Notícias

2018, ano de eleições, por Janguiê Diniz, Mestre e Doutor em Direito e Reitor da UNINASSAU

Iniciamos 2018 e este é mais um ano de eleições no Brasil, período em que todos os governantes e candidatos querem ressaltar suas virtudes e comprometimento em prol do bem-estar e do desenvolvimento da população.

Em contrapartida, é também o ano em que os trabalhadores mais reivindicam direitos e melhorias nas condições, não apenas de trabalho, mas também de infraestrutura das cidades. Como resultado dessas movimentações, temos inúmeras obras por todos os cantos  das cidades, correria para finalizar projetos em andamento além de movimentos de protestos e greves.

Quando se fala em futuro do Brasil e um hipotético marco temporal para o adeus à crise econômica e política, o mês de outubro de 2018 se torna emblemático. Será nele que elegeremos o novo presidente da república, governadores, senadores e deputados estaduais e  federais. São mais de 145 milhões de brasileiros aptos a votar e repletos de perguntas que se impõem pela avassaladora crise moral e ética que paira na quase totalidade da classe política nacional, embasada em escândalos sucessivos de corrupção e uso da máquina pública para fins pessoais.

Pesquisas apontam que a população quer saber onde estão e o que acontecerá com o ProUni, o Fies, o Bolsa Família e o Minha Casa Minha Vida, por exemplo. Será preciso que os partidos políticos reinventem discursos e práticas. Em uma cena política com 35 partidos políticos e mais 50 outros aguardando a confirmação no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para participar das eleições, há um desencanto da população com as lideranças políticas e com a política em si.

Um levantamento feito pelo SPC Brasil e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), no início de 2018, mostra que 47% dos brasileiros esperam que o combate à corrupção esteja na lista das  principais prioridades do novo presidente do país. Já 39% citaram o investimento na saúde como ação primordial e 33% o investimento na educação. Em seguida aparecem a segurança pública (32%) e a geração de empregos (29%).

A grande verdade é que nós, cidadãos, só veremos mudanças reais no país se nos envolvermos no processo político durante o ano de 2018 e subsequentes. É preciso discutir, participar, se envolver e acima de tudo cobrar para que tudo que a população anseia e que é prometido nas campanhas políticas, seja realizado. A transformação nacional é resultado do envolvimento de todos.

Em uma eleição nacional, sem o excesso de recursos que marcaram as eleições anteriores, a exploração do fato de estarmos em franca recuperação econômica deve ser uma força para ser explorada pelos candidatos.

Caro leitor, não podemos pensar que vivemos como a política do “Pão e circo”, instituída em Roma há séculos atrás e utilizada para abafar os problemas sociais que vivemos e convivemos. Para sermos um país modelo, com baixo índice de corrupção e altos níveis de serviços públicos e qualidade de vida, precisamos cuidar primeiro de nossa população e isso só virá com a participação efetiva de toda a  sociedade na política. 

Postado em 05 de Fevereiro, às 11:42 por Magno Bastos 0 comentários

Veto ao Refis das MPE deve ser derrubado pelo Congresso Nacional

Donos de Micro e Pequenas Empresas (MPE) que possuem débitos tributários devem procurar a Receita Federal até o dia 31 de janeiro para parcelar as dívidas e permanecerem no Simples Nacional. Na última sexta-feira (5), o presidente Michel Temer vetou o Refis dos pequenos negócios, projeto aprovado pelo Congresso Nacional em dezembro do ano passado e que estende a esses empresários os mesmos benefícios concedidos às grandes empresas para o parcelamento de débitos com o fisco.

O veto ocorreu por questões técnicas. Resolvidas estas questões, a vontade política de beneficiar os pequenos negócios continua. A equipe econômica do Governo Federal vai fazer cálculos para medir o impacto orçamentário do Refis. O Congresso deverá derrubar o veto no retorno do recesso, em fevereiro. “Foi uma questão pontual, que será resolvida. Sabemos que é uma questão de tempo. O Refis foi aprovado com ampla maioria dos parlamentares. Vamos continuar na missão de acompanhar o assuntos e solicitar apoio dos deputados e senadores para a derrubada do veto. Nosso objetivo é apoiar tudo o que for para beneficiar os pequenos negócios”, disse o superintendente do Sebrae Bahia, Jorge Khoury.

As empresas têm até o dia 31 de janeiro para solicitar o refinanciamento nas condições antigas, para que não sejam eliminadas do Simples, e precisam aguardar o mês de fevereiro, quando o Congresso deverá derrubar esse veto. Com isso, as empresas poderão migrar para uma condição mais favorável de parcelamento e continuar no regime.

Com foco em todas as empresas do Simples, o Refis beneficiaria especialmente, com condições mais favoráveis, cerca de 600 mil empresas, que devem aproximadamente R$ 20 bilhões à União e foram notificadas pela Receita Federal. Caso não negociem o parcelamento até o fim de janeiro, nas condições atuais, elas serão excluídas do Simples Nacional. Por meio do Refis, o parcelamento das dívidas poderá ser feito em até 180 vezes, com redução expressiva de juros e multas.

Postado em 08 de Janeiro, às 15:47 por Magno Bastos 0 comentários

Tire suas dúvidas sobre usucapião extrajudicial e instituição de direito de laje

O novo CPC acrescentou o art. 216-A na Lei 6.015/73 (Lei de Registros Públicos) garantindo que cartórios regularizassem imóveis em todo País. Já Lei Federal nº 13.465/2017 estabeleceu novos paradigmas para a extrajudicialização da usucapião e regularização fundiária de bens imóveis revelando-se como uma opção para a sociedade, que sem escritura e sem registro, possa agora legalizar suas moradias, uma vez que, há uma resposta mais rápida na solução de demandas.

Porém, como tudo que é novo causa dúvidas, e não seria diferente neste caso, trazemos as principais dúvidas feitas por nossos clientes:

1. O QUE É USUCAPIÃO?
Usucapião é o direito pelo qual um cidadão adquire a propriedade de um bem móvel ou imóvel em decorrência do uso por um determinado tempo. Para que esse direito seja reconhecido, é necessário que sejam atendidos determinados pré-requisitos previstos na lei, especificamente no Código Civil e na Constituição Brasileira. Trataremos aqui especificamente dos bens imóveis.

2. QUAIS SÃO OS PRINCIPAIS REQUISITOS DA USUCAPIÃO?
Para que a usucapião aconteça, é preciso que alguns requisitos básicos inerentes a todas as modalidades sejam cumpridos. São eles: Posse com intenção de dono, Posse mansa e pacífica, Posse contínua e duradoura, Posse de boa-fé e com justo título.

3. QUAIS OS DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA REQUERER A USUCAPIÃO EXTRAJUDICIAL?
Inicialmente, deve-se entender que o processo é feito em dois passos. O primeiro é através da ATA NOTARIAL LAVRADA PELO TABELIONATO DE NOTAS. Com esse documento em mãos, dá-se a entrada do requerimento no cartório de registro de imóveis. Para isso, precisaremos tratar dos seguintes passos:

PASSO 1: PARA ATA NOTARIAL
A ata notarial foi reconhecida pelo CPC como instrumento, dotado de fé pública e de força de prova pré-constituída, tratando-se de requisito essencial para a usucapião extrajudicial. No entanto, pode e deve ser utilizada também no procedimento da usucapião judicial, pois em muito colaborará para a instrução probatória, tornando mais célere o procedimento judicial.
Nessa primeira conversa, o tabelião deve procurar saber sobre: o objeto da usucapião; o tipo de posse; as causas que suspendem ou interrompem a usucapião; o tempo de posse, que varia de acordo com o tipo de usucapião.
É preciso, após identificar o tipo de usucapião, analisar se a posse é justa, pois somente essa posse justa é apta a concretizar a usucapião. O art. 1.200 do Código Civil prescreve que: "É justa a posse que não for violenta, clandestina ou precária." Estabelece, ainda que:
“Art. 1.208. Não induzem posse os atos de mera permissão ou tolerância assim como não autorizam a sua aquisição os atos violentos, ou clandestinos, senão depois de cessar a violência ou a clandestinidade." Também deve ser considerado que, nos termos do art. 1.244 do CC, as causas que obstam, suspendem ou interrompem a prescrição também se aplicam à usucapião.
O tabelião deve estudar todas as hipóteses legais de usucapião para verificar se estão presentes os respectivos requisitos:
DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA A ATA NOTARIAL DE USUCAPÍÃO.
1. Solicitante: documentos pessoais e qualificação (estado civil, profissão, etc);
2. Comprovante de residência;
3. 3. Documentos que comprovem a cadeia sucessória do imóvel (títulos aquisitivos);
4. Levantamento topográfico, memorial descritivo, ART e assinatura do ADVOGADO;
5. Localização precisa do imóvel (endereço completo);
6. Inscrição Imobiliária (se houver);
7. Justo título e carnês de IPTU, energia elétrica, água, contratos, recibos, e demais documentos para comprovação da posse.
8. Nos casos de Instituição de Direito de Laje, será solicitada ainda os mesmos documentos, cada um com sua numeração de IPTU, energia elétrica, água, etc.

PASSO 2: PARA REGISTRO NO CARTÓRIO DE IMÓVEIS
1. Requerimento assinado pelo ADVOGADO e Procuração;
2. Documentos pessoais do requerente, certidão de nascimento ou casamento; Se for PJ: última alteração contratual e certidão simplificada emitida pela Junta Comercial;
3. Ata notarial na via original ou cópia autenticada lavrada por tabelião;
4. Planta do imóvel assinada por profissional da área, memorial descritivo, ART do profissional que assina a planta, inclusive, nominando os confrontantes;
5. CNDs dos distribuidores da comarca do imóvel (cíveis e criminais emitidas pela Justiça Estadual e pela Justiça Federal e certidões específicas);
6. Cópia matrícula atualizada do imóvel;
7. Justo título e quaisquer outros documentos que demonstrem a origem, a continuidade, a natureza e o tempo da posse, tais como o pagamento dos impostos e das taxas que incidirem sobre o imóvel (água, luz, IPTU), contratos, declarações, escrituras ou outros documentos que esclareçam a origem da posse, prova de eventuais gastos com edificação, reformas ou conservação do imóvel;
8. Declaração de 03 testemunhas que atestem o tempo e a qualidade da posse dos requerentes;
OBS: os documentos variam dependendo do caso, não sendo obrigatória a apresentação de todos os elencados acima.

4. ONDE O PEDIDO DE RECONHECIMENTO EXTRAJUDICIAL DE USUCAPIÃO É FEITO?

Após a lavratura da ATA NOTARIAL FEITA PELO TABELIÃO, e segundo a letra da lei (Art. 216-A do Lei de Registros Públicos, acrescido pelo art. 1071, NCPC), o pedido de reconhecimento será processado “diretamente perante o cartório de registro de imóveis da comarca onde estiver localizado o imóvel usucapiendo”.

5. JÁ QUE O PROCEDIMENTO É EXTRAJUDICIAL, HÁ NECESSIDADE DE ADVOGADO?
SIM. A Lei obriga que haja a figura do advogado, que fará e assinará o requerimento.

6. MESMO SE HOUVER LITÍGIO, EU POSSO REQUER EXTRAJUDICIALMENTE A USUCAPIÃO?
NÃO. Para recorrer a esta opção, é necessário que a usucapião ocorra de forma consensual e pacífica, sem litígio ou conflito de interesses.

7. O IMÓVEL USUCAPIENDO NÃO POSSUI MATRÍCULA, ALÉM DISSO, OS IMÓVEIS CONFRONTANTES TAMBÉM NÃO POSSUEM MATRÍCULA. PODERÁ SER FEITO O PROCEDIMENTO DA USUCAPIÃO EXTRAJUDICIAL NESTE CASO?
SIM, apesar de ser um procedimento mais complexo, que envolverá certidões negativas de matrículas do imóvel usucapiendo e dos confrontantes, também serão necessários outros requisitos, como por exemplo, a assinatura dos possuidores dos imóveis confrontantes.

8. QUAL A DURAÇÃO APROXIMADA DO PROCEDIMENTO DA USUCAPIÃO?
Esta resposta vai depender muito de cada caso específico, contudo, no TABELIONATO DE NOTAS estima-se um prazo entre 05 (cinco) dias após a entrega das documentações. Já no registro imobiliário, existe o prazo de registro de 30(trinta) dias, caso as documentações estejam atualizadas e as partes estejam cientes e de acordo com o procedimento.

9. PODERÁ SER FEITA USUCAPIÃO DE IMÓVEL RURAL?
Sim, desde que atenda aos requisitos previstos tanto na legislação que versa sobre a usucapião extrajudicial, quanto aos requisitos da usucapião de imóvel rural.

10. POSSO FAZER USUCAPIÃO DE UMA PARTE DO IMÓVEL?
Sim, é possível. Você pode usucapir apenas uma área dentro de uma área maior.

11. POSSO PERDER O IMÓVEL QUE COMPREI E NÃO REGISTREI?
Infelizmente SIM. Se você fizer um contrato de gaveta e o antigo dono vender o imóvel de forma regular para outra pessoa que faça o registro, este comprador será o dono da propriedade e, dificilmente, o seu contrato de gaveta conseguirá reaver o imóvel. Por isso a importância de realizar o procedimento da usucapião.

2. QUERO USUCAPIR UM IMÓVEL QUE TEM ESCRITURA, É POSSÍVEL?
Sim, é possível, basta preencher os requisitos.
Para maiores informações, procure O Cartório MARLENE LESSA situado à Rua Dr. Vilarino Borges, 105-A, centro, Amargosa – Bahia. Tel 75-3634-1630 e fale com a Tabeliã.

Postado em 05 de Janeiro, às 01:48 por Ivanildo Bastos 0 comentários

Os desafios para 2018 – Por Janguiê Diniz - Mestre e Doutor em Direito - Reitor da UNINASSAU

Poucos dias após a virada do ano. Intensifico a minha reflexão quanto aos desafios vindouros e relembro as conquistas dos anos que se passaram. Mas, não podemos pensar exclusivamente em nossas conquistas. Precisamos refletir sobre as conquistas coletivas da sociedade brasileira, porém, continuamos com imensos desafios.
2018 chega com seu maior desafio: as eleições presidenciais após dois anos de polêmicas. É também ano de Copa do Mundo após o último fracasso, em 2014, em território nacional. Ano em que que precisaremos investir em parcerias, alianças, acordos e uniões para atingir os objetivos pessoais e profissionais.

 O Brasil vive um momento de otimismo na economia. Em 2017, a ordem foi “arrumar a casa”. Nos anos anteriores, as dificuldades do cenário impuseram muitos desafios às empresas. Algumas fecharam as portas, outras precisaram enxugar custos e redefinir todas as suas estratégias. O desenvolvimento econômico brasileiro carece de mais investimento do estado. Não sou defensor do capitalismo estatal, mas, prego o investimento público na infraestrutura. Ele provoca o espírito animal do empresariado.

 O investimento público deve estar acompanhado da iniciativa privada. As parcerias público-privada estão sendo constantemente implantadas por vários gestores públicos. Tais parcerias precisam continuar a existir, já que, através delas, é possível aumentar a capacidade do investimento estatal e, por consequência, dotar o Brasil de atrações para investimentos privados, inclusive estrangeiros.  


A saúde pública brasileira continua a ser um problema e um desafio. É absolutamente necessário que o tema saúde pública esteja na pauta dos debates em 2018, não apenas nas promessas políticas, mas como uma preocupação governamental. Entretanto, é preciso esquecer que o debate simplista, ou seja: mais verbas, melhor saúde. Precisamos discutir a oferta de médicos, a eficiência da gestão dos hospitais públicos e a construção de laboratórios públicos para garantir que todo brasileiro possa ter condições dignas de atendimento.
A educação é outro desafio permanente. O Brasil avançou, mas ainda ocupamos posições inferiores nos rankings educacionais. É preciso debater a federalização do ensino básico. A educação básica requer investimentos nas estruturas das escolas e dos professores. A educação superior uma avaliação de custos.
Mais um ano se passou e os desafios continuam. O ano de 2018 precisa ser de total recuperação e crescimento. Precisamos buscar soluções dos problemas apresentados, já que teremos eleição presidencial e, assim, tais temas ficam aflorados.

 

Postado em 02 de Janeiro, às 17:12 por Cristóvão Guimarães 0 comentários

5 dicas para conseguir cumprir as promessas de Ano Novo


A euforia das pessoas costuma emergir no fim do ano devido ao desejo de começar rapidamente um novo ciclo com as energias renovadas. Todavia, muitas promessas não são cumpridas e os tais anseios são novamente deixados para depois.

Segundo a psicóloga Lizandra Arita, ter convicção daquilo que deseja é o primeiro passo para realizar o que foi prometido. “Temos que ter em mente um prazo em que cada tarefa leva para ser concluída. Desse modo, é necessário estabelecer metas. Além disso, é muito importante listar o que vai ser feito nesta ação. O resultado será diretamente proporcional às ações traçadas.”, reforçou a terapeuta.

De acordo com Lizandra, nada é concluído de um dia para o outro. O exercício de colocar em prática conta com um preparo que ajudará a chegar a um resultado positivo com mais facilidade. “É recomendável escrever todos os desejos em um pedaço de papel e ler, durante 21 dias, na parte da manhã e da noite. Deste modo, o subconsciente começará trabalhar o sentido de criar um forte desejo para a concretização das ações.”, ressalta a psicoterapeuta.

O ano novo pode trazer novas energias, porém, cada um é responsável em fazer as coisas acontecerem. “É necessário que as pessoas coloquem na cabeça que o sucesso não é algo oportuno e, mesmo as coisas importunas têm seu valor. Imaginar as ações como se a meta já tivesse sido alcançada é ótimo, já que a imaginação é uma propriedade realizadora que todos têm dentro de si. Com ela temos força de vontade para continuar.”, conclui Lizandra.

Postado em 31 de Dezembro, às 10:51 por Ivanildo Bastos 0 comentários

A nova era da confiança empresarial Por Marcelo Tertuliano

São Paulo, 19 de dezembro de 2017 - Recentemente, uma amiga se viu espantada porque um prestador de serviços da empresa que ela dirige realizou atividades não previstas em contrato e não as cobrou posteriormente. Segundo ela, apesar de aqueles itens não estarem estipulados no acordo formal, por escrito, haviam sido elencados na reunião de contratação, mas, na redação do documento, por falha dos advogados, foram deixados de lado. “Qualquer empresa teria o direito de não cumpri-los ou de cobrá-los à parte, mas, o vendedor disse que se lembrava perfeitamente do acordo, que ele estava incluso no preço e que sua palavra valia mais do que algumas frases escritas. Fiquei muito bem impressionada e essa atitude nos incentivou a firmar novas parcerias com essa empresa, que não só realiza serviços tecnicamente perfeitos, mas, demonstra honestidade”, revelou ela.
 
A questão deste case é um fato a ser analisado sob a ótica da confiança empresarial: por que a honestidade desse profissional, que deveria ser uma regra, tornou-se algo tão admirável?
 
As empresas, atualmente, vivem um momento no qual títulos, especializações e o conhecimento técnico são altamente valorizados. Se o profissional passou por uma excelente universidade e a concluiu com louvor, domina outros idiomas, é pós-graduado e tem MBA, Mestrado, Doutorado ou especializações em sua área e, além dessas virtudes acadêmicas, fez carreira em boas e grandes empresas, certamente tem méritos suficientes para ocupar cadeiras importantes nas melhores corporações do planeta. Sem dúvida, ele tem o preparo necessário para exercer o cargo e a função que o aguardam.
 
Porém, além de tudo isso, o que se espera, atualmente, é que as empresas tenham profissionais com os quais possam contar, depositar confiança e que as representem de maneira ética, acima de tudo.
 
No caso exposto por minha amiga, se o funcionário da empresa prestadora de serviços agisse de maneira diferente, ele até poderia ter conseguido agregar mais serviços ao contrato e ganhar mais com isso, porque a contratante, provavelmente, não se daria ao trabalho de procurar uma nova empresa para terminar o que já estava quase no fim. Mas, ele mancharia o nome da marca que representa, fechando completamente as portas para contratações futuras e, também, para ele mesmo, no caso de se associar a uma nova empresa. Esse é um profissional no qual todos os elos da cadeia podem confiar, porque ele não pensa em ganhar apenas uma vez, ele quer desenvolver relacionamentos duradouros e honestos.
 
O mundo empresarial precisa viver uma nova fase, que eu chamo de ‘era da confiança empresarial’. Não é utopia, tampouco modismo: é apenas a constatação de que, além de tudo o que o profissional precisa ter para ser valorizado, ele necessita de gerar confiança.

 

*Marcelo Tertuliano é Administrador de Empresas, com 22 anos de experiência na função financeira, dos quais, 15 anos em posição gerencial. Atualmente lidera a área financeira de uma grande mineradora em Moçambique. É um estudioso do comportamento empresarial mundial.

Postado em 19 de Dezembro, às 18:11 por Cristóvão Guimarães 0 comentários

Sustentabilidade deve ser um dos pilares empresariais

Há vinte anos, poucos empresários consideravam importante o respeito ao meio ambiente. Atualmente, a sustentabilidade é um elemento central na atividade e cada vez mais essencial na estratégia das empresas. Durante muito tempo se acreditou, erroneamente, que a sustentabilidade estaria diretamente relacionada ao meio ambiente. Entretanto, essa ideia é dividida em três principais pilares: social, econômico e ambiental. Para se desenvolver de forma sustentável, uma empresa deve atuar de forma que esses três pilares coexistam e interajam entre si de forma plenamente harmoniosa.

O pilar ambiental refere-se, basicamente, à preservação do meio ambiente e dos recursos naturais, além da redução do desperdício de materiais. O social compreende ao capital humano relacionado às atividades do empreendimento, incluindo a comunidade, o público-alvo, os fornecedores e a sociedade em geral. E finalizando, o econômico inclui assuntos referentes à produção, distribuição e consumo de bens e serviços, considerando os pilares ambiental e social.

Para a ONU, entre os dez objetivos que o mundo poderia adotar para atingir o desenvolvimento sustentável estão erradicar a pobreza extrema, incluindo a fome; assegurar o aprendizado efetivo de todas crianças e jovens para a vida e a subsistência; alcançar a saúde e o bem-estar para todas as idades; melhorar os sistemas agrícolas e aumentar a prosperidade rural; tornar as cidades mais inclusivas, produtivas e resilientes; entre outras.

O desenvolvimento sustentável já é um assunto recorrente na sociedade mundial. A assiduidade das pautas de discussão está ligada diretamente a urgência e a necessidade de se criar movimentos para equilibrar as ações desenvolvimentistas do homem e da preservação dos recursos naturais. Assim, pensar no desenvolvimento sustentável implica considerar a necessidade de recuperar o patrimônio natural, preservar os ecossistemas e definir o uso racional dos recursos, permitindo o equilíbrio socioeconômico e cultural.

Mundialmente, o consumidor brasileiro é menos preocupado com a preservação dos recursos naturais do que os consumidores dos países desenvolvidos. Nos EUA, ações de premiação para as empresas que agem sustentavelmente já alcançam 50% da população consumidora. Essa relação fica ainda mais clara quando analisamos o percentual das pessoas que buscam os produtos ecologicamente corretos: nos países desenvolvidos esse número é de 39%, enquanto aqui, os percentuais são de 13%.

O papel da educação e da erradicação da pobreza é extremamente importante para atingir os objetivos propostos pela ONU. Um país que investe em educação está investindo em desenvolvimento – econômico e sustentável. É preciso criar e ter a consciência de que assegurar esse equilíbrio entre o desenvolvimento dos países e a preservação do meio ambiente, significa, acima de qualquer outro objetivo, garantir que nossos filhos, netos e bisnetos tenham condições mínimas de sobrevivência.

A busca das empresas pelo equilíbrio de suas ações nas áreas econômica, ambiental e social, visando à sua sustentabilidade e a uma contribuição cada vez mais efetiva à sociedade, é hoje um fato. Para medir esse equilíbrio, alguns modelos e ferramentas de gestão, globalmente aceitos, têm sido utilizados no dia-a-dia empresarial para o aperfeiçoamento de seus processos e ações.
 
Mas a sustentabilidade, entendida no ambiente corporativo como fator estratégico para a sobrevivência dos negócios, é bem mais que um princípio de gestão ou uma nova onda de conceitos abstratos. Representa um conjunto de valores e práticas que deve ser incorporado ao posicionamento estratégico das empresas para definir posturas, permear relações e orientar escolhas.

Postado em 11 de Dezembro, às 12:17 por Magno Bastos 0 comentários

Psicóloga recomenda 30 dicas para começar o ano novo com o pé direito

É inevitável, ao final de cada ano, começamos a repensar tudo o que
fizemos. Os planos que colocamos em prática, os que ficaram no meio do
caminho e aqueles que nem mesmo tiramos do papel. Realmente é uma época de
organizar a mente, o emocional e o corpo. Seja objetivo passar em um
concurso público, vestibular, organizar a vida sentimental e financeira,
até mesmo emagrecer, ou parar de fumar. O importante é repensar em tudo que
realizou,  o que deu certo, e se programar para colocar em prática os
outros desejos, sem frustrações, cobranças e tristezas. "Começar o ano
motivado e com a vida em dia e fundamental para conseguir o sucesso",
explica a psicóloga Miriam Farias. Valorize às coisas legais que você
realizou durante este ano.

 A especialista explica que através da hipnose clinica é possível equilibrar
a mente e o corpo. "Mente sã, corpo são, é importante deixar de lado o
estresse, a baixa autoestima, e qualquer sentimento ou pensamento de
negatividade, é preciso mergulhar em si próprio, descobrir o que deu errado
para acertar no próximo ano, às vezes a ansiedade, a dúvida e o estresse acaba
induzindo a pessoa a se desequilibrar emocionalmente" conta.

Dezembro é um mês que mexe com o emocional das pessoas, a solidariedade
está mais a flor da pele, alguns dias de férias, o encontro com a família e
amigos para celebrar as festas de final de ano e celebrar a chegada de um
Ano Novo, pode ser um ótimo momento para refazer laços, reequilibrar o lado
emocional e já esperar para 2017 muitas conquistas.

 A hipnose é uma terapia focal e direcionada, uma forte aliada contra
diversos males da atualidade, indicada para tratar estresse, baixa
autoestima, depressão, pânico, fobias, ansiedade, medo, vícios, e ajuda até
mesmo a potencializar os estudos para provas de concursos e vestibulares.

 *10 dicas de Miriam para mudança de hábitos em  2018: *

 1-    Tenha atitudes mais ousadas.

2-    Se aproxime mais de relações saudáveis, pessoas que colocam você pra
cima.

3-    Acredite que é possível realizar seu sonho. (passar no concurso,
comprar um imóvel, casar, fazer uma faculdade, ter filhos, viajar para o
exterior, etc...)

4- Aprenda a administra momentos de estresse e ansiedade.

5-    Aplique como exemplo o que deu certo, em time que se ganha não se
mexe.

6-  Pare de se lamentar e deixe o passado, remoer o passado não traz nenhum
benefício. Siga em frente tem muita vida esperando por você.

7- Separe alguns minutos do seu dia para meditar ou praticar auto-hipnose,
busque a paz  interior.

8-    Faça programas que relaxem e traga prazer.

9-    Viva um dia de cada vez, sem pressa.

10-Valorize as coisas boas que aconteceram com você durante este ano e
busque novas realizações.

 * 10 dicas para ser mais feliz:*

1 - O caminho para a felicidade começa com o autoconhecimento.

 2 - Invista na sua autoestima; quando necessário procure ajuda de um
psicólogo.

 3 – Faça auto-hipnose, ou meditação, ou yoga.

 4 - Trabalhe com algo que lhe proporcione realização pessoal.

 5 - Crie o habito de agradecer por tudo, até mesmo pelas coisas mais
simples da vida.

 6 - Desenvolva novas habilidades; o cérebro precisa ser estimulado.

 7 - Procure uma atividade física que você goste.

 8 - Tenha compaixão pelo seu semelhante.

 9 - Mantenha relações saudáveis, de respeito e afetividade.

 10 - Viva um dia de cada vez, deixe o passado para trás, o futuro no
futuro, e concentre-se no agora. Não sofra por algo que passou ou que ainda
não aconteceu.

    *Aprenda 10 dicas para enfrentar o estresse na vida pessoal e profissional*

 1 - Momento de crise é também uma oportunidade para se conhecer melhor,
   procure ajuda de um profissional psicólogo, ele pode te apoiar neste
momento difícil sem críticas ou julgamento de valor.

 2 - Os seres humanos tem uma enorme capacidade de adaptação, aproveite para
criar novas possibilidades de atuação no mercado de trabalho. Se reinvente.

 3 - Invista mais na sua profissão, procure  se aperfeiçoar, qualificar,
reciclar, estudar, participar de eventos e agregar outros conhecimentos que
possam aumentar seu conhecimento na carreira que escolheu ou no trabalho
que executa.

 4 - Seja um profissional diferenciado, faça a diferença no mercado de
trabalho, procure realizar a sua tarefa com dedicação e criatividade.

 5 - No local de trabalho, procure e  demonstre interesse em aprender novas
habilidades, quanto mais habilidades a pessoa possui maior é a
possibilidade de atuar em vários setores.

 6 - Aprenda a controlar o estresse, realizando práticas de auto-hipnose. A
hipnose é uma técnica muito eficaz no combate ao estresse, regula e
equilibra o corpo e a mente, promove qualidade de vida ao trabalhador.

 7 - Os profissionais que tem maior visibilidade no local de trabalho, são
aqueles que possuem maior habilidade nas relações interpessoais, geralmente
são pessoas colaboradoras, solidarias que contribuem para manter o
equilíbrio da equipe, muitas vezes, se tornam líderes e quando surge um
cargo de chefia na maioria das vezes é indicado.

 8 - A nossa cultura nos bombardeia com pensamentos e crenças limitantes, do
gênero: não vamos conseguir, somos incapaz e não temos capacidade. Livre-se
dos pensamentos e crenças limitantes e acredite mais em você e no seu
potencial.

 9 - Desenvolva a tolerância com a diferença, respeite o outro como ele é.

 10 - Tenha mais atitude e iniciativa, invista no que você tem de melhor e
cuide da sua autoestima.

 

Postado em 05 de Dezembro, às 16:11 por Cristóvão Guimarães 0 comentários

Cursos buscam formar líderes para atender às exigências do mercado de trabalho

Com o mercado de trabalho cada vez mais exigente, buscando novas habilidades em profissionais capacitados e qualificados, o conceito ‘formar líderes’ tem ganhado cada vez mais espaço nas universidades brasileiras, que buscam constantemente se adequarem às expectativas de um mercado cada vez mais competitivo. 

Ser eficiente tecnicamente ou entender muito bem sobre técnicas de gestão são importantes, no entanto, além de o profissional precisar ter melhor desempenho em gestão, precisa também desenvolver habilidades comportamentais, visando se tornar um gestor moderno.

Alguns cursos de MBA (Master in Business Administration) tem reformulado sua filosofia de trabalho, em busca da formação do gestor moderno, capaz de desenvolver visão integrada e eficiente de Gestão Empresarial, bem como entender o amplo dinamismo da sociedade, buscando ações que proporcionem o crescimento da organização.

Em Itaperuna, RJ, o ‘MBA em Formação de Executivos’ foi planejado em seus mínimos detalhes, objetivando capacitar alunos a se tornarem líderes, aptos a gerenciar profissionalmente diversificados empreendimentos.

“Nós temos como objetivo atualizar conceitos e métodos de Gestão Empresarial, que possam ser aplicados em empresas de micro, pequeno e médio porte, além de desenvolver e aprimorar posturas da gerência, capacitar alunos a iniciar e participar de processos empresariais, fornecendo ferramentas para que eles ampliem o foco de visão em relação a novos paradigmas de gestão empresarial. Também fornecemos um ambiente interativo entre os participantes para discussão de temas atuais ligados ao cotidiano de cada um, quando analisamos a capacidade analítica dos ambientes internos e externos”, explica José Carlos de Brito Gonçalves, coordenador dos cursos de pós-graduação da UniRedentor.

O ‘MBA em Formação de Executivos’ é destinado a todos os gestores de micro, pequenas e médias empresas, agentes financeiros, sucessores de empresas, que possuam ensino superior completo em qualquer área, àqueles que possuem experiência em qualquer setor administrativo, além de profissionais graduados que desejam se capacitar para seguir uma carreira corporativa de sucesso.

MBA EM FORMAÇÃO DE EXECUTIVOS - Nos dias 02 e 03 de dezembro começa o módulo II do ‘MBA em Formação de Executivos’, com o tema ‘Gestão Estratégica de Negócios’, nas dependências da UniRedentor (BR-356, 25 - Pres. Costa e Silva, Itaperuna - RJ), a partir das 8h. Melhores informações ou inscrições através do seguinte contato: (22) 3811-0111.

Postado em 01 de Dezembro, às 10:36 por Cristóvão Guimarães 0 comentários

Série para Consultores(as) traz o vídeo com o tema Decisão

A série que está conquistando todos os Consultores(as) da Contém1g Magic tem mais um vídeo, assista agora o Fica a Dica #06 com o Coach do Contém1g Magic Institute, Miguel Mar!

O tema do vídeo é Decisão! O segredo do êxito é estar decidido. Você já tomou a sua decisão?

Veja o vídeo abaixo e as dicas interessantes:

Postado em 14 de Novembro, às 16:23 por Ivanildo Bastos 0 comentários

Motociclista morre e carro pega fogo após batida na BR-324 em Gavião

Um motociclista morreu e um carro de passeio pegou fogo durante uma batida na BR-324, entre os municípios de Nova Fátima e Gavião, no norte da Bahia.

O acidente ocorreu no final da tarde de terça-feira (24). De acordo com a Polícia Rodoviária Federal (PRF), o condutor da motocicleta, que não era habilitado e estava sem capacete, foi atingido pelo carro de passeio após ter saído de uma estrada vicinal para acessar a rodovia federal.

Com a batida, o motociclista morreu na hora. Já o condutor do carro de passeio perdeu o controle do veículo, que foi parar no acostamento e acabou pegando fogo por conta do impacto.

Com ferimentos leves, o motorista do carro foi socorrido para a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do município de Capim Grosso. Já o motociclista foi levado para o Departamento de Polícia Técnica (DPT), em Jacobina.

Postado em 26 de Outubro, às 13:11 por Fabio Cruz 0 comentários

Incômoda passividade;Tiago A. Fonseca Nunes

Manifestações, panelas, ruas, crise e nada substancial. O Brasil segue imerso no mar de desconfiança generalizado. Mesmo que alguns resistam em concordar, independente da “ideologia” A ou B, o caminho é tortuoso e o futuro ainda mais incerto. É notório que vivemos uma diáspora política, onde pouco se discute os rumos do país, mantêm-se aberta as chagas do subdesenvolvimento, da educação precária, da saúde sucateada, da segurança ineficiente e acesa a chama da corrupção. 

Abro um parêntese para refletirmos sobre uma passagem da história contemporânea. Em 1962, Nelson Mandela foi preso e lá ficou por exatos 27 anos. Numa atitude de desprendimento (no sentido mais puro da palavra, sem contrapartidas escusas) conseguiu unificar a África do Sul se tornando presidente da república encabeçando um projeto pragmático em prol da população. Mesmo diante de tantos problemas sociais e culturais, optou em dar vazão ao essencial para os rumos do país, independentemente de ideologias partidárias. 

Portanto, ao projetarmos essa passagem ao Brasil, percebemos que os agentes políticos daqui não estão interessados em discutir o país, no que de fato é necessário ser feito para superarmos a conjuntura atual. Muito pelo contrário, insistem em dar passos condicionados a amarras do toma lá da cá tangenciando completamente as reais pautas da nação, que é tão heterogênea e carente como a nossa. Não saem da superficialidade de propostas e ideais, alimentam uma falsa agenda partidária, personificações são feitas para gerar o fisiologismo e, assim, os interesses gerais de Estado são negligenciados. Assistimos a esses gestores públicos recorrendo a cenas e encenações diariamente mantendo o fingimento teatral à grande parcela da população que ainda não despertou sua revolta. 

Vamos cruzar os braços e ficarmos fadados ao fiasco moral? Os valores apreendidos provenientes da operação lava-jato estão na ordem de bilhões. Todo esse montante (mesmo que aos nossos olhos possam representar pequeno percentual da real sangria do dinheiro público) se empenhado em áreas estratégicas poderiam minimizar consideravelmente as mazelas que a sociedade brasileira se depara. Falar dos problemas na saúde e educação parece chavão, mas infelizmente o brasileiro vive à margem de serviços dignos que justifiquem, por exemplo, a alta carga tributária paga todos os dias e, o pior, que vê a corrupção inerente ao sistema da politicagem. 

Desse modo, precisamos ser enfáticos em recriminar o corporativismo político que tem a pretensão de cercear as ações da justiça, encobrir seus desvios de conduta e jogar a opinião pública contra aqueles que tentam brilhantemente apresentar à população as bananas pobres da política brasileira. Por isso, continuemos sempre inconformados e dispostos a realinhar os trilhos por onde passa o vagão do Brasil, sedimentando-os com ética, respeito e moral.

Postado em 11 de Setembro, às 12:32 por Fabio Cruz 0 comentários

Mapeamento genético é a chave para tratamentos mais assertivos, segundo vencedor do Nobel

Nos últimos dias 09, 10 e 11 de agosto, estudantes, cientistas e especialistas brasileiros receberam o Nobel de Química em 2004, Aaron Ciechanover, para uma série de eventos sobre seu trabalho premiado, de tema “O sistema proteolítico ubiquitina: de mecanismos básicos à doenças humanas, até o desenvolvimento de medicamentos”. Aaron esteve na Universidade de São Paulo (USP), em São Paulo, na Fiocruz e no Instituto Nacional do Câncer (INCA), no Rio de Janeiro e na Universidade de Brasília e na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), no Distrito Federal.

Aaron Ciechanover descobriu um sistema chamado ubiquitina, que identifica proteínas inúteis e modificadas. Essas são proteínas prejudiciais que devem ser, de maneira seletiva, removidas do corpo, mantendo todos os componentes saudáveis que continuam exercendo suas funções vitais. “Essa descoberta está diretamente relacionada ao câncer, pois esse é causado por proteínas modificadas, que se acumulam de forma anormal” explica o cientista.

Em suas palestras, o laureado fez um paralelo de sua descoberta com a medicina personalizada relacionada ao câncer e outras doenças, destacando o mapeamento genético como a grande revolução da medicina nos próximos anos.

A visita foi uma ação da biofarmacêutica global AstraZeneca e o Nobel Media por meio do Nobel Prize Inspiration Initiative, um programa global que leva premiados pelo Nobel para universidades e centros de pesquisas a fim de inspirar e envolver jovens cientistas, a comunidade científica e o público. Este é o terceiro ano que o programa acontece no Brasil e neste período atingiu cerca de 5 mil pessoas presencialmente nas palestras e inspirou pesquisadores, estudantes e médicos. Só em 2017, mais de 12 mil pessoas foram alcançadas com transmissão online. 

Postado em 17 de Agosto, às 08:22 por Redação Criativa 0 comentários

Salve as Negras Pensantes

A História reserva à mulher momentos peculiares. Historicamente, em qualquer momento em que a ela se recorra, a presença da mulher emerge como ícone delimitador de transformações e avanços sociais, econômicos e políticos. Ilustro isso com o Dia da Mulher Negra da América Latina e do Caribe. Trata-se do dia 25 de julho, instituído pelas Nações Unidas, como o Dia Internacional da Mulher Afrodescendente.

Dia que eu não poderia deixar passar invisível ou renegada, visto que tal festividade existe desde 1992, ano em que se reuniram na República Dominicana mulheres afro-latino-americanas e caribenhas. Estima-se que mais de 80 milhões de mulheres se reconhecem como afrodescendentes na América Latina, e o ponto em comum entre elas é a certeza de que a mulher negra até hoje ainda sofre com o terrível e hodierno crime de racismo que não reconhece nossos grandes valores culturais e sobretudo nossa sabedoria.

Outra razão importante para celebrar este dia foi o descobrimento científico em 1986, confirmado depois com análise de DNA, de que a África é a Pátria Mãe da Humanidade. Isso quer dizer que todos e todas nós somos afrodescendentes. A pesquisa comprovou que o primeiro grupo humano que se tem registro viveu na África Oriental, hoje Etiópia, Kênia e Tanzânia cerca de 150 mil anos atrás, posteriormente migrando para as regiões da Ásia e Europa.

Estes fatos fizeram com que a Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas, proclamasse em 18 de dezembro de 2009, o ano de 2011, como o ano Internacional dos Afrodescendentes. Isso significa dizer que oficialmente, “os afrodescendentes representam um setor definido da sociedade cujos direitos humanos devem ser promovidos e protegidos”.

Um grupo, onde há ainda outro grupo específico de vítimas, identificado como o das mulheres negras cuja luta e resistência nos permite afirmar que jamais vão assassinar a utopia que nos faz acreditar, que é pela organização das mulheres negras que vamos firmar uma consciência na população de que há discriminação em todos os níveis. O sexismo e o machismo haverão de ser extintos como legado histórico e uma nova relação social há de surgir.

Esta luta também persiste no Brasil, basta olhar por dentro, ou para além do discurso silenciador que não há racismo ardil e velado, perversidades de um machismo e um preconceito que matam, cruciam, brutalizam e desintegram mulheres negras. Exemplo: Se estou com uma roupa de marca, um bom sapato, vestida de acordo com o padrão social imposto, vão achar que não pertenço àquele ambiente, causo desconfiança. Se estou no topo comandando, julgam-me como arrogante, problemática, subiu pra cabeça ou despreparada. Se entro numa grife então, jamais serei a cliente em condições de consumo e sim a vendedora. Se possuo um carro, esse também jamais me pertenceu!

Assim é o preconceito do Brasil, conforme dados divulgados no Geledes, quando há uma violência contra a mulher, a vítima é negra em mais da metade dos casos. Esses dados reforçam o mundo inseguro em que vivem e justifica o porque ocupam no ranking nacional a cadeia de vulnerabilidade social. Fora as 12 milhões de mulheres que já sofreram algum tipo de ofensa verbal em 2016. Outras 5,2 milhões foram assediadas e humilhadas publicamente no transporte público; 4,4 milhões sofreram uma violência física como tapa, chute ou soco; 1,4 milhão foram espancadas ou sofreram tentativa de estrangulamento, em 61% dos casos por conhecidos. E o pior dos dados: 52% dos episódios em silêncio total ou nada fizeram.

A maioria das mulheres negras possui em suas memórias as terríveis marcas da opressão avivadas pelo sexismo todos os dias, rememorar esse dia é reconhecer, descortinar a história dessas mulheres que devem estar no centro do panteão cultural brasileiro, que infelizmente pouco se conhece sobre nossas heroínas negras: Maria Felipa, Dandara, Zeferina, Luíza Mahin, Carolina de Jesus, Firmina Reis, Laudelina Mello, Tereza de Benguela e tantas outras.

Essas negras trouxeram uma nova ordem cultural que contraponha a “contracultura” existente e que pulsa pelo respeito, pela solidariedade e pela isonomia nas relações entre homens e mulheres, desde o ambiente doméstico, ao ambiente laboral, passando pelos espaços de participação político, acadêmico e cultural, dentre outros.

Romper a “contracultura” consiste na quebra dos paradigmas, superar preconceitos, por fim a todas às formas de discriminação são esses os contemporâneos desafios, postos para a consolidação de uma nova ordem cultural, cuja base estará fincada na igualdade e na equidade como condição necessária.

Assim o dia 25 de julho, vem como um momento épico para reafirmar a luta por melhores condições. Condições que serão efetivadas quando a sociedade, o Estado e cada uma de nós, formos capazes de entender o sentido, o aspecto e o significado das palavras da embaixadora argentina nas Nações Unidas, Marita Perceval: “¡Negra soy, pero bonita!” dice el Cantar de los Cantares y así digo yo, negra, con ovários”
E eu digo, Salve as Negras Pensantes !

Postado em 25 de Julho, às 13:53 por Redação Criativa 0 comentários

Tratamento para apneia do sono pode evitar infartos e AVCs

 Quando diagnosticada, a apneia do sono pode e deve ser tratada. “O objetivo do tratamento é manter as vias aéreas permeáveis ao fluxo de ar durante a noite”, resume a Fisioterapeuta da Clínica ADS, Vivian Morelli. 

Muito além de quebrar o ciclo do sono e prejudicar o necessário descanso, a apneia deve ser diagnosticada e tratada da forma correta. “Só assim é possível evitar que a doença evolua para algo mais complexo, como um ataque do coração ou um derrame cerebral”, pontua Morelli, que é membro da Associação Brasileira do Sono (ABSONO) e membro da Liga Baiana do Sono.

Segundo ela, uma das formas de tratamento da apneia se dá através do uso de uma máscara, geralmente conectada a aparelhos específicos (CPAP e bipap são os mais comuns) que funcionam como compressores de ar. Sua função é forçar a passagem de oxigênio através das vias aéreas superiores, durante a noite. “Os níveis de pressão da máscara devem ser ajustados individualmente a partir dos resultados de um estudo polissonográfico cuidadoso”, explica. “O uso deste aparelho pode impedir que o paciente pare de respirar, evitando infartos e morte súbita”, acrescentou.

            Existem casos em que a cirurgia é indicada, como para remoção de obstáculos e correção de distúrbios anatômicos que dificultem a passagem de ar. Perda de peso, no caso de pacientes obesos, evitar dormir na posição supina (de barriga para cima), entre outras medidas, podem ajudar o paciente com apneia a dormir melhor.

Incômodo - “Costumo acordar várias vezes à noite com o som do meu próprio ronco e sinto que, em seguida, fico com um pouco de taquicardia”, relata a vendedora autônoma Mariana Fabrício. Segundo ela, o ronco que apresenta enquanto está dormindo a deixa desconfortável: “Meu marido entende que não depende de mim, mas fico triste por estar atrapalhando o descanso dele”, lamenta.

            A apneia do sono é caracterizada por ruídos e interrupções na respiração que se repetem no mínimo cinco vezes num período de 60 minutos. “Muitas vezes, há os engasgos e o paciente nem percebe que isso está acontecendo, porque está em descanso”, afirma a fisioterapeuta da Clínica ADS. As pequenas pausas na entrada de ar chegam a diminuir a concentração de oxigênio no sangue e é aí que surgem os problemas mais sérios.
A redução de oxigênio super ativa o sistema nervoso, que eleva o ritmo dos batimentos cardíacos e estimula a contração dos vasos sanguíneos. Este processo se perpetua ao longo do dia, fato que torna a apneia do sono um fator de risco para pressão alta e arritmia cardíaca. Além disso, “o quadro favorece o acúmulo de gordura abdominal e a resistência à insulina (hormônio que permite à glicose entrar nas células e gerar energia), condições que contribuem para o surgimento do diabete tipo 2”, destaca Vivian Morelli.

A fragmentação da arquitetura do sono também provoca cansaço, dificuldade de permanecer acordado durante atividades sedentárias como conversar ao telefone e dirigir automóvel, além de causar irritabilidade, depressão, redução da libido, impotência sexual e dor de cabeça pela manhã (uma das manifestações mais frequentes da síndrome).

            Causas e diagnóstico - As causas do estreitamento ou oclusão da passagem de ar pelas vias aéreas superiores que originam a apneia do sono são variadas. Entre elas, destacam-se a obesidade, o crescimento das amígdalas, malformações da mandíbula ou da faringe, hipertrofia da língua (como ocorre na síndrome de Down), tumores, hipotonia dos músculos da faringe e falta de coordenação dos músculos respiratórios.

O diagnóstico preciso do distúrbio só pode ser estabelecido através da polissonografia, um exame que permite testar durante o sono os potenciais elétricos da atividade cerebral, dos batimentos cardíacos, os movimentos dos olhos, a atividade muscular, o esforço respiratório, a saturação de oxigênio no sangue e o movimento das pernas, entre outros parâmetros.

Postado em 19 de Julho, às 15:54 por Redação Criativa 0 comentários

Parada LGBT trouxe muitos shows e reuniu grandes nomes em SP

No domingo, dia 19 de junho, São Paulo foi palco de mais uma parada do orgulho LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais e Transgêneros). O evento reuniu multidões na Avenida Paulista e contou com a presença de muitos famosos e simpatizantes. Estimativas foram feitas de que 3 milhões de pessoas foram às ruas desfilar, curtir os shows e lutar por uma maior inclusão de todos os grupos representados pela sigla. O evento, organizado pela APOGLBT SP (Associação da Parada do Orgulho GLBT), teve início às 10 horas em frente ao MASP, onde participantes se reuniram e depois, em torno das 12:30 horas, seguiram o desfile de 19 trios elétricos pela avenida, passando pela Rua da Consolação até chegar ao Vale do Anhangabaú aproximadamente às 18:30, onde a parada é tradicionalmente encerrada com um show.

Os maiores destaques da música foram as cantoras Daniela Mercury e Anitta. A apresentação contou com “Paradinha” - além deste sucesso recente ela também cantou "Sim ou Não", "Bang" e "Essa Mina é Louca".

Além disso, durante a parada, quem esteve na Avenida Paulista pode desfrutar de shows mais variados – como o da sertaneja Naiara Azevedo, que estava no mesmo trio de Anitta, Márcia Freire, antiga vocalista da banda Cheiro de Amor, e de Lorena Simpson, na festa intitulada “Chá da Alice”.

Outros famosos também chamaram atenção durante o evento, como Fafá de Belém que desfilou em um dos blocos, a modelo e apresentadora Fernanda Lima – padrinha do evento neste ano – e a atriz Leandra Leal. Esta aproveitou para divulgar o documentário Divinas Divas, primeiro longa que dirigiu e que retrata as artistas travestis pioneiras do Brasil. Outra figura conhecida que prestigiou o evento foi o político Eduardo Suplicy.

A presença de personalidades da sociedade que se engajam em questões de justiça social é presente no Brasil e, acerca do tema, ao redor do mundo também. Citando três exemplos, temos o ator Neil Patrick Harris, o Barney da série de comédia americana How I Met Your Mother (que está disponível no NetFlix); a profissional internacional de poker Vanessa Selbst, e o novo primeiro-ministro da Irlanda, Leo Varadkar.

A 21ª edição do maior evento do mês do Orgulho LGBT reuniu pessoas de todos os sexos sob as cores do arco-íris, fantasias elaboradas, muita música, dança e animação – há estimativas de que 20% dos participantes sejam turistas, fazendo do

evento uma importante atração para o turismo da cidade de São Paulo. O Observatório de Turismo e Eventos, por sua vez, reportou que quase metade das pessoas são de fora da capital paulista. Destes, O Globo reporta que 3,6% são turistas de fora de Brasil. Hotéis, restaurantes e todo o arcabouço logístico de turismo da cidade lucram bastante com o evento – hotéis, aliás, estavam lotados. O relatório do Observatório diz também que entre 2012 e 2016 o gasto médio dos turistas foi de quatro dígitos: passou de 1,3 mil para 1,5 mil reais.

Nesse sentido, a prefeitura da cidade de São Paulo teria investido cerca de R$ 1,5 milhão para a infraestrutura do evento – o maior do tipo no mundo. Segundo a gestão de João Dória – o qual não acompanhou o evento por conta do aniversário da filha – a quantia investida neste ano foi a mesma quantia da parada anterior.

Postado em 06 de Julho, às 14:52 por Redação Criativa 0 comentários

Quem ganhou e quem perdeu no São João de Amargosa 2017

Perdeu feio a AMBEV que manteve durante anos a exclusividade no comércio de cervejas e refrigerantes no São João e erradamente desistiu de última hora apostando que não teria concorrentes.

Perdeu a oposição local que foi para as redes sociais fazer montagens em fotos para inventar críticas ao São João 2017, com recalque pela perda da eleição.

Perdeu a Coelba pela incompetência de não saber administrar a sua obrigação durante uma festa de grande porte. E merece ser condenada pelos prejuízos causados.

Perdeu a chuva que caiu durante a festa, mas que não tirou a animação dos foliões.

E quem ganhou?

Ganhou a Coca Cola que, realizando uma parceria de sucesso, investiu na festa, embelezando a Praça do Bosque e mostrando competência na distribuição do seu material.

Ganhou a Cerveja Proibida, agora com distribuição local, que realizou a maior parceria regional de sua história, gerando emprego e renda para o povo de Amargosa.

Ganhou a terra que recebeu a chuva durante o São João, para alegrar os agricultores.

Ganhou a cor vermelha, tão perseguida nos últimos quatro anos, quando não podia nem aparecer em uma bandeirola.

Ganhou a Administração Municipal que realizou uma das melhores festas dos últimos anos com apenas cinco meses de gestão.

Ganharam as escolas municipais ocupando a vila no Bosque, com destaque para a Escola Dinorah que homenageou Peu Meurray e abriu o São João de Amargosa no Palco Principal.

Ganhou mais uma vez o turista, pela alegria, determinação e o amor pelo São João de Amargosa.

Ganhou a cidade que mostrou como se faz, senão o maior, mas o MELHOR SÃO JOÃO do Brasil.

E Viva São João!!!... com o pensamento em 2018.

Val de Rita.

Postado em 26 de Junho, às 11:19 por Redação Criativa 0 comentários

Palavras que enaltecem São Miguel das Matas nos seus 126 anos

O visitante se aproxima da cidade e percebe a cidade inteira a seus pés, ao longe, a mais visível e imponente construção, a igreja, dominando uma larga praça, que parece ser o lugar mais amplo de toda a cidade.

Na entrada ou ladeira principal, as arvores oscilam com o vento e são elas que, antes de mais nada recordam ao recém-chegado que está em São Miguel das Matas ou a cidade de uma só família, se bem que muito numerosa.

Ao sentirmos os primeiros passos na cidade, somos inebriados com o cheiro leve da clorofila que vem do verde das suas matas, entorpecido pela humidade opaca do ar, os telhados tomados pelo tempo dão sinais da sua idade e de sua beleza, uma cidade tímida do interior baiano que nos surpreende não apenas pelos predicativos da sua natureza, mas pela afetividade calorosa do seu povo, que afaga seus visitantes como um filho.

Somos comovidos com essa visão, e logo em seguida sentimos repentinamente em terra familiar. A primeira impressão que é tomado um visitante ao tocar em solo Miguelense é a ausência de dinâmica e de modernidade quando comparada a cidade grande, embora o visitante se impressione, por outra qualidade marcante, que é a relação afetiva e calorosa do seu povo, bem como os traços peculiares conservado pela sua riqueza estética da mistura do presente com o pretérito.

São Miguel das Matas, cidade maravilhosa de maravilhas mil, que afaga e acaricia nossos corações com o oxigênio de tuas matas e com a beleza e a alegria do teu povo, tua beleza é manifestada na feição de contentamento dos MIGUELENSE, assim como se senti um amado nos braços da sua bem amada.

Postado em 08 de Junho, às 14:10 por Redação Criativa 0 comentários

Espera castiga a esperança

Cento e vinte dias. Pode até parecer pouco para quem aguarda o dia do casamento, a viagem programada ou até mesmo o dia da sua formatura. Contudo, para quem espera pelo tratamento do câncer é uma eternidade. No Brasil, em média, pacientes diagnosticadas com câncer de mama, através do sistema público, sofrem todo esse tempo para conseguir iniciar a quimioterapia, por exemplo.

Tristemente, cerca da metade das pacientes recebem a confirmação de câncer de mama em estágios já avançados. Associa-se a esse número, que 40% têm atendimento em até um ano para obter o diagnóstico, de acordo com dados do TCU (Tribunal de Contas da União). Havendo a necessidade de cirurgia, a angústia da espera chega a oito meses para realizar o procedimento, desde que não ocorra cancelamento nesse intervalo e a data seja protelada.

A lei 12.732/2012 preconiza que o paciente com neoplasia maligna – câncer – tem direito de se submeter ao tratamento no Sistema Único de Saúde (SUS), no prazo de até 60 dias, contado do dia que recebeu o diagnóstico. Porém, estatística do Sistema de informações do Câncer (SISCAN) evidencia que apenas 26,6% do total registrado em 2015 iniciaram tratamento dentro do prazo determinado. Entretanto, em contrapartida ao imbróglio da morosidade encontram-se os pacientes, que não têm um minuto sequer a perder.

Um dos mais importantes centros de estudo e tratamento da doença no país, o Instituto Nacional do Câncer (INCA), vive atualmente uma triste realidade, pela qual problemas estruturais atingem diretamente os pacientes que usam os seus serviços. Filas quilométricas para atendimento, macas improvisadas, deficiência nos suprimentos hospitalares e até mesmo falta de manutenção. Atente-se ao fato de que estamos falando da maior referência nacional em oncologia e, desse modo, temos a oportunidade de fazer uma reflexão de como andam os demais serviços Brasil afora. Infelizmente, ao passo que o número de leitos destinados a esses pacientes seguem limitados, com crescimento pífio, o número de diagnosticados cresce exponencialmente.

A rapidez na detecção e no tratamento do câncer é decisiva para a cura do paciente. À medida que o tempo avança, reduzem-se as chances e, por isso, não estamos diante de uma discussão banal. Ajustar a realidade ao que é tido como ideal, há de ser sentido em curto prazo. Uma regulação mais eficiente, pela qual disponha de dados precisos quanto ao estágio da doença; ampliação dos serviços oncológicos, gerando descentralização, são alguns dos exemplos. Assim sendo, a otimização melhora o planejamento, promove um gerenciamento eficaz dos gastos públicos e, principalmente, gera menor tempo para início do tratamento.

O câncer não espera! Tampouco aceita medidas casuísticas para resolver o problema. A responsabilidade sobrecai a toda a sociedade, pois devemos ter clareza de posição e reconhecimento da gravidade. Portanto, usemos até mesmo do ativismo da mídia para expor rotineiramente essas necessidades, de modo que o ser humano seja respeitado e a luta pela vida contra o câncer possa ser de fato a realidade. Enfim, o tempo tem duas caras, se bem aproveitado é um grande aliado, mas do contrário é um grande inimigo.

Postado em 05 de Junho, às 07:45 por Redação Criativa 0 comentários

Reforma Previdenciária, por Fernando Pinho

As tratativas políticas relativas às propostas de mudanças nas regras previdenciárias mais confundem do que esclarecem a população, de modo geral, pois há um número inimaginável de congressistas e senadores, tratando do assunto, que sabem pouco ou nada do mesmo, dada a pouca familiaridade em interpretar números. Há relatos de políticos muito capacitados em finanças, que afirmam ter presenciado casos de colegas assinando documentos que tratam de assuntos relevantes para o país sem lerem a íntegra dos mesmos.

A baixa qualidade dos debates tem sido um fator de repulsa à ideia, independentemente da necessidade ou não da Reforma. Amadorismo puro e irresponsabilidade. Grupos fortíssimos como sindicatos e associações de funcionários públicos têm feito pressão para que as regras da Previdência fiquem como estão, continuando a gerar fortes desequilíbrios nas Contas Públicas e perpetuando injustiças, obrigando o restante da população a continuar financiando indecorosas aposentadorias, em detrimento do conjunto.

O cidadão comum pergunta: será que essa Reforma é realmente necessária? Quais os benefícios reais dessas mudanças para as gerações atuais e futuras? A mesma será suficiente para tornar o sistema autofinanciável? Qual a periodicidade das futuras Reformas?

Os últimos estudos sérios elaborados a respeito do assunto contemplam pesquisas com jovens na faixa de 18 a 30 anos e revelam dados interessantes. Um número expressivo de entrevistados manifesta o desejo de trabalhar por conta própria e contribuir o mínimo possível com a Previdência Estatal, enquanto outros vão evitar o pagamento da referida e optarão por Previdência Complementar. Simplesmente não querem confiar os respectivos futuros ao governo, pois não há mais confiança nos políticos.

Há também jovens que, por estarem tendo um padrão educacional de alto nível, em escolas diferenciadas, não querem compromissos em ficar no Brasil e por isso também não têm interesse em vincular-se ao INSS. Afinal, motivos não faltam para viver em países com futuro já delineado.

Há muitas indagações e poucas respostas plausíveis. O momento demanda serenidade na análise do problema, até porque altas autoridades estão seriamente comprometidas moralmente em falcatruas e, a qualquer momento podem ser retiradas dos respectivos cargos, tornando ainda mais instável a base de apoio político a Temer, duramente conquistada pelo velho sistema do clientelismo político, troca de verbas e cargos por aprovação das Reformas. Prática abjeta que levou o país à situação atual. Portanto, não há ainda motivos concretos para acreditar que uma possível reforma da Previdência possa tornar-se uma alavanca para o pleno desenvolvimento do Brasil, pois a mesma pode não ocorrer.

Em adição aos elementos complicadores, há a forte possibilidade de cassação da chapa Dilma-Temer, o que pode acarretar a antecipação das eleições marcadas para 2018. Dúvidas não faltam. Portanto, máxima atenção ao noticiário visando evitar problemas e aproveitar boas oportunidades de negócios que esses episódios proporcionam.

Sobre Fernando Pinho

Fernando Pinho, 60 anos, natural de Bauru (SP), é economista e consultor financeiro com vivência em importantes mercados nacionais e internacionais. Em suas análises relaciona estatísticas, matemática financeira, ciência política e história econômica para tratar de realidades complexas que impactam no cenário econômico do Brasil e do mundo. Fernando gosta de trabalhar em cenários econômicos amplos, mostrando causas e consequências de como a economia afeta diretamente a vida de todos, considerando diversos assuntos e variáveis, como Geopolítica, Política Partidária, Política Monetária, Política Câmbial, Ideologias Econômicas, Psicologia do Consumidor, fenômenos e aspectos da globalização. Formado em Economia pela ITE – Instituição Toledo de Ensino (Bauru-SP), Fernando é Pós-graduado em Psicologia Econômica pela PUC SP e Mestre em Finanças pela Universidade Mackenzie.

Postado em 29 de Maio, às 10:08 por Redação Criativa 0 comentários

Próximo




Instagram




Enquetes


Categorias

Áudios Cidades Colunas Educação Entretenimento Esportes Polícia Política Publicidade Saúde Tempo

Rede Criativa

Mídia Notícias Rádio Hoje Brasil Repórter Hoje

Cidades

Amargosa Brejões Elísio Medrado Itatim Laje Milagres Recôncavo Salvador Santo Antonio de Jesus São Miguel das Matas Ubaíra Vale do Jiquiriçá Varzedo
Anunciar | Você Repórter | Termos de Uso | Contato | Expediente
©Copyright - Criativa On Line - Rede Criativa de Comunicação
A Força da Comunicação na Internet! 21/02/2018 23:42