de pai e filho.

Um diálogo que aponte para o respeito: criando homens e mulheres do amanhã 

Respeito, segundo o judaísmo, é uma das questões mais importantes.

De acordo com Maimônides, grande sábio judeu da idade média, uma das maiores necessidades do homem não é comer, beber e tão pouco fazer sexo ou ter satisfação no trabalho, mas sim a necessidade de ser respeitado, de ser reconhecido pelo próximo.

Então, em uma relação conjugal, que terá impacto nos filhos, o diálogo deverá demonstrar o respeito do marido para com a esposa, e vice-versa. Se a conversa apresentar conteúdo, um tema envolvente, a criança será estimulada a ser extremamente respeitosa e profunda. Isso vai refletir em toda a vida dele.

A preocupação com essa questão do respeito vai muito além do ambiente familiar.

Uma pesquisa de 2013, realizada pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento  Econômico (OCDE), aponta que o professor no Brasil perde 20% do tempo para colocar a classe em ordem e acabar com a bagunça e outros 13% resolvendo problemas burocráticos, totalizando 33% do tempo usado para esses fins.

Para o mesmo propósito a média de outros países é de apenas 13%.  Ou seja, o diálogo não está surtindo efeito nem dentro da escola. Estamos hoje diante de uma crise de relacionamento.

A começar pelo matrimonial, depois dos pais e filhos e que alcança educadores e alunos.

Se os pais usarem do seu tempo estimulando os filhos a pensarem e a conversarem da mesma forma como eles testemunharam em uma boa relação conjugal, ao lembra-lo de como havia respeito no olhar para o outro.

Com a palavra respeito sendo norteadora do relacionamento conjugal e familiar, essa qualidade prosseguirá para os próximos relacionamentos de nossos filhos, sejam com professores, colegas de sala, amigos, entre outros, os tornando cidadãos do amanhã, que buscam criar uma sociedade melhor.

Postado em 30 de Abril, às 15:26 por Cristóvão Guimarães 0 comentários

13 motivos que podem levar à justa causa no trabalho

Os empregadores no Brasil sempre ficam com uma preocupação extra quando precisam demitir um funcionário, em função da Justiça Trabalhista ter a fama de ser sempre pró-trabalhador, que por décadas tem sido favorável aos empregados.

Contudo, não se deve levar por preceitos que não são totalmente fieis à realidade, por mais que haja realmente a tendência de favorecimento aos trabalhadores, em casos extremos, os empregadores possuem seus direitos e podem lutar por esses desde que se previnam ao tema.

Pensando nisso, acredito que seja importante aportar que são vários os motivos que podem justificar uma demissão por justa causa. Contudo, antes de qualquer medida é preciso ter em mente que para a aplicação dessa medida extrema é fundamental que sempre se faça comunicado por escrito do ato com cópia e aviso de recebimento, de preferência por telegrama, de modo que o funcionário não gere constrangimento interno se recusando a assinar.

Se for motivo leve, essa advertência deve ocorrer três vezes e, logo em seguida à terceira advertência, a dispensa por justa causa imediata. Se não dispensar imediatamente a Justiça entende que ocorreu o perdão.

Por motivo médio, basta uma advertência e se for motivo grave e comprovado de forma inequívoca a dispensa imediata. Mas, tudo deve ser amplamente comprovado de maneira incontestável.

Isto postos, as hipóteses são as seguintes:

Ato de improbidade - é toda ação ou omissão desonesta do empregado, que revelam desonestidade, abuso de confiança, fraude ou má-fé, visando a uma vantagem para si ou para outrem.

Ex.: furto, adulteração de documentos pessoais ou pertencentes ao empregador, etc.

Incontinência de conduta ou mau procedimento - são duas justas causas semelhantes, mas não são sinônimas.

A incontinência revela-se pelos excessos ou imoderações.

Ocorre quando o empregado comete ofensa ao pudor, pornografia ou obscenidade, desrespeito aos colegas de trabalho e à empresa.

 O mau procedimento caracteriza-se com o comportamento incorreto, irregular do empregado, como a prática de discrição pessoal, desrespeito, que ofendam a dignidade, tornando impossível ou sobremaneira onerosa a manutenção do vínculo empregatício.

Negociação habitual - ocorre justa causa se o empregado, sem autorização expressa do empregador, por escrito ou verbalmente, exerce, de forma habitual, atividade concorrente, explorando o mesmo ramo de negócio, ou exerce outra atividade que, embora não concorrente, prejudique o exercício de sua função na empresa.

Condenação criminal – isso ocorre uma vez que, cumprindo pena criminal, o empregado não poderá exercer atividade na empresa.

 A condenação criminal deve ter passado em julgado, ou seja, não pode ser recorrível.

Desídia - na maioria das vezes, consiste na repetição de pequenas faltas leves, que se vão acumulando até culminar na dispensa do empregado. Isto não quer dizer que uma só falta não possa configurar desídia.

São elementos materiais que podem gerar essas faltas: a pouca produção, os atrasos frequentes, as faltas injustificadas ao serviço, a produção imperfeita e outros fatos que prejudicam a empresa e demonstram o desinteresse do empregado pelas suas funções.

Embriaguez habitual ou em serviço - só haverá embriaguez habitual quando o trabalhador substituir a normalidade pela anormalidade, tornando-se um alcoólatra, patológico ou não. 

Para a configuração da justa causa, é irrelevante o grau de embriaguez e tampouco a sua causa, sendo bastante que o indivíduo se apresente embriagado no serviço ou se embebede no decorrer dele.

 O álcool é a causa mais frequente da embriaguez. Nada obsta, porém, que esta seja provocada por substâncias de efeitos análogos (psicotrópicos).

 De qualquer forma, a embriaguez deve ser comprovada por exame médico pericial.

Violação de segredo da empresa - a revelação só caracterizará violação se for feita a terceiro interessado, capaz de causar prejuízo à empresa, ou a possibilidade de causá-lo de maneira apreciável.

Ato de indisciplina ou de insubordinação - tanto na indisciplina como na insubordinação existe atentado a deveres jurídicos assumidos pelo empregado pelo simples fato de sua condição de empregado subordinado. 

A desobediência a uma ordem específica, verbal ou escrita, constitui ato típico de insubordinação; a desobediência a uma norma genérica constitui ato típico de indisciplina.

Abandono de emprego - a falta injustificada ao serviço por mais de trinta dias faz presumir o abandono do emprego, conforme entendimento jurisprudencial. 

Ofensas físicas - as ofensas físicas constituem falta grave quando têm relação com o vínculo empregatício, praticadas em serviço ou contra superiores hierárquicos, mesmo fora da empresa.

As agressões contra terceiros, estranhos à relação empregatícia, por razões alheias à vida empresarial, constituirá justa causa quando se relacionarem ao fato de ocorrerem em serviço. 

Lesões à honra e à boa fama- -são considerados lesivos à honra e à boa fama gestos ou palavras que importem em expor outrem ao desprezo de terceiros ou por qualquer meio magoá-lo em sua dignidade pessoal.

Na aplicação da justa causa devem ser observados os hábitos de linguagem no local de trabalho, origem territorial do empregado, ambiente onde a expressão é usada, a forma e o modo em que as palavras foram pronunciadas, grau de educação do empregado e outros elementos que se fizerem necessários.

Jogos de azar – é quando se comprova a prática, por parte do colaborador de jogos no qual o ganho e a perda dependem exclusiva ou principalmente de sorte. 

Atos atentatórios à segurança nacional – a prática de atos atentatórios contra a segurança nacional, desde que apurados pelas autoridades administrativas, é motivo justificado para a rescisão contratual.  

Postado em 30 de Abril, às 15:18 por Cristóvão Guimarães 0 comentários

A formação educacional e o mercado de trabalho

Estar preparado para enfrentar um mercado de trabalho em constante mutação é o desafio das novas gerações. Somado a isso, é preciso conhecimento e estrutura para enfrentar as crises cíclicas na economia, que afetam diretamente o emprego.

As comemorações pelo Dia do Trabalho estão chegando e me levam a confirmar a importância fundamental de uma boa formação educacional em um país que atualmente registra quase 13 milhões de pessoas desempregadas.

Dados da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) mostram que 13,7% dos adultos que não concluíram o Ensino Médio ficaram desempregados; enquanto que entre os que têm nível superior completo, este índice foi de apenas 5,3%.

Isso comprova que a taxa de desemprego de indivíduos que interromperam seus estudos na educação básica foi quase o triplo da registrada entre aqueles que terminaram uma faculdade.

Os índices são preocupantes. Mais da metade dos adultos brasileiros não chegam ao Ensino Médio. E falta mão de obra qualificada. Para piorar, o país não investe no Ensino Profissional.

Sem educação de qualidade, a parcela mais pobre do país não tem acesso a um bom emprego. Sem falar no retrocesso: programas educacionais como o FIES tiveram as vagas reduzidas e o MEC encerrou o programa Ciência Sem Fronteiras na modalidade de cursos para graduação.

Aliado à falta de apoio governamental para a Educação, vivemos em um país com extrema desigualdade social, com altas taxas de violência e serviços básicos precários, fatores que influenciam diretamente no tempo de escolaridade.

Muitas vezes a necessidade do sustento fala mais alto do que os livros e cadernos. Relatório do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud) mostra que a média de escolaridade no Brasil é de apenas 7,8 anos.

Muito se fala sobre a reforma do Ensino Médio, que é realmente necessária.

No entanto, as deficiências encontradas nos anos finais da educação básica – e que trazem por consequência dificuldades de ingresso na faculdade e no mercado de trabalho – são oriundas, na maioria das vezes, da má formação dos alunos lá atrás, no Ensino Fundamental, que é quando se começa verdadeiramente o aprendizado das diversas disciplinas em sala de aula.

Aí está o cerne do problema. Para ingressar no Ensino Médio e ter um bom desempenho, crianças e adolescentes precisam primeiro ter passado por um Ensino Fundamental de qualidade.


É verdade que uma melhora vem acontecendo, a passos lentos, mas vem. O Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB) tem apresentado médias crescentes ao longo dos anos. Em 2015, por exemplo, a média das notas nos anos iniciais do Ensino Fundamental ficou em 5,5, ultrapassando a meta que era de 5,2. É pouco ainda, mas já indica um avanço.

Não há receita de bolo, ou melhor, existem várias receitas, mas falta o principal: o comprometimento do Governo com a Educação. Para começar uma mudança profunda, não se pode deixar de fora aqueles que exercem o papel mais importante em todo o processo de transmitir conhecimento às nossas crianças: os professores.

Alguns deles, também, são mal formados. O censo do MEC mostrou que 15% dos docentes da Educação Básica não têm ensino superior. Desmembrando esse número, vemos que na Educação Infantil, 6,2% dos professores estudaram somente até o Ensino Fundamental e 18,1% não terminaram nem o Ensino Médio.

Já no Ensino Fundamental, 3,7% dos professores que estão lecionando não terminaram nem o Ensino Médio e 5% deles estudaram só até essa etapa. Cursando o ensino superior, são apenas 6% dos educadores.

As prefeituras, responsáveis por 61,3% das escolas brasileiras, têm que arregaçar as mangas! É preciso oferecer cursos de formação e atualização para nossos educadores, dando condições para que eles desenvolvam aulas mais completas e ricas de conteúdo, tendo, inclusive, a tecnologia como aliada.

Eles precisam ter acesso a uma metodologia atualizada de ensino, moderna e instigante, que contribua não só para transmitir os conteúdos didáticos tradicionais, mas que desenvolva também nos alunos a criatividade, a vontade de ler e de buscar novos conhecimentos, habilidades cognitivas e socioemocionais fundamentais para prepará-los como cidadãos e para o novo mundo do trabalho.

Postado em 27 de Abril, às 10:05 por Cristóvão Guimarães 0 comentários

Próximo








Enquetes


Categorias

Áudios Cidades Colunas Educação Entretenimento Esportes PodCast Polícia Política Publicidade Saúde Tempo

Rede Criativa

Mídia Notícias Rádio Hoje Brasil Repórter Hoje

Cidades

Amargosa Brejões Elísio Medrado Itatim Laje Milagres Piemonte do Paraguaçú Recôncavo Baiano Salvador e RMS Santo Antonio de Jesus São Miguel das Matas Ubaíra Vale do Jiquiriçá Varzedo
Anunciar | Você Repórter | Termos de Uso | Contato | Expediente
©Copyright - Criativa On Line - Rede Criativa de Comunicação
A Força da Comunicação na Internet! 18/06/2018 06:44